| Books | Libros | Livres | Bücher | Kitaplar | Livros |

47 Ronins – John Allyn

A lenda dos 47 ronins tem um lugar único na história japonesa. Não há nada como ela, e a descrição magistral feita por John Allyn passa aos leitores modernos grande parte da comoção com a qual a população de meados do século XVIII teria reagido ao que, para eles, foi o equivalente a uma sensação jornalística dos dias de hoje. Porém, os leitores modernos têm mais em comum com aqueles homens e mulheres do que a mera comoção, e muito disso se dá porque acabamos sempre enxergando a história por meio de lentes, enormes, que distorcem. Tais lentes são fornecidas em grande parte por uma peça de kabuki, o teatro japonês, baseada na lenda dos ronins, chamada Kanadehon Chushingura, cujo título costuma ser abreviado para Chushingura (A Casa do Tesouro dos Servos Leais). A peça foi produzida pela primeira vez em Edo (atual Tóquio) em 1748 e nunca, desde então, saiu de cartaz. Trata-se de uma versão claramente fictícia da história, envolvendo mudanças de nomes, datas e localizações, sendo mundialmente reconhecida pelo que realmente é: um drama clássico baseado em um relato fictício de um acontecimento histórico real; ainda assim, pode-se dizer que a impressão geral da natureza e das circunstâncias encenadas em Chushingura encobriu totalmente a sóbria realidade histórica. Em Chushingura, Kira Kozuke-no-suke Yoshihisa é um verdadeiro vilão, uma atribuição essencial para que seu assassinato, ocorrido em circunstâncias muito suspeitas, pudesse ser transformado emum relato positivo sobre a virtude samurai. Lord Kira foi o mestre de cerimônia do xógum, responsável por todos os detalhes da agenda de seu senhor, pelos protocolos da corte, pela organização de audiências oficiais e coisas assim. Na corte do xogunato, onde os ideais confucionistas de hierarquia, exemplo e ritual se encontravam, sendo importante o presságio de bons e maus agouros, o protocolo e os rituais corretos eram absolutamente essenciais. Em 1701, Kira Yoshihisa já havia servido a diversos xóguns como um mestre cerimonial leal e totalmente confiável por cerca de quarenta anos. Era uma função que exigia atenção, minúcia e precisão. Um homemnaquela posição, pode-se supor com segurança, não tinha muita paciência com erros e seu autocontrole foi levado ao limite ao ter de instruir em etiqueta um jovem daimyo a quem o cerimonial da corte era muito menos interessante do que cortejar garotas, que parecia ignorante acerca do aprendizado mais básico e que, ainda, tinha uma renda onze vezes maior do que seu velho mestre ultrapassado. Aquele jovem daimyo, claro, era Asano Naganori, o herói em Chushingura. Na verdade, ele era um libertino mimado de 34 anos. Era descendente de grandes guerreiros, mas que agora se mostrava dissoluto e edonista, deixando seus domínios nas mãos de outros. Na versão fictícia da história dos 4 7 ronins, é claro, as personalidades de Asano Naganori e Kira Yoshihisa não têm qualquer semelhança com os detalhes descritos anteriormente. Aqui, a diferença de renda entre Asano e Kira é usada para justificar uma caricatura deste como um oficial ganancioso e mesquinho, sempre disposto a tirar dinheiro do jovem e abastado daimyo. O fato de que as recompensas adicionais que podiam chegar a Kira ao longo de suas negociações com Asano pudessem surgir da entrega cerimonial de presentes é um fato utilizado para agravar sua suposta traição. A antiga tradição japonesa de dar presentes é convenientemente esquecida. Suborno, corrupção e trapaças se tornam a regra, até a paciência do jovem e nobre lorde acabar e a figura miserável de Kira Yoshihisa receber o que lhe é devido. Contudo, suposições como estas, indicando que Kira teria se irritado com o homem mais jovem e feito comentários depreciativos sobre ele ou, então, humilhado o daimyo mais do que ele poderia aguentar, nada mais são que isto: suposições, alimentadas pela especulação de um lado e pelo teatro do outro. Uma teoria alternativa afirma que Asano teria deixado de dar a Kira um presente de grande importância, que deveria ter ofertado em troca de treinamento a respeito dos modos da corte. Assim, Kira teria rido e sido irônico com ele, pela falta de boa criação, porém, ainda assim, não há provas desta versão. A verdade é que não existe nenhum registro, nem mesmo cartas pessoais, que possam trazer qualquer luz a respeito da natureza da queixa perpretada por Asano e que o levou a seu impasse; e o motivo simples pelo qual nunca saberemos o que realmente aconteceu está no fato de Asano não ter tido sequer a chance de se defender frente a um tribunal, nem mesmo de apresentar às autoridades que se apressaram em condená-lo. Os registros do palácio revelam a incrível velocidade dos acontecimentos.


Asano atacou Kira em algum momento antes do meio-dia; a ordem de prisão foi emitida às 13 h; a de execução foi entregue às 16 h e Asano cometeu o seppuku (suicídio ritual) às 18 h. Para aqueles que se tornariam ronins sem mestre, o Lorde Asano, morto, claramente foi vítima e Kira era, definitivamente, o vilão. No entanto, ainda que um oficial de corte de 60 anos possa, sim, ter empunhado a espada para lutar com um oponente mais vigoroso, Kira Yoshihisa foi, sem dúvida, a verdadeira vítima de um ataque, ao qual ele reagiu com prudência. Na verdade, Kira foi elogiado por sua boa conduta, o que provavelmente aborreceu os servos de Ako ainda mais. Os defensores de Asano também disseram que, por não revidar, Kira mostrou não ser um verdadeiro samurai e, assim, seria ele o merecedor de um castigo; um argumento que poderia ser equiparado à ideia de que Asano tampouco teria sido um verdadeiro samurai, já que também não conseguiu matar Kira, sem falar que atacou um de seus homens pelas costas! Conforme os meses passaram, uma grande discussão prosseguiu, com sobriedade, a respeito do futuro da propriedade Ako e de seus servos. A possibilidade de que o domínio pudesse ser restaurado a Asano Nagashiro (herdeiro de Naganori), então preso, tinha sido a corda à qual os ronins haviam se agarrado depois de um suicídio em massa e de um cerco ao Castelo Ako terem sido descartados. Quando toda a esperança se desfez, o futuro sombrio deles deve ter sido um fator importante nas deliberações daqueles 47 homens, uma vez que, quando tudo deu errado, o único caminho parecia tomar o rumo honrável da vingança samurai. Quanto à justificativa para a vingança assassina, apesar de os detalhes do caso de Asano Naganori com Kira não serem conhecidos, a posição que os 47 ronins assumiriam seria de que, mesmo desconhecendo-se a natureza do julgamento, o fato de Asano ter sido submetido a medidas tão desesperadas provava que deveria haver uma questão muito séria envolvida. Estaria, assim, justificada a ação dos ronins. A conspiração logo começou, e uma das primeiras conclusões tiradas pelos ronins foi que sigilo era essencial, caso quisessem ter sucesso contra Kira, porque ele estava esperando retaliações e tinha o apoio de seus compatriotas da família Uesugi, que viviam por perto. Os 47 também previram(sem dúvida, de modo correto) que a permissão para sua vingança nunca seria dada, se tivessemseguido pelas vias corretas. Outra questão relacionada à lei apresentava um problema ainda mais sério: os ronins desejavamvingar a morte de seu senhor, não de um parente, e a morte do mestre de uma pessoa não estava prevista nas provisões legais. Os 47 ronins tinham consciência disso e tentavam justificar suas atitudes apelando à tradição antiga, e não às leis vigentes em sua época. Então, sua conduta subsequente significava que eles estavam agindo como foras da lei em dois aspectos, e havia mais um. Atualmente, é costume se referir ao ataque dos 47 ronins como algo de acordo com a atitude clássica de vingança – a vendeta suprema – do Japão Antigo, mas isso revela outra complicação, porque reagir ao chamado “Incidente de Ako”, matando Kira, levou a própria definição de vingança ao limite. Katakiuchi é literalmente “cortar um inimigo”, e quer dizer que alguém próximo à vítima teria o direito de se vingar do assassino. Contudo, no Corredor de Pinheiros, Kira não havia sido o atacante. Asano, sim. Ele pode ter afirmado ser a vítima de uma queixa, mas, ainda que ninguém soubesse ao certo que queixa era aquela, todos sabiam qual deles havia sido a vítima do ataque. Houve uma última complicação. A morte de Asano havia ocorrido tão depressa que Kira não poderia ter participado da decisão de ordenar sua execução, o que, de qualquer modo, foi realizado de acordo com a lei e em conformidade com casos precedentes. Então, se uma vingança tinha de ser realizada contra alguém, certamente, o alvo dos 47 ronins deveria ter sido o próprio xógum. Como isso era impensável e impossível, o ataque se tornara menos uma vingança e mais uma tentativa, por parte dos servos sobreviventes de Asano, de segui-lo em sua reação à queixa desconhecida. Dito de modo simples, o senhor deles não havia conseguido matar Kira, e eles acabariam o trabalho em sua memória. Assim, teve início o período de contato secreto pelos agora dispersos ronins.

Todas as lendas e histórias nos mostram que eles esperaram até que Kira baixasse a guarda, vivendo de modo a sugerir que eles haviam abandonado qualquer ideia de vingança ou de um dia se tornarem samurais respeitáveis de novo. Então, o famoso ataque ocorreu, e John Allyn o conta bem, mas é preciso se lembrar de que, enquanto tentavam alcançar um objetivo supostamente respeitável, os 47 ronins assassinaram 17 samurais de Lorde Kira, os quais morreram brava e inocentemente em sua defesa. É uma estatística que costuma ser esquecida devido ao ataque. Dezoito homens foram mortos por eles, não apenas um. Logo depois de a neve suja de sangue ser lavada da mansão, estudiosos da época se apressaram e incluíram suas próprias interpretações dos fatos. Tais comentários estavam longe de ser totalmente positivos, porque acusações de covardia foram feitas contra os 47 ronins desde o começo. Por que eles não haviam desafiado Kira a uma luta justa, ou até mesmo tentado derrotá-lo abertamente? Se tivessem escolhido este último caminho, certamente teriam se matado em seguida, sem chance de perdão, mas isso teria sido visto por muitos como uma atitude nobre. Ao contrário, realizaram um ataque traiçoeiro e covarde, no qual dezessete inocentes perderam a vida desnecessariamente. Assim, não passavam de um grupo de assassinos. Gerações mais antigas, claro, assumiram uma visão diferente e passaram a idolatrar os 47 ronins, de modo que, em 1900, mais de cinquenta dramas de qualidades diversas tinham sido produzidos, e quarenta filmes sobre o assunto foram lançados desde 1910. Tudo poderia ter sido muito diferente, e é possível que agora estivéssemos lendo uma história de coragem samurai de Lorde Kira, que morreu depois de um ataque noturno covarde. Mas esse mestre da etiqueta poderia ser descrito como um protagonista trágico? Kira Yoshihisa manteve-se passivo durante o ataque inesperado de Asano e, durante a invasão, revelou-se apenas depois de quase todos os seus defensores terem sido assassinados. Não houve sinal de cavalheirismo aqui, e certamente nenhuma peça kabuki celebraria seus feitos: o povo da espalhafatosa Edo, no Japão, buscava o heroísmo de eras passadas. Kira Yoshihisa representava o mundo organizado, desapaixonado, burocrático e entediante do corpo administrativo do xógum, não a província movida a adrenalina dos espadachins samurais. Para viver naquele mundo, o público tinha de ignorar a fraude e o assassinato a sangue frio. Ao disseminar o mito dos 47 ronins, eles os ignoraram. Então, aproveite esta história emocionante, um conto que costuma ser apontado como o exemplo clássico da chamada vingança tradicional japonesa, lembrando que, na realidade, não foi nada assim, que sua ilegalidade e a motivação questionável a tornaram uma anomalia entre outras mortes por vingança que ocorreram durante o período Edo. No aspecto militar, os ronins atingiram seu objetivo: colocar a cabeça decapitada de Kira Yoshihisa diante do túmulo de Asano Naganori. A vendeta de fato ocorreu. Porém, não para vingar a morte de um lorde, e sim para responder à ofensa desconhecida de Kira, que Asano havia sofrido e não conseguira rebater. Os dois golpes fracassados de Asano no Corredor de Pinheiros precederam um dilúvio de acontecimentos que mudariam as coisas para sempre. Lorde Kira e seus homens foram mandados para covas quase desconhecidas; os 47 ronins foram alçados à glória. Stephen Turnbull University of Leeds O Japão era um país em conflito no começo do século XVIII. Esta era uma época de pompa e corrupção na corte do xógum em Edo (atual Tóquio) e de esplendor nos “bairros do prazer” da Kyoto antiga, afastada do mundo de restrições sociais. As artes floresciam; o teatro popular nasceu.

Como a classe comerciante estava ganhando poder, também foi o começo do fim do privilégio dos guerreiros profissionais, ou samurais, que sentiram a perda de modo intenso, ainda mais porque se opunham aos negócios baseados em acúmulo de capital e transações comerciais. No meio de tamanha mudança, as erupções de violência eram conhecidas. Aconteciam, principalmente, na forma de disputas por arroz entre os camponeses, obrigados a pagar caros impostos ao xógum, o líder militar de todo o Japão. O fato de não ocorrerem com mais frequência entre os samurais era uma prova da meticulosidade de seu treinamento, incluindo uma autodisciplina respeitável. Mas até mesmo um samurai podia ser levado além de seus limites. Principalmente um jovem lorde, forçado a entrar em contato com os afetados e degenerados modos da corte. Aconteceu em 1701, em Edo. Em um momento de raiva e frustração, Lorde Asano de Ako atacou um oficial corrupto da corte e deu início a uma série de acontecimentos que acabaram em uma das vendetas mais sangrentas da história do Japão feudal. Tais fatos chocaram o país e levaram o próprio xógum a um impasse legal e moral. Quando tudo terminou, o Japão já tinha um novo conjunto de heróis: os 47 ronins, ou ex-samurais, de Ako. Os fatos históricos de seus atos são claros; os detalhes, nebulosos. Celebradas em canções, histórias, dramas e filmes, diversas versões muito variadas foram produzidas. Este romance tem a intenção de trazer nova luz ao que pode ter ocorrido naqueles dias em que o Japão permanecia separado do resto do mundo e as antigas tradições ainda guiavam as vidas dos homens. John Allyn 13 de março de 1701. O sol cumpriu sua rota sobre o Pacífico em direção ao crepúsculo, e as águas se avermelhavam ao redor das ilhas do Japão. A sudoeste, em um caminho próximo ao mar Interior, um homem alto, montado em um garanhão desleixado, protegia os olhos da luz enquanto cavalgava pelos pinheiros, com os lábios apertados.

.

Baixar PDF

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Baixar Livros Grátis em PDF | Free Books PDF | PDF Kitap İndir | Telecharger Livre Gratuit PDF | PDF Kostenlose eBooks | Descargar Libros Gratis |