| Books | Libros | Livres | Bücher | Kitaplar | Livros |

A Ascensao do Colosso – Peter Lerangis

NA MANHÃ MARCADA para a minha morte, um grande homem descalço, com uma barba ruiva espessa, passou pela minha casa mancando feito um pato. A temperatura de um grau negativo não parecia incomodá-lo, mas ele devia ter tomado um café da manhã nojento, porque soltou um arroto barulhento como uma tuba. Não é normal ver um gigante descalço que mais parece um viking sair arrotando por Belleville, Indiana. Mas eu não tive de fato a oportunidade de ver o sujeito de perto. Naquele momento, eu, Jack McKinley, estava sendo atacado em meu próprio quarto. Por um réptil voador. Eu podia ter usado um despertador. Mas fiquei acordado até tarde estudando para a prova de matemática do primeiro período, e meu sono é pesado. Meu pai não podia me acordar porque estava em Cingapura a trabalho. E Vanessa, a babá que chamo de minha não-tô-nem-aí, dormia sempre até meio-dia. Eu precisava de um som alto. De alguma coisa que não me desse a menor chance de continuar dormindo. Foi quando vi o vulcão de papel machê da feira de ciências da escola no mês passado, que ainda estava na minha mesa. Ele estava cheio de bicarbonato de sódio. Então, peguei a cafeteira do meu pai, enchi de vinagre e, com um tubo de plástico, a conectei ao vulcão. Programei o despertador para 6h30, quando então a cafeteira soltaria o vinagre para dentro do vulcão, causando uma explosão de gosma. Pus um conduto na base do vulcão para captar a gosma. No conduto tinha uma bola de bilhar, que desceria rolando até uma catapulta com mola na minha cadeira. A catapulta ia soltar um enorme e velho Ugliosaurus™ de plástico — uma cruza em tom vermelho-vivo de leão e águia, com garras e dentes. Bang — quando aquela coisinha fofa batesse na parede, eu teria de estar morto para não acordar. Infalível, certo? Não muito. Por volta das 6h28, eu estava no meio de um pesadelo. Eu já tinha tido esse sonho várias vezes: eu, correndo de toga pela mata, fugindo de feras raivosas e babonas que pareciamporcos, cujos berros enchiam o ar esfumaçado. Legal, não? Normalmente eu acordo desse sonho quando um buraco se abre sob os meus pés. Mas dessa vez eu caí.


Desabei na escuridão. Para a morte. Na hora do contato, o Gigante Gasoso arrotou na vida real. O som me despertou. O alarme da cafeteira-vulcão soou. E o Ugliosaurus me golpeou entre os olhos. Em poucas palavras, foi assim que a pior manhã da minha vida começou. A última manhã em que eu acordaria na minha própria cama. — @$%ˆ&! — gritei, o que significa que não posso repetir as palavras. Pulei da cama, cheio de dor. Foi quando vi de relance o Barba Ruiva na calçada. O que fez com que eu me jogasse no chão, constrangido por ser visto até por um estranho descalço com cara de maluco. Infelizmente, meu traseiro aterrissou bem em cima de uma pontuda asa de Ugliosaurus, o que me fez gritar de novo. Era gritaria demais para alguém que acabou de fazer treze anos. Fiquei deitado ali rangendo os dentes, arrependido por não ter usado o despertador. Em minha mente, vi Vanessa me provocando: “Você pensa demais, Jack”. O que ela costumava repetir umas cem vezes por dia. Talvez porque eu pense mesmo demais. Sempre pensei. Eu me levantei, segurando a cabeça. O Barba Ruiva estava descendo a rua, pisando forte na calçada. — Da próxima vez, feche a boca — murmurei baixinho enquanto cambaleava até o banheiro. Eu devia ter imaginado quem era ele e o porquê de sua presença. Mas não conseguia parar de pensar no pesadelo, que estava se prolongando como o gosto de queijo mofado. Tentei substituí-lo pensando em matemática.

Infelizmente, deu no mesmo. De frente para o espelho, vi que o Ugliosaurus tinha deixado um corte profundo na minha testa. Não era tão profundo assim, mas a aparência era bem ruim, e estava doendo. Abri a torneira, umedeci uma toalha e afastei uma porção de cabelo castanho-claro acinzentado para descobrir o ferimento. Quando o toquei de leve, notei uma pequena mecha de cabelo louro despontando da minha nuca. Esquisito. Eu nunca tinha visto isso antes. Sem meu pai por perto para me aporrinhar, já fazia um tempo que eu não cortava o cabelo, então essas mechas louras pareciam fios soltos. Conforme me curvei para olhar mais de perto, um rangido forte me fez girar o tronco. — Vanessa? — gritei. Ahá. Ela ouvira meu grito. Eu a imaginei se encolhendo atrás da porta, maquinando uma forma de não levar a culpa por nada que acontecesse. Mas ela não estava lá. Dei uma olhada no relógio do banheiro: 6h39. Eu tinha que sair de casa às 6h45. Mas queria examinar aquela pequena mecha de cabelo. Dava tempo. Eu abri a porta do armário do banheiro e peguei o espelho de mão que passara anos sem tocar. Meu pai e eu o compramos em uma farmácia para um trabalho da aula de artes quando eu estava no segundo ano. Ao pegá-lo, dei uma olhada na mensagem que eu entalhara na moldura de plástico. Virei o espelho. Eu havia revestido a parte de trás com uma foto. Nela, eu tinha quatro anos de idade e estava usando um gordo casaco de inverno, deslizando de trenó em um pequeno monte. Minha mãe estava no topo do monte, rindo, usando seu casaco de lã favorito do Smith College.

Meu pai estava embaixo, de costas na foto. Era a nossa brincadeira: Bum no Papai. Eu escorregava entre as pernas dele, que se encolhia, uivando e fingindo sentir dor. Então eu voltava para o topo e fazíamos tudo de novo. Eu sorri. Naquela época, eu achava essa brincadeira engraçada. Cada coisinha que fazíamos era divertida. A vida era perfeita antes de minha mãe morrer. Antes de eu começar a ter esses pesadelos. Antes de o meu pai decidir que nossa casa era um lugar a ser evitado. Virando as costas para o grande espelho do banheiro, usei o espelho de mão para ver a parte de trás da minha cabeça. Foi então que me dei conta de que o cabelo louro não era louro — era branco. E não eram só alguns fios. Fui apalpando e descendo e notei uma forma, um V de cabeça para baixo. Tentei arranhar com as unhas, na esperança de que fosse algum tipo de mancha estranha. Mas não aconteceu nada. Meu cabelo havia simplesmente mudado de cor — como naqueles desenhos animados em que o cabelo de alguém fica branco de susto. Era isso que o Ugliosaurus tinha feito comigo? Não havia a menor chance de os garotos da escola ignorarem uma coisa dessas. Pensei no que minha mãe diria: “Use um gorro”. Escovei os dentes com pressa. Enfiei o espelho na mochila, caso eu quisesse examinar mais na escola. Então corri para o quarto e peguei meu casaco de marinheiro no chão. Vi a ponta do meu gorro de lã debaixo de uma sacola da Wendy’s. Tirei uma crosta de ketchup seco e de milk-shake de chocolate da lateral. Não estava cheirando tão mal, então enfiei o gorro na cabeça, meti o caderno de matemática na mochila e caí fora.

Eram 6h43. Ao chegar ao topo da escada, meu celular tocou. Pai! Argh. Nossa sessão de Skype das quartas-feiras às 6h30. Eu tinha esquecido completamente — e ele estava atrasado! Como ele podia fazer uma coisa dessas em dia de prova? Desci correndo as escadas. Meu pai sempre insistia que eu atendesse a ligação do sofá da sala de estar — com a câmera ligada, para ele ter certeza de que eu não havia destruído nada. Ele é obcecado por arrumação. Eu sou obcecado por bagunça. E só tinha cinco toques antes de a chamada cair na caixa postal. Na sala, empurrei uma pilha de cabos e joysticks para o centro do tapete turco, assim como duas guitarras, algumas revistas em quadrinhos, três moletons, alguns pares de meia, embalagens de comida chinesa, uma caixa de pizza para dentro da qual eu tinha medo de olhar e um Kit Kat pela metade. Bipe… Do meio da pilha ergui um gancho preso a quatro cordas, que por sua vez estavam presas às pontas do tapete. Encaixei o gancho numa roldana que eu havia prendido no suporte do lustre. Dois ou três puxões fortes e o tapete subiu como um saco de brinquedo do Papai Noel, expondo o chão de madeira impecável. Bipe… 6h44. Eu me joguei no sofá e atendi a chamada. — Oi, pai! Hummm, eu não tenho muito tempo para… — Cinco e vinte e cinco! Diga para venderem a cinco e trinta! — Meu pai estava gritando comalguém no escritório. Tudo o que vi foi seu braço. — E feche a porta. Estou em uma teleconferência! Então ele estava sorrindo para mim. O que me fez sorrir também. Ele estava no fim do dia emCingapura. Parecia bastante cansado, como se tivesse acabado de correr uma maratona com umgorila morto preso às costas. Eu tinha muitas saudades dele. Queria que ele tivesse um emprego mais perto de casa. Mas por que ele tinha de ligar bem agora? — Oiii, Jack, desculpe o atraso! — disse meu pai com um sorriso tenso.

— A sala de estar está ótima! Mas… ué, cadê o tapete? Opa. Eu inclinei o telefone em um ângulo no qual só dava para ver a parede. — Acho que a Vanessa mandou lavar. Mas, pai, olha, eu tenho que ir… — Ela derramou alguma coisa nele? — perguntou. — Eu tenho aquela prova de matemática hoje… — Você vai se dar bem! — respondeu meu pai. — Ei, qual é o lema da família McKinley? — Um problema é uma resposta esperando para ser descoberta — recitei. — Bravo! Ei, você viu o artigo que mandei sobre aquele pobre garoto, Cromarty? Que morreu na pista de boliche perto de Chicago? Ai. Atualidades. Isso sempre incluía histórias tristes com crianças e tragédias. Depois vinha um sermão. Era o jeito do meu pai de me meter medo para eu tomar ainda mais cuidado. Dei uma olhada no meu relógio. 6h46. — Acho que não vi. Mande o link de novo. Então, me deseje boa sorte! — Quando me levantei, me enrosquei em minha própria perna e quase derrubei o telefone. Tive de me agarrar ao braço do sofá para não cair. — Jackie, você está bem? — A sobrancelha do meu pai agora estava toda torta. — Que marca é essa na sua testa? É um corte? Você caiu? — Não! — eu disse. — Eu só usei um brinquedo voador no lugar do despertador. Aquilo soou mais maluco do que eu esperava ao sair da minha boca. — Você usou o quê? — meu pai perguntou. Eu estava me sentindo fraco e zonzo. Respirei fundo umas três vezes e tentei me levantar, mas esbarrei na corda que estava presa à roldana. Movimento errado.

O tapete foi arremessado para baixo. Uma nuvem de poeira se ergueu quando tudo caiu ruidosamente no chão. Eu girei o celular para meu pai não ver. — O que foi isso? — ele perguntou. 6h47. Isso pode ficar ainda pior. — Nada! — fui logo dizendo. Meu pai arregalou os olhos. — Certo, já entendi. Tem alguma coisa errada. Vou fazer a reserva no próximo voo para casa. — O quê? — Isso não era típico dele. Normalmente ele fica explicando nos mínimos detalhes como o trabalho dele é importante. Normalmente é ele quem corta a conversa. — Sério? Meu pai estava olhando para mim com uma cara engraçada. — Tome cuidado até eu chegar aí. Não deixe a Lorissa perder você de vista. Diga a ela para leválo para a escola. — Vanessa — eu disse. — A Lorissa pediu demissão. E a Randi também. — Certo, fique perto dela, Jack — disse meu pai. — Cuide-se. E boa sorte na prova de matemática. — Obrigado! — eu disse.

— Tchau, pai! Eu te… — a imagem sumiu — amo. A tela ficou em branco. 6h48. Eu tinha que vazar. — Vanessa! — gritei, correndo para a cozinha. Quando fui pegar dois pacotes de Skittles no balcão, vi um bilhete pendurado na porta da geladeira. Saí correndo para o quarto da Vanessa e abri a porta. O quartinho estava todo arrumado. E completamente vazio. Mais uma catástrofe para explicar quando meu pai chegasse em casa. Tentando não pensar nisso, disparei até a porta dos fundos e peguei minha bicicleta na garagem. O ar estava frio e revigorante, e eu rapidamente abotoei o casaco. Eu me apressei pela calçada, virei à direita e segui para a escola. Se o Barba Ruiva estava lá, eu não o vi. 2 O ACIDENTE — EI, ASTRONAUTA, cuidado! Eu não ouvi o aviso. Eu estava no fim do meu percurso de bicicleta até a escola, o qual inclui uma curva fechada na esquina do prédio. Nessa parte é preciso empurrar a bicicleta, mas eu estava commuita pressa e continuei pedalando. Não que isso importasse, porque de qualquer forma a maioria das pessoas é esperta demais para ficar parada perto daquela esquina. Mas a maioria das pessoas não inclui Barry Reese, o Fanfarrão da Escola de Ensino Fundamental Mortimer P. Reese. Lá estava a cara canastrona do Barry, a poucos centímetros de distância, com seus olhos grandes feito bolas de beisebol. Como sempre, ele estava ocupado com seu hobby favorito: infernizar a vida dos garotos mais novos. Ele estava ameaçadoramente encurvado sobre um miudinho do sexto ano chamado Josh ou George. Eu apertei os freios. A roda da frente travou.

A traseira empinou, me lançando por cima do guidom. A bicicleta foi deslizando sob mim. Conforme eu voava para frente, a cara de Barry foi se agigantando na minha direção a zilhões de quilômetros por hora. Pude ver três pelos saindo de uma mancha na bochecha dele. Então a pior coisa que se pode imaginar aconteceu. Ele me pegou. Quando paramos de girar, eu estava pendurado nele feito um boneco de pano. — Vamos dançar? — ele disse. Tudo o que pude ouvir foram gargalhadas intensas. Os garotos estavam rolando de rir. Barry sorriu orgulhoso, mas eu o empurrei. Ele tinha bafo de banana e chulé. Josh ou George se levantou do chão. Ninguém se ofereceu para ajudar a pegar seus livros, que estavam espalhados por todo o playground. Não sei por que Barry era valentão. Ele era rico. Nossa escola tinha o nome do seu tataravô, que fez fortuna criando aquelas coisinhas de plástico que protegem a tampa do vaso sanitário de cair no assento. Eu, pessoalmente, se fosse rico e herdeiro de uma fortuna que veio de coisinhas de banheiro, seria muito feliz. Não ficaria pegando no pé de garotos menores. — Não danço com gorilas — eu disse, me inclinando rapidamente para pegar minha bicicleta e prendê-la no bicicletário. Dei uma olhada no relógio. O sinal ia tocar em um minuto. — Peço desculpas. — O Barry me soltou e pegou minha bicicleta com exagerada gentileza. —Deixe-me ajudá-lo a se recuperar do seu passeio, Mario.

Pelo corte na cabeça, acho que você teve alguns acidentes pelo caminho. Eu tentei pegar o guidom de volta, mas ele foi mais rápido. Ele puxou a bicicleta com força e começou a caminhar apressado em direção ao bicicletário. — Ei, aliás, você terminou o dever de casa de biologia? — perguntou sobre os ombros. — É que fiquei ajudando meu pai com os negócios ontem à noite e acabei perdendo a hora. Bom, não se pode colocar o dever de casa na frente dos rendimentos. Não que eu não fosse conseguir responder perfeitamente de qualquer forma… Eu o empurrei para o lado e agarrei a bicicleta. — Não, Barry, você não pode copiar o meu dever de casa. — Eu acabei de salvar a sua vida. Enquanto eu prendia a bicicleta, Barry se inclinou na minha direção com uma expressão retorcida, meio sorridente, no rosto. — Não pense que não haverá certa compensação financeira… Antes que eu pudesse responder, ele deu dois passos rápidos para o lado. Josh ou George estava fugindo para a segurança do pátio da escola, agarrando com força uma massa bagunçada de papéis e cadernos. Barry abriu os braços como se estivesse bocejando. Ele bateu bem no peito do garoto e o fez voar, espalhando os papéis de novo. O sangue me subiu à cabeça. Não sei direito se foi por causa da pancada do Ugliosaurus, do percurso maluco de bicicleta, do quase acidente ou da extrema brutalidade do Barry. Com ou sem prova de matemática, ele não podia escapar impune. — Aqui está o meu dever de casa! — falei, puxando do bolso uma lista de compras de supermercado. — Você fica com ele se pegar as coisas do Josh e pedir desculpas a ele. — É George — o garoto disse. Barry me olhou como se eu estivesse falando mongol. — O que foi que você disse, McKinley? Eu estava tremendo. Zonzo. Talvez fosse medo. Como eu podia ter tanto medo desse imbecil? Foco.

Barry tentou pegar a folha, mas eu a puxei, recuando em direção à rua. — Diga a ele que nunca mais vai fazer isso — insisti. — E nem pense em dizer não. Abrindo e fechando os punhos, Barry se aproximou. Sua cara branca e gorda estava ficando da cor de um rosbife malpassado. O sinal tocou. Ou talvez não. Eu estava com dificuldade de ouvir. O que estava acontecendo comigo? — Como você arrumou esse cortezinho na testa, McKinley? — A voz do Barry estava abafada, como se estivesse vindo de um longo túnel. — Porque acho que você está precisando de um corte maior. Eu mal o escutei. Eu sentia como se algo tivesse se espalhado na minha cabeça e estivesse lutando kickboxing com o meu cérebro. Eu me esforcei para ficar de pé. Agora eu mal conseguia ver o Barry. A parte de trás da minha perna bateu em um carro estacionado. Eu me virei para a rua, tentando manter o equilíbrio. O asfalto se apressou em minha direção e eu tentei aparar a queda com as mãos. A última coisa que vi foi a grade de um Toyota último modelo vindo em alta velocidade de encontro à minha cara.

.

Baixar PDF

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Baixar Livros Grátis em PDF | Free Books PDF | PDF Kitap İndir | Telecharger Livre Gratuit PDF | PDF Kostenlose eBooks | Descargar Libros Gratis |