| Books | Libros | Livres | Bücher | Kitaplar | Livros |

A arte natural da seducao – Richard La Ruina

As mulheres mais lindas da Europa lotam a boate pouco iluminada. Cada uma vestida de maneira mais provocante que a outra, com o único objetivo de relaxar e se divertir. Ava, uma modelo estoniana de 1,80m que conheci há alguns minutos, repousa a cabeça no meu ombro. – Parece que conheço você há muito tempo – ela murmura no meu ouvido. Sorrio e lhe dou um abraço tranquilizador. Chegamos ao que chamo de “ponto sem retorno”. Ela é minha e tenho consciência disso. Há alguns anos, eu jamais estaria em uma situação como essa. As noites de sexta-feira eram sinônimo de ficar em casa jogando Street Fighter e tomando sorvete. Mas agora minha vida é diferente. Muito diferente. Saio cinco vezes por semana. Todas as noites tenho a chance de voltar para casa com uma mulher. O que mudou? Uma resposta curta: tudo. Uma resposta mais longa: eu me tornei um artista da sedução. Agora, vou lhe ensinar todos os meus segredos. Não importa sua aparência, quanto dinheiro tem ou sua idade. Se você seguir algumas instruções simples e estiver disposto a se empenhar um pouco, posso lhe garantir uma vida nova repleta de lindas mulheres e relacionamentos incríveis. Como posso fazer uma promessa dessas? É simples. Assim como andar de bicicleta ou dirigir um carro, conhecer mulheres e despertar o interesse delas é uma habilidade. No começo pode parecer difícil, quase impossível. Mas, quando aprender as técnicas adequadas e adquirir prática, poderá usar seus conhecimentos sempre – sem maiores esforços e com naturalidade. Já ensinei essas táticas a milhares de homens no mundo inteiro e, se tenho alguma certeza na vida, é a de que qualquer homem pode se tornar um mestre na arte da sedução. Basta querer e deixar o resto por minha conta. Neste livro, vou revelar os métodos que lhe darão maior poder de escolha e controle sobre sua vida.


Mas antes preciso esclarecer uma coisa: o que você vai ler nestas páginas não é simples teoria nem suposição. Não é algo que inventei enquanto imaginava do que as mulheres gostam ou não. O mundo está repleto dessas coisas e tudo não passa de papo-furado. Você está prestes a conhecer algo comprovado e testado na prática, que descobri pessoalmente ao longo de vários anos de balada, trabalhando para saber o que funciona e o que não funciona. Fiz a parte difícil por você. Ouvi muito “não” até encontrar a abordagem certa. Agora tudo o que você precisa fazer é ler este livro e seguir minhas instruções. Os resultados irão aparecer. Eu garanto! Guia de leitura Ao treinar milhares de alunos nos últimos anos, fui aprimorando minhas técnicas a fim de alcançar o maior sucesso possível com as mulheres. O resultado pode ser visto neste livro, em que demonstro a forma mais rápida de se tornar um especialista na arte natural da sedução. Recomendo que não salte ou passe os olhos pelas páginas na esperança de encontrar uma frase mágica capaz de despertar o interesse de uma mulher. Você não vai encontrá-la! Leia este livro da primeira à última página. Absorva os ensinamentos de todos os capítulos na ordem correta, deixando que cada frase e cada parágrafo façam sentido na sua mente. Comece no capítulo “De nerd a sedutor”, que conta minha transformação de um rapaz de 23 anos que só havia beijado uma única garota na vida em um homem que muitos consideram um dos maiores sedutores do mundo. Meu caminho não foi fácil. Comecei do zero, sem grandes incentivos. Mas superei os obstáculos e corri atrás daquilo que tinha certeza que merecia. Minha esperança é que você perceba que tudo é possível: se seu objetivo é fazer sucesso com as mulheres, você irá conseguir. Ao ler minha história, conhecerá os desafios que enfrentei e como lidei com cada um deles. Isso vai servir de bússola para encarar os mares revoltos da transformação pessoal e prosseguir pelo caminho da autoconfiança e do sucesso. Além disso, terá uma visão que eu não tive, o que vai facilitar sua maneira de lidar com as mulheres. Precisei de vários anos para chegar aonde cheguei. Para muitos alunos meus, são necessárias semanas, mas em alguns casos bastam poucos dias. No capítulo 2, “A atração”, você vai conhecer o verdadeiro significado dessa palavra, sua aplicação na prática e, mais importante, como se tornar um homem atraente. Se acha que isso tem a ver com beleza ou uma considerável conta bancária, prepare-se para uma surpresa.

Há técnicas para chamar a atenção das mulheres. Aprenda quais são e os resultados logo irão aparecer. As mulheres vão tentar fazer contato visual no meio da rua, vão rir das suas piadas mais sem graça e vão tornar a arte da sedução algo fácil para você. Em “A sedução”, ensino os segredos para seduzir de forma natural e apresento “os três personagens da sedução”. Nos capítulos seguintes, explico os métodos e as técnicas para abordar uma mulher, as palavras para fazê-la baixar a guarda e como criar confiança e empatia. Mostro as maneiras de abordar naturalmente a questão do sexo. Você vai aprender também a lidar com os dias e as semanas seguintes ao primeiro encontro de modo a ter o controle do relacionamento. Por fim, dedico atenção a casos específicos, como os encontros diurnos e o namoro pela internet, além de várias outras situações que podem ocorrer quando se trata do sexo feminino. Advertência A leitura deste livro proporciona um poder inacreditável, mas não se esqueça de que qualquer forma de poder deve ser exercida com responsabilidade. Utilize sempre o bom senso ao colocar em prática os ensinamentos adquiridos. Use as habilidades aprendidas para tratar bem as mulheres, nunca mal. E, quando encontrar uma pessoa extraordinária, ofereça o amor e o respeito que ela merece. 1. De nerd a sedutor Por pior que seja sua relação com as mulheres, eu garanto que minha situação era ainda mais grave. Nasci em 7 de julho de 1980 em uma das áreas mais pobres e perigosas de Londres, onde minha mãe, solteira, me educou da melhor forma possível. Meu pai, que, segundo me disseram, é um ator emalgum lugar da Itália, nos abandonou antes mesmo de eu chegar ao mundo. Cresci e me tornei umsujeito medroso e tímido. Inseguro por natureza, sempre fui um fracasso quando precisava interagir com as pessoas. Sei que é difícil acreditar, mas até os 21 anos eu nunca havia saído com uma garota, muito menos beijado. Naquela época, se você procurasse a palavra “bobo” no dicionário, provavelmente encontraria a seguinte definição: “Richard La Ruina”. Triste, porém verdadeiro. Medroso e inseguro, eu chegava ao ponto de não conseguir atender o telefone ou ligar para pedir uma pizza. Eu vivia fechado para o mundo. Se não estava sendo ridicularizado pelos colegas da escola, você me encontraria jogando videogame no nosso minúsculo apartamento ou na casa da minha avó. Em resumo: minha vida era uma droga.

Nas festas de aniversário, eu sempre ouvia as mesmas perguntas: “Qual é seu problema?”, “Está tudo bem?”. Eu tinha medo de conhecer pessoas novas. Era nervoso, tímido e sem traquejo social. Por isso, vivia perturbando os outros, dizendo as coisas erradas nas horas erradas. Um caso perdido. Com a autoestima lá embaixo e sem a presença da figura paterna, eu era hostilizado pelos meus colegas, que me chamavam de “cabeção” e “sardento” (até hoje tenho as marcas de nascença no rosto). Tenho certeza de que durante muito tempo sofri de depressão. Com poucos amigos, eu andava apenas com meu primo Alistair, que era cinco anos mais novo do que eu, porém mais maduro. Nas poucas oportunidades em que era convidado para uma festa, eu dava alguma desculpa para não comparecer. “Estou doente” ou “Tenho muitos deveres de casa” eram minhas respostas-padrão. Mas no fundo eu morria de vontade de ser um cara popular. E, quanto mais velho eu ficava, mais desesperado me tornava. Ia dormir todas as noites preocupado, imaginando se algum dia teria uma namorada. Vou dar um exemplo de um dos meus fracassos amorosos na adolescência. Aos 16 anos, por algum motivo (ou talvez por alucinação), percebi que havia uma menina na minha sala que parecia gostar de mim. Passei quase o ano inteiro sonhando com ela, tentando criar coragem para falar alguma coisa, mas não conseguia. Depois de meses, deixei um bilhete na sua bicicleta, dizendo que eu gostava dela e a convidando para sair. É óbvio que aquilo não funcionou e ela passou o resto do ano me evitando. Depois de sair da escola virgem – o que incluía nunca ter segurado a mão de uma garota e muito menos ter beijado ou saído com uma –, entrei em uma faculdade fraca, pois foi a única que me aceitou. Isso porque minhas notas eram tão ruins quanto minhas habilidades sociais, pois eu matava aula com medo das provocações dos colegas. Ainda assim, decidi que seria professor. Do ensino fundamental, para ser mais preciso. Pelo menos, eu imaginava, as crianças não iriam implicar comigo, sem falar que as matérias deveriam ser fáceis. No entanto, eu queria fazer faculdade para me socializar e arranjar uma namorada. Mas minhas tentativas foram desastrosas.

Logo no meu primeiro ano, uma noite encontrei uma garota que morava no meu dormitório. Ela vinha tropeçando pelo corredor, nitidamente bêbada, quando se aproximou e disse: – Oi, Richard. Estou muito excitada! Meu Deus, ela era maravilhosa! Podia estar alcoolizada, mas continuava irresistível. Quer saber como lidei com aquela chance única? Como um covarde, claro! Inventei uma desculpa esfarrapada e saí correndo. Mas não havia outro jeito, afinal eu não sabia nem beijar na boca! No dia seguinte, passei por ela no corredor e sua expressão era de perplexidade. Algum tempo depois, ela me disse que havia imaginado que eu fosse virgem. Na mosca! Naquela mesma época, um dia eu andava pela rua quando duas estudantes lindas, mais ou menos da minha idade, se aproximaram e uma delas disse: – Ei, você é a cara do ex-namorado dela! Assim como das outras vezes, minha resposta se resumiu a um sorriso amarelo antes de eu sumir rua abaixo. Mais uma oportunidade desperdiçada. Alguns meses depois, eu estava em um trem quando um grupo de garotas puxou papo e uma delas perguntou se eu já tinha feito sexo a três. Uau, pensei, hoje é meu dia de sorte! Nada disso, você já viu esse filme! Elas desceram na estação seguinte, antes que eu criasse coragem para pedir seu telefone. A verdade é que as mulheres que falavam abertamente de sexo me assustavam, pois eu não tinha a mínima ideia de como lidar com elas. Isso ficou evidente na noite em que eu estava em um bar perto da faculdade e uma menina chegou perto de mim e perguntou: – Quer dar um beijo na minha perereca? Fiquei paralisado, sem entender nada. Ela então me mostrou o pequeno anfíbio tatuado na sua barriga. Por incrível que possa parecer, respondi à altura e dei um beijo na perereca. A garota ficou me olhando cheia de expectativa, mas eu não disse nada e ela foi embora. Não posso dizer que as oportunidades não apareciam, pois elas estavam diante do meu nariz. O problema era que eu não fazia ideia de como reconhecê-las ou lidar com elas. Eu era um cara semhabilidades e técnicas para fazer sucesso com o sexo oposto. Para piorar, fiquei reprovado em várias matérias no primeiro ano da faculdade. Estava claro que eu precisava de uma mudança. Acabei abandonando o curso, voltei para a casa da minha mãe e aceitei um emprego como assistente de marketing em uma companhia de software. Minhas tarefas se resumiam a ajudar meus chefes a preparar suas apresentações no PowerPoint. Era moleza. Eu também acompanhava o desempenho diário das nossas concorrentes na bolsa de valores. Ainda que fosse uma pequena parte do meu trabalho, logo a achei a mais interessante.

Naquela época, eu era praticamente um recluso. Nunca saía à noite. Minha vida se resumia a trabalhar, comer, jogar videogame e dormir. Ao mesmo tempo, passei a guardar meu dinheiro e comecei a estudar o mercado de ações. Como morava com minha mãe, eu não gastava meu salário. Em poucos meses, tinha poupado quatro mil dólares e pedi a uma amiga da família que investisse o dinheiro para mim, já que eu não tinha idade para negociar. Tive sorte e as ações subiram 1.000%! Confiante, abandonei o emprego e fui tentar a sorte como home broker, comprando e vendendo títulos sem sair de casa. Pensei que me tornaria o maior investidor do mundo. Mas enquanto isso não acontecia consegui me sustentar sem perder dinheiro. Havia épocas de alta e de baixa, mas em geral me saí muito bem, levando em consideração meu histórico de fracassos. Se por um lado minha vida tinha mudado, por outro uma característica continuava idêntica: o pavor de conhecer pessoas. O verdadeiro motivo pelo qual eu passava tanto tempo diante do computador era o desejo de me esconder da realidade: eu era pobre em termos de relacionamentos sociais. A cada clique do mouse, a cada transação financeira, eu me sentia importante, em vez de sentir vergonha de mim mesmo. Durante meus anos de home broker, não me lembro de ter saído de casa para encontrar uma garota. Eu já havia tentado na faculdade e não tinha dado certo. Estava traumatizado e com medo de fracassar outra vez. Aos 21 anos, certa noite fui dormir às lágrimas. Eu tinha passado muito tempo correndo atrás de dinheiro e finalmente havia percebido que estava fazendo o possível para evitar a dor de ser umexcluído. Eu queria uma namorada, queria ser amado, experimentar o que parecia ser natural para as pessoas. Naquela noite, quando deitei a cabeça no travesseiro, disse a mim mesmo que abriria mão de tudo para encontrar uma garota especial. Alguns dias depois, fui a uma balada com um dos poucos amigos que tinha. Aquilo, por si só, era uma grande vitória para mim. Em poucos minutos ele estava de papo com uma garota, que estava acompanhada por uma amiga. Assim como eu, ela havia sido abandonada à própria sorte, de modo que não tivemos outra escolha a não ser conversarmos um com o outro.

Eu estava nervoso e não conseguia olhar para a menina, mas acho que ela gostou do meu jeito tímido. Meu amigo, que estava se dando bem, decidiu levar sua garota para o apartamento dele. Antes, ele nos daria uma carona até em casa. Deixamos primeiro a menina que passou a noite conversando comigo. Ela se despediu e desceu do carro. Enquanto ela caminhava até a porta de casa, eu permaneci sentado no banco de trás, paralisado, agarrado ao assento como se ele fosse uma boia. Então aconteceu. Foi um daqueles momentos que mudam a vida de uma pessoa, quando ela é forçada a tomar uma atitude. Pedi a meu amigo que esperasse, desci do carro e corri até a garota. Chamei-a pelo nome. Ela se virou e eu perguntei: – Você me daria seu telefone?

.

Baixar PDF

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Baixar Livros Grátis em PDF | Free Books PDF | PDF Kitap İndir | Telecharger Livre Gratuit PDF | PDF Kostenlose eBooks | Descargar Libros Gratis |