| Books | Libros | Livres | Bücher | Kitaplar | Livros |

4 dimensões de uma vida em equilíbrio – Jurandir Sell Macedo Jr., Martin Iglesias, Denise Hills

Gostaríamos de agradecer imensamente a competente jornalista Letícia Teston, que nos ajudou nas pesquisas, edição e homogeneização das diferentes formas de escrever dos autores. Na prática, a Letícia é uma quarta autora ou, no jargão dos escritores, uma ghost writer, que com este agradecimento aparece. A Lê sempre nos brindou com sua alegria de viver e seu impecável bom humor e vai brindar o leitor com sua forma elegante de escrever. Sem ela, certamente o leitor iria sofrer muito mais para entender nossas ideias. Um especial agradecimento a Hanne Gianciani pela elaboração da capa, a Vitor Hugo Malschitzky pelas ilustrações, Ao editor Nelson Rolim de Moura da Editora Insular e a toda sua equipe. Também agradecemos a Emília Chagas que constantemente nos ajudou com a leitura e crítica dos originais. Devemos muito ao Itaú e em especial a equipe do programa “Uso Consciente do Dinheiro” formada por Maria Eugenia Sosa Taborda (a Marô), Ana Lygia Monteferrario Leite, Paula Baggio Arruda e Aline Gonçalves Magrini. Os autores Dedico este livro a uma pessoa muito especial, que ao longo dos seus muito bem vividos 94 anos soube cultivar uma vida de sucesso em todas suas dimensões. Das minhas contribuições para esta obra, minha querida vó Cecy (in memoriam) me ensinou boa parte delas. Sou grato a minha querida Celina, com quem compartilho meu principal capital social: nosos filhos Júlia e Gustavo. Denise e Martin, queridos amigos, foi muito divertido escrever este livro com vocês. Jurandir Macedo Foi um desafio acreditar que poderia participar deste projeto, já que esta é a primeira vez que estive envolvida no processo de produção de um livro. Incentivada por Jurandir Macedo, quem me convenceu de que a realização desta obra seria possível, decidi encarar o desafio. É por ele que inicio meus agradecimentos. Sou grata por toda a sua paciência e dedicação. Já que este livro fala de escolhas, minha gratidão segue o caminho da minha própria jornada. A começar pela minha família. Sem ela, não teria a base que me fez crescer. Levo em mim um pouco de cada um deles. Especialmente do meu avô Italo Lanfredi (in memorian), quem me ajudou a crer que as pessoas estão repletas de possibilidades. Para conquistar o que realmente queremos, nos bastam a dedicação e o esforço. Sou grata ao meu marido Carlos Hills, quem nunca duvida da minha capacidade mesmo quando eu mesma desconfio. Aos meus filhos Eduardo e Guilherme. São eles que me fazem rever a minha visão do mundo todos os dias e a traçar novos passos a caminho da sabedoria. Também fica aqui meu muito obrigada a todos os grandes profissionais que fizeram parte da minha trajetória.


Vocês sabem quem são e o quanto levo de cada um nos meus conceitos e aprendizados. Emespecial, agradeço ao Martin Iglesias, meu parceiro neste livro, pelo profundo conhecimento compartilhado. A Sonia Giacomelli, pela mudanças significativas que fizemos aplicando os conceitos de Educação Financeira. A Sergio Scorbaioli, o primeiro de todos os meus mentores, um exemplo de profissional e de pessoa no início da minha carreira. Como tantos outros professores, ele também se tornou um amigo. Todos vocês fizeram parte desta história, do meu crescimento enquanto ser humano em busca do equilíbrio através do exercício diário das escolhas. De coração, obrigada! Denise Hills Ao escrever um livro, deixamos nele não apenas o nosso conhecimento e visão sobre determinado assunto, mas também um pouco daquilo que somos. Tenho certeza que meus queridos amigos Jurandir e Denise também pensam assim. Agradeço a oportunidade de participar deste projeto com eles. Digo isso, pois ao escrever este agradecimento, sinto que o número de pessoas que, de alguma forma, me influenciou é muito grande. Sinto que todas as pessoas que passaram pela minha vida têmum papel crucial naquilo que acabei me tornando e, portanto, naquilo que eu consigo transmitir. Assim sendo, ou seja, tendo a certeza de que mesmo me esforçando deixarei muita gente importante de fora deste agradecimento, prefiro limitar-me ao meu circulo familiar mais íntimo. Gostaria, de forma especial, de agradecer a minha mãe, que não só tem sabido como poucos equilibrar os 4 capitais aos quais nos referimos nesta obra, mas que tem sabido manter o otimismo, a fé e a alegria de viver, mesmo diante das muitas dificuldades que a vida lhe tem reservado. Não posso deixar de agradecer ao meu querido pai (in memoriam), que considero, junto com minha mãe, um dos maiores exemplos de virtude e qualidade humana. Agradeço também a minha esposa Valeria, que está comigo há tantos anos e cuja alegria e simplicidade sempre me transmite uma profunda paz e a certeza de que as adversidades, mesmo as mais duras, serão sempre superadas. Não posso deixar de fora a minha querida filha Helena que com sua alegria e inteligência sempre me motiva a superar-me e a evoluir como pai e como pessoa. Para terminar, gostaria de agradecer à minha filha Carolina (in memoriam), que mesmo sem ter dito sequer uma palavra, me ensinou a viver. Martin Iglesias Prefácio Faço muitos eventos sobre educação financeira pelo Brasil. Falo sobre cenário macroeconômico, minha especialidade, enquanto o planejamento financeiro fica a cargo de um especialista na área – como Martin Iglesias, um dos autores deste livro, com quem tive o prazer de dividir o palco emmuitas oportunidades. Certa noite, no Rio de Janeiro, uma senhora pediu a palavra durante a seção de perguntas e respostas. Mais do que uma pergunta, ela fez um desabafo. “Tenho quase 70 anos, meu marido (um senhor sentado ao seu lado) passa dos 85. Paramos de trabalhar faz alguns anos. Imaginávamos que, com juros de 20% ao ano (taxa que vigorava na época em que nos aposentamos), poderíamos viver da renda do que tínhamos poupado até então. Os juros baixaram, o dinheiro está acabando, nem eu nem meu marido temos condições de voltar a trabalhar.

O que vocês nos aconselham?” Boa pergunta. Foi difícil de responder. Apresentamos alguns dados, contamos algumas histórias e, ao fim, dissemos a única coisa que poderia ter sido dita: “Lamentamos, mas vocês pouparam pouco” (Martin não estava naquela noite; talvez ele pudesse ter se saído melhor!). Quando fui convidado para fazer o prefácio deste livro, essa história me veio à cabeça. São muitos os casos semelhantes a esse, fato que revela como os temas tratados aqui são oportunos. Por trás do óbvio desequilíbrio do “capital financeiro”, há possivelmente outros. É provável que o casal tenha parado de trabalhar porque se sentia em déficit com seu “capital físico” e com o “capital social”. Como evitar um desfecho desequilibrado como esse? Não é simples. Com o intuito de evitar uma situação extrema, as pessoas frequentemente desembocam em outras, como trabalhar exageradamente, em detrimento do lazer e da convivência familiar; ou abandonar o cuidado com a saúde. A busca deve ser pela sustentabilidade. Nos últimos anos, a palavra “sustentável” vem sendo associada à ecologia, à preservação do meio ambiente. No entanto, é muito mais do que isso. Sustentável é uma condição que pode continuar por muito tempo, sem gerar estresse em nenhuma das dimensões que a apoiam. Uma política de governo sustentável, por exemplo, deve ser tal que gere satisfação popular (renda, qualidade de vida), incentive a produtividade ao longo do tempo, respeite as restrições orçamentárias do governo e as restrições do ambiente físico. Como diz o ditado, não basta dar o peixe, tem que ensinar a pescar. Eu acrescentaria: de forma que gere lucro e não polua o meio ambiente! Sustentabilidade pressupõe equilíbrio. É mais fácil falar do que fazer. Este livro mostra que existem muitas trajetórias – combinações de escolhas – que nos levam a um bom equilíbrio entre os diversos aspectos (ou “capitais”) da vida. Mas há também muitos caminhos divergentes, que provocam falência financeira, doenças físicas e emocionais, obesidade, solidão, vício etc. Ou que levam a “equilíbrios ruins”: pessoas que não chegam a atingir nenhum desses extremos, mas percebem ao fim da vida que, se tivessem cuidado melhor de seus “quatro capitais”, teriam vivido bem melhor. Não se trata de uma receita de bolo, de uma fórmula a ser seguida. Se prestarmos atenção a algumas atitudes e comportamentos que permeiam o livro, concluimos que é possível trilhar nosso caminho individual, independentemente de qual for, de forma equilibrada. Para isso, é preciso disciplina e dedicação. Evitar excessos (até o excesso de felicidade, como nos mostra o Capítulo III). Adaptar-nos a situações diferentes e estarmos atentos para corrigir o rumo do planejamento caso o cenário não ocorra como o planejado.

A coisa se complica quando nosso cérebro começa a “lutar contra ele mesmo”, como ilustra de forma muito clara o Capítulo xxx. Ficamos suscetíveis a comportamentos intempestivos, que podemnos tirar da trajetória do equilíbrio dos “quatro capitais”. Em artigo recente, por exemplo, o expresidente do Federal Reserve Alan Greenspan (“Never Saw It Coming”, Foreign Affairs Nov/2013) aborda o tema das projeções econômicas à luz dos comportamentos “irracionais” das pessoa. Greenspan reconhece que, apesar de toda sofisticação dos modelos econométricos do Fed, foi pego de surpresa pela crise financeira de 2008. Os modelos, ao assumirem que todos agem de forma racional, não foram capazes de prever comportamentos insustentáveis: consumidores comprando além de suas capacidades, e instituições financeiras dando-lhes crédito muito além do limite prudente. Dentre os fatores que podem levar as pessoas a escolhas “irracionais”, Greenspan elenca três mais importantes: aversão ao risco (evitar assumir um risco, mesmo se a recompensa for justificável), preferência temporal (preferir uma quantidade menor de um bem hoje a uma quantidade significarivamente maior do mesmo bem no futuro) e o comportamento de “manada” (fazer algo não porque achamos certo, mas simplesmente porque todos estão fazendo). Para permanecer em trajetória equilibrada, é preciso conhecer (e saber como lidar com) esses comportamentos impulsivos. Este livro descreve essas e outras “irracionalidades” com muita propriedade e nos ajuda a refletir sobre elas. Por fim, acho importante a distinção entre o bem-estar gerado por uma vida equilibrada e o conceito qualitativo de “felicidade”. A felicidade é um estado de espírito, muitas vezes volátil, que depende de fatores subjetivos. A literatura econômica empírica, por exemplo, mostra que, pessoas que ficam mais ricas experimentam um aumento temporário da felicidade, mas que acaba retornando ao seu patamar “basal” quando ela se acostuma ao novo nível de renda. Mostra também que a felicidade vem de fatores relativos: pessoas ficam mais felizes ganhando menos – porém mais do que seu grupo de referência – do que ganhando mais – porém menos do que seus pares. Já o bem-estar do equilíbrio dos “quatro capitais” é um objetivo mais estável, com benefícios de longo prazo. E está relacionado a reduzir os estresses gerados por imprevistos da vida. Uma pessoa bem equilibrada está mais bem preparada para uma perda de emprego inesperada, uma doença ou a necessidade de contar com um amigo. Em suma, comparo a busca pelo equilíbrio ao indivíduo que vai ao endocrinologista em busca de uma fórmula milagrosa para entrar em forma. Virão teorias, dicas, pesquisas, que vão ajudar muito. Mas, ao fim e ao cabo, ele precisará comer menos e se exercitar mais. Este livro nos ajuda a organizar o pensamento e nos mune de ferramentas para uma vida melhor, sem ter que abrir mão das coisas de que gostamos nem deixar de nos dedicar de corpo e alma àquilo que amamos. Sem deixar de viver intensamente. Equilíbrio não é mediocridade. Caio Megale, novembro de 2013 Introdução Manter o corpo e a mente saudáveis, cultivar bons relacionamentos, ter uma vida social ativa e ainda ter dinheiro suficiente para bancar todos os seus sonhos. Parece um desafio e tanto! No entanto, não há como viver uma vida plena sem buscar o equilíbrio de todos esses fatores, que denominamos de capitais. A revolução da longevidade e o tempo a mais que temos de vida tornaram esse balanço ainda mais importante. Se antes o limite era a terceira idade (dos 61 aos 80 anos), hoje já se fala em quarta (81 a 100 anos) e até mesmo em quinta idade (além dos 100).

Mas quem são as pessoas que irão passar dos 100 esbanjando saúde, com a vida social plena, contribuindo intelectualmente e com conforto financeiro? Criamos o conceito dos quatro capitais (que será detalhado mais adiante) para servir como umguia nessa longa e desafiadora trajetória. Nossa pretensão não é dar as respostas, mas fornecer os elementos para que você possa formular melhor suas próprias perguntas e buscar por si a resolução de cada dúvida. Este livro fala da busca do equilíbrio e das nossas possibilidades de gerar riquezas, que incluem, mas vão além do dinheiro. Esperamos que o leitor passe a vislumbrar o envelhecimento não como uma decadência, mas como um processo de evolução e de desenvolvimento do corpo e da mente. O início da construção de uma vida longa, plena de sabedoria e de autenticidade. É a idade vista como um potencial de crescimento e evolução, não como uma patologia.

.

Baixar PDF

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Baixar Livros Grátis em PDF | Free Books PDF | PDF Kitap İndir | Telecharger Livre Gratuit PDF | PDF Kostenlose eBooks | Descargar Libros Gratis |