| Books | Libros | Livres | Bücher | Kitaplar | Livros |

A Batalha do Labirinto – Rick Riordan

A última coisa que queria fazer nas férias de verão era destruir outra escola. Mas lá estava eu naquela manhã de segunda-feira, primeira semana de junho, sentado no carro da minha mãe diante da Goode High School, na rua 81 Leste. A Goode ficava em um prédio grande de arenito com vista para o Rio East. Um monte de BMWS e Lincoln Towns estava estacionado diante dela. Olhando os elegantes arcos de pedra, eu me perguntei quanto tempo levaria até ser expulso daquele lugar. — Relaxe. — A voz de minha mãe não parecia nada relaxada. — É só uma visita de orientação. E lembre, querido: esta é a escola de Paul. Portanto, tente não… Você sabe. — Destruí-la? — É. Paul Blofis, namorado da minha mãe, estava de pé no portão da escola, recebendo os futuros alunos do primeiro ano do ensino médio à medida que subiam os degraus. Com seus cabelos grisalhos, roupa de brim e casaco de couro, parecia um ator de tevê, mas ele era só um professor de inglês. Paul conseguira convencer a Goode High School a me aceitar no primeiro ano, apesar de eu ter sido expulso de todas as escolas que frequentei. Tentei avisá-lo de que aquela não era uma boa ideia, mas ele não me deu ouvidos. Olhei para minha mãe. — Você não contou a ele a verdade sobre mim, contou? Ela tamborilava os dedos nervosamente no volante. Estava vestida para uma entrevista de emprego — seu melhor vestido azul e sapatos de salto alto. — Pensei que seria melhor esperarmos — ela admitiu. — Para não o espantarmos. — Tenho certeza de que vai dar tudo certo na visita de orientação, Percy. É só uma manhã. — Ótimo — murmurei. — Posso ser expulso antes mesmo de começar o ano letivo. — Pense positivo.


Amanhã você vai para o acampamento! Depois da orientação, você tem o encontro… — Não é um encontro! — protestei. — É só a Annabeth, mãe. Puxa! — Ela está vindo do acampamento até aqui para ver você. — É, eu sei. — Vocês vão ao cinema. — Sim. — Só os dois. — Mãe! Ela ergueu as mãos em sinal de rendição, mas eu podia ver que estava fazendo força para não rir. — É melhor entrar, querido. Até a noite. Eu estava prestes a sair do carro quando olhei para a escadaria da escola. Paul Blofis cumprimentava uma garota de cabelos ruivos frisados. Ela vestia uma camiseta marrom e um jeans surrado customizado com desenhos feitos com caneta hidrográfica. Quando se virou, vi seu rosto de relance, e os pelos do meu braço se eriçaram. — Percy? — chamou minha mãe. — O que foi? — N-nada — gaguejei. — A escola tem uma entrada lateral? — Descendo a rua, à direita. Por quê? — Até mais tarde. Mamãe começou a dizer algo, mas saltei do carro e corri, torcendo para que a garota ruiva não me visse. O que ela estava fazendo ali? Nem mesmo a minha sorte poderia ser assim tão ruim. Pois, sim. Eu estava prestes a descobrir que minha sorte poderia ser muito pior. Entrar sorrateiramente na escola não deu muito certo. Duas líderes de torcida de uniforme roxo e branco estavam na entrada lateral, esperando para emboscar os calouros. — Oi! — Elas sorriram, e eu deduzi que aquela era a primeira e a última vez que uma líder de torcida seria tão simpática comigo.

Uma delas era loura, com gélidos olhos azuis. A outra era afroamericana, com cabelos escuros e enroscados como o da Medusa (e, pode acreditar, eu sei do que estou falando). Ambas tinham o nome bordado em letras cursivas no uniforme, mas, com a minha dislexia, as palavras pareciam espaguete, sem nenhum sentido. — Bem-vindo à Goode — disse a loura. — Você vai amar muito isso aqui. Mas, enquanto me olhava de cima a baixo, sua expressão parecia dizer algo como: Argh, quem é este perdedor? A outra garota se aproximou tanto que me senti desconfortável. Examinei o bordado em seu uniforme e consegui decifrar Kelli. Ela cheirava a rosas e a algo que reconheci das aulas de equitação no acampamento — o cheiro de cavalos recém-lavados. Era um perfume estranho para uma líder de torcida. Talvez tivesse um cavalo, ou algo assim. De qualquer modo, ela estava tão perto de mim que tive a sensação de que ia tentar me empurrar escada abaixo. — Qual o seu nome, calo? — Calo? — Calouro. — Hã, Percy. As garotas trocaram olhares. — Ah, Percy Jackson — disse a loura. — Estávamos à sua espera. Isso fez um intenso arrepio de Ah, não! percorrer minha espinha. Elas estavam bloqueando a entrada, sorrindo de uma forma nada amistosa. Minha mão instintivamente se dirigiu ao bolso onde eu guardava minha caneta esferográfica letal, Contracorrente. Então outra voz veio do interior do prédio: — Percy? — Era Paul Blofis, de algum ponto adiante no corredor. Eu nunca me sentira tão feliz por ouvir a voz dele. As líderes de torcida recuaram. Eu estava tão ansioso em passar por elas que acidentalmente esbarrei o joelho na coxa de Kelli. Clang. Sua perna emitiu um ruído metálico e oco, como se eu tivesse acabado de atingir o mastro de uma bandeira.

— Ai — murmurou ela. — Preste atenção, calo. Olhei para baixo, mas aquela parecia uma perna comum. Eu estava apavorado demais para fazer perguntas. Avancei apressadamente para o corredor, as duas garotas rindo atrás de mim. — Aí está você! — exclamou Paul. — Bem-vindo à Goode! — Ei, Paul… hã, sr. Blofis. — Olhei para trás, mas as líderes de torcida esquisitas haviam desaparecido. — Percy, você está com cara de quem viu fantasma. — É, hã… — Ouça, eu sei que está nervoso, mas não se preocupe. — Paul me deu um tapinha nas costas. —Temos uma porção de garotos aqui com dislexia, transtorno de déficit de atenção e hiperatividade. Os professores sabem como ajudar. Eu quase tive vontade de rir. Como se meus maiores problemas fossem a dislexia, o transtorno de déficit de atenção e a hiperatividade… Bem, eu sabia que Paul estava tentando ajudar, mas, se eu lhe contasse a verdade, ou ele pensaria que eu estava louco ou sairia correndo e gritando. Aquelas líderes de torcida, por exemplo — eu estava com um mau pressentimento em relação a elas… Então olhei mais adiante no corredor e me lembrei de que havia outro problema. A garota ruiva que eu vira na escadaria da frente estava passando pela entrada principal. Não me veja, rezei. Mas ela me viu. Seus olhos se arregalaram. — Onde é a orientação? — perguntei a Paul. — No ginásio. Por ali. Mas… — Tchau.

— Percy? — ele chamou, mas eu já estava correndo. Pensei que a tivesse despistado. Um grupo de garotos e garotas estava seguindo para o ginásio, e logo eu era apenas um entre os trezentos adolescentes de 14 anos amontoados nas arquibancadas. Uma banda tocava um grito de guerra da escola, que soava desafinado como se alguém estivesse batendo em um saco de gatos comum taco de beisebol de metal. Garotos mais velhos, provavelmente membros do grêmio estudantil, estavam lá na frente, apresentando o uniforme da Goode, com cara de: Ei nós somos o máximo. Professores circulavam no local, sorrindo e apertando a mão dos alunos. As paredes do ginásio estavam cobertas por grandes bandeiras roxas e brancas onde se lia: BEM-VINDOS, FUTUROS ALUNOS DO PRIMEIRO ANO, A GOODE É LEGAL, SOMOS TODOS UMA FAMÍLIA, e um monte de outros slogans alegres que me davam vontade de vomitar. Nenhum dos outros futuros alunos tampouco parecia entusiasmado por estar ali; afinal, apresentarse aos orientadores em junho — enquanto as aulas só começam em setembro — não é nada legal. Mas na Goode “Preparamos para a excelência cedo!”. Pelo menos era o que dizia o folheto. A banda parou de tocar. Um sujeito de terno de risca de giz dirigiu-se ao microfone e começou a falar, mas o som reverberava pelo ginásio e eu não tinha a menor ideia do que ele estava dizendo. Daria no mesmo se ele estivesse gargarejando. Alguém agarrou meu ombro. — O que você está fazendo aqui? Era ela: meu pesadelo ruivo. — Rachel Elizabeth Dare — eu disse. O queixo dela caiu, como se não pudesse acreditar que eu tivera a ousadia de me lembrar de seu nome. — E você é Percy não sei de quê. Não cheguei a saber seu nome todo dezembro passado, quando você tentou me matar. — Olhe, eu não estava… eu não queria… O que você está fazendo aqui? — O mesmo que você, eu acho. Orientação. — Você mora em Nova York? — Por quê? Achou que eu morasse na Barragem de Hoover? Aquilo nunca me ocorrera. Sempre que eu pensava nela (e não estou dizendo que eu pensava; ela só me passava pela cabeça de tempos em tempos, está bem?), imaginava que morasse perto da Barragem de Hoover, já que fora lá que eu a conhecera. Havíamos passado acho que uns dez minutos juntos, e nesse meio-tempo eu acidentalmente a golpeara com uma espada, ela salvara minha vida e eu fugira correndo, perseguido por um bando de máquinas assassinas sobrenaturais. Sabe, umencontro assim… bem comum.

Um garoto atrás de nós murmurou: — Ei, calem a boca. As líderes da torcida estão falando! — Oi, pessoal! — disse efusivamente uma garota ao microfone. Era a loura que eu vira na entrada. — Meu nome é Tammi, e esta é, bem, Kelli. — Kelli deu uma estrela. A meu lado, Rachel gritou como se alguém a tivesse espetado com um alfinete. Alguns garotos olharam na direção dela e soltaram uma risadinha abafada, mas Rachel continuou encarando fixamente as líderes de torcida, aterrorizada. Tammi não pareceu perceber a agitação. Ela começou a falar sobre todas as atividades maravilhosas nas quais poderíamos nos envolver em nosso primeiro ano. — Corra — disse-me Rachel. — Agora. — Por quê? Ela não explicou. Abriu caminho até a lateral da arquibancada, ignorando os professores de testa franzida e os resmungos dos alunos nos quais pisava. Eu hesitei. Tammi estava explicando que nos dividiríamos em pequenos grupos e faríamos um tour pela escola. O olhar de Kelli encontrou o meu e ela me dirigiu um sorriso divertido, como se estivesse esperando para ver o que eu ia fazer. Ficaria mal se eu saísse naquele momento. Paul Blofis estava lá embaixo com os outros professores. Ele ficaria imaginando qual era o problema. Então pensei em Rachel Elizabeth Dare, e na habilidade especial que ela demonstrara no último inverno na Barragem de Hoover. Ela conseguira enxergar um grupo de seguranças que não eram guardas de verdade, não eram nem humanos. Com o coração batendo forte, eu me levantei e a segui, saindo do ginásio. Encontrei Rachel na sala de música. Ela estava escondida atrás de um tambor, na seção de percussão. — Venha até aqui! — chamou.

— Mantenha a cabeça baixa! Eu me senti bastante bobo escondido atrás de alguns bongôs, mas me agachei ao lado dela. — Elas seguiram você? — perguntou Rachel. — Está se referindo às líderes de torcida? Ela assentiu, nervosa. — Acho que não — eu disse. — O que elas são? O que foi que você viu? Seus olhos verdes brilhavam de medo. As sardas salpicadas no rosto me lembravam constelações. Sua camiseta marrom dizia DEPARTAMENTO DE ARTE DE HARVARD. — Você… você não iria acreditar em mim. — Ah, iria sim — garanti. — Sei que consegue ver através da Névoa. — Do quê? — Da Névoa. É… bem, é como um véu que esconde o que as coisas são de verdade. Alguns mortais nascem com a habilidade de enxergar através dela. Como você. Ela me olhou com atenção. — Você fez isso na Barragem de Hoover. Disse que eu era mortal. Como se você não fosse. Tive vontade de dar um soco em um bongô. O que eu estava pensando? Nunca conseguiria explicar. Não deveria nem estar tentando. — Fale para mim — ela implorou. — Você sabe o que isso quer dizer. Todas essas coisas horríveis que eu vejo? — Olhe, isso vai soar estranho. Você sabe alguma coisa sobre mitologia grega? — Como… o Minotauro e a Hidra? — Sim, mas tente não dizer esses nomes quando eu estiver por perto, o.

k.? — E como as Fúrias — continuou ela, animando-se. — E como as sereias, e… — O.k.! — Dei uma olhada pela sala de música, certo de que Rachel ia fazer um bando de criaturas asquerosas e sedentas de sangue pular das paredes; mas ainda estávamos sozinhos. Mais à frente, no corredor, ouvi um grupo de garotos saindo do ginásio. Estavam começando o tour. Não tínhamos muito tempo para conversar. — Todos aqueles monstros — eu disse —, todos os deuses gregos… eles são de verdade! — Eu sabia! Teria me sentido mais à vontade se ela tivesse me chamado de mentiroso, mas a expressão de Rachel mostrava que eu acabara de confirmar suas piores suspeitas. — Você não sabe como é difícil — disse ela. — Durante anos pensei que estivesse ficando maluca. Eu não podia contar a ninguém. Não podia… — Seus olhos se estreitaram. — Peraí. Quem é você? Quer dizer, de verdade? — Eu não sou um monstro. — Bem, disso eu sei. Eu veria se você fosse. Você parece… você. Mas não é humano, é? Engoli em seco. Embora tivesse tido três anos para me acostumar a ser quem era, eu nunca havia falado a respeito disso com um mortal comum — isto é, exceto com minha mãe, mas ela já sabia. Não sei por quê, mas resolvi me arriscar. — Sou um meio-sangue — eu disse. — Sou metade humano. — E metade o quê? Nesse momento Tammi e Kelli entraram na sala de música. As portas se fecharam atrás delas com estrondo.

— Aí está você, Percy Jackson — disse Tammi. — Chegou a hora da sua orientação. — Elas são horríveis! — suspirou Rachel. Tammi e Kelli ainda usavam o uniforme roxo e branco de líderes de torcida, segurando os pompons da apresentação. — Qual é a aparência real delas? — perguntei, mas Rachel parecia perplexa demais para responder. — Ah, deixe ela para lá! — Tammi me lançou um sorriso brilhante e começou a caminhar na minha direção. Kelli permaneceu na porta, bloqueando nossa saída. Elas nos haviam apanhado em uma armadilha. Eu sabia que teríamos de lutar para escapar, mas o sorriso de Tammi era tão deslumbrante que me distraía. Seus olhos azuis eram lindos, e o modo como os cabelos balançavam nos ombros… — Percy — advertiu Rachel. Eu disse algo muito inteligente, do tipo: — Hein? Tammi estava se aproximando. Ela estendeu os pompons. — Percy! — A voz de Rachel parecia vir de um lugar muito distante. — Dê o fora daí! Precisei usar toda a minha força de vontade, mas consegui pegar a caneta no bolso e destampá-la. Contracorrente então se transformou em uma espada de bronze de noventa centímetros, a lâmina brilhando com uma suave luz dourada. O sorriso de Tammi tornou-se uma expressão de escárnio. — Ah, pare com isso! — protestou ela. — Você não precisa disso. Que tal um beijo, em vez dessa coisa? Ela cheirava a rosas e a pelo limpo de animal — um aroma estranho, mas de alguma forma intoxicante. Rachel beliscou meu braço com força. — Percy, ela quer morder você! Olhe para ela! — Ela só está com ciúme. — Tammi olhou na direção de Kelli. — Posso, senhora? Kelli ainda estava bloqueando a porta, lambendo os lábios, faminta. — Vá em frente, Tammi. Está indo bem.

Tammi avançou mais um passo, mas apontei a espada contra seu peito. — Para trás! Ela rosnou. — Calouros — disse, com desprezo. — Esta é a nossa escola, meio-sangue. Nós nos alimentamos de quem escolhemos! Então ela começou a ficar diferente. A cor se esvaiu de seu rosto e de seus braços. A pele se tornou branca como giz, os olhos, completamente vermelhos. Os dentes cresceram e viraram presas. — Uma vampira! — balbuciei. Então notei suas pernas. Abaixo da saia do uniforme, a perna esquerda era marrom e peluda, com um casco de burro. A direita tinha o formato de uma perna humana, mas era feita de bronze. — Hã, uma vampira com… — Não fale das pernas! — disse Tammi. — É grosseiro zombar disso! Ela avançou com suas pernas estranhas, descombinadas. Parecia totalmente bizarra, mais ainda com os pompons, mas eu não conseguia rir — não encarando aqueles olhos vermelhos e as presas afiadas. — Uma vampira, você disse? — Kelli riu. — Essa lenda boboca foi inspirada em nós, seu tolo. Somos empousai, servas de Hécate. — Hummm. — Tammi aproximou-se ainda mais. — A magia negra nos criou a partir de um animal, do bronze e de fantasmas! Existimos para nos alimentar do sangue de homens jovens. Agora venha e me dê aquele beijo! Ela mostrou as presas. Fiquei paralisado, sem conseguir me mover, mas Rachel jogou um tarol na cabeça da empousa. O demônio sibilou e, com um golpe, desviou o tarol, que foi rolando pelos corredores entre os suportes de partituras, as molas chocalhando de encontro ao couro. Rachel lançou então um xilofone, mas o demônio também o desviou com um tapa.

— Geralmente não mato garotas — grunhiu Tammi. — Mas para você, mortal, vou abrir uma exceção. Você enxerga um pouquinho demais! Ela investiu contra Rachel. — Não! — Desferi um golpe com Contracorrente. Tammi tentou esquivar-se à lâmina, mas consegui perfurar seu uniforme de líder de torcida, e com um gemido horrível ela explodiu em uma nuvem de pó sobre Rachel. Rachel tossiu. Parecia que tinham acabado de jogar um saco de farinha em cima dela. — Que nojo! — Isso acontece com os monstros — eu disse. — Desculpe-me. —Você matou minha estagiária! — gritou Kelli. — Precisa de uma lição sobre espírito esportivo, meio-sangue! Então ela também começou a se transformar. Os cabelos crespos tornaram-se chamas bruxuleantes. Os olhos ficaram vermelhos. As presas cresceram. Ela veio em nossa direção, o pé de bronze e o casco ressoando descompassados no piso da sala de música. — Eu sou a empousa sênior — grunhiu. — Nenhum herói me derrota há mil anos. — Mesmo? — perguntei. — Então já passou da validade! Kelli era bem mais rápida que Tammi. Esquivou-se ao meu primeiro golpe e rolou para a seção de metais, derrubando uma fileira de trombones com um ruído altíssimo. Rachel saiu do caminho. Coloquei-me entre ela e a empousa. Kelli nos rodeou, os olhos indo de mim para a espada. — Uma laminazinha tão linda — disse ela. — Que pena que está entre nós dois.

Sua forma tremeluzia — às vezes um demônio, às vezes uma linda líder de torcida. Eu tentava manter a mente focada, mas aquilo era muito perturbador. — Pobrezinho — riu Kelli. — Você não sabe nem o que está acontecendo, não é? Logo seu lindo acampamentozinho estará em chamas, seus amigos se tornarão escravos do Senhor do Tempo, e não há nada que possa fazer para evitar isso. Seria até misericordioso dar um fim à sua vida agora, antes que tenha tempo de assistir a tudo. Eu ouvia vozes vindo do fim do corredor. Um grupo fazendo o tour se aproximava. Um homemfalava algo sobre combinação de cadeados. Os olhos da empousa se iluminaram. — Excelente! Vamos ter companhia! Ela apanhou uma tuba e a lançou contra mim. Rachel e eu nos abaixamos. A tuba voou sobre nossas cabeças e quebrou a janela. As vozes no corredor se calaram. — Percy! — gritou Kelli, fingindo-se assustada. — Por que você atirou aquilo? Eu estava surpreso demais para responder. Kelli pegou um suporte de partitura e atingiu uma fileira de clarinetas e flautas. Cadeiras e instrumentos musicais desabaram no chão com um estrondo. — Pare! — eu gritei. As pessoas agora disparavam pelo corredor, vindo em nossa direção. — Hora de cumprimentar os nossos visitantes! — Kelli arreganhou as presas e correu para as portas. Fui atrás dela com Contracorrente. Precisava evitar que ela ferisse os mortais. — Percy, não! — gritou Rachel. Mas eu não percebi o que Kelli pretendia até que fosse tarde demais. Kelli abriu as portas.

Paul Blofis e um grupo de calouros recuaram, em choque. Eu ergui minha espada. No último segundo, a empousa se virou para mim como uma vítima apavorada. — Ah, não, por favor! — gritou. Eu não podia parar a lâmina, que já estava em movimento. Segundos antes de o bronze celestial atingi-la, Kelli explodiu em chamas como um coquetel molotov. Ondas de fogo lançaram-se sobre tudo. Eu nunca vira um monstro fazer algo assim, mas não tinha tempo para pensar no assunto. Recuei para a sala de música enquanto as chamas engoliam o vão de entrada. — Percy? — Paul Blofis parecia totalmente atônito, fitando-me através do fogo. — O que você fez? Adolescentes gritavam e corriam pelo corredor. O alarme de incêndio soava. Os sprinklers no teto silvavam, ganhando vida. Em meio ao caos, Rachel me puxou pela manga da camisa. — Você precisa sair daqui! Ela estava certa. A escola estava em chamas e a culpa seria atribuída a mim. Os mortais não conseguiam ver com perfeição através da Névoa. Para eles, pareceria que eu atacara uma garota indefesa diante de um grupo de testemunhas. Não havia como eu explicar. Dei as costas para Paul e disparei para a janela da sala de música destruída. Saí da viela na 81 Leste e dei de cara com Annabeth. — Ei, você saiu cedo! — Ela riu, agarrando meus ombros para evitar que eu me estatelasse no chão. — Olhe para onde está indo, Cabeça de Alga. Por uma fração de segundo ela estava de bom humor e tudo corria bem. Vestia jeans e a camisa laranja do acampamento, e usava o colar de contas de cerâmica.

O cabelo louro estava preso em umrabo de cavalo. Os olhos cinzentos brilhavam. Ela parecia pronta para ir ao cinema e passar uma tarde divertida comigo. Então Rachel Elizabeth Dare, ainda coberta de poeira de monstro, veio correndo pela viela, gritando: — Percy, espere! O sorriso de Annabeth se desfez. Ela olhou para Rachel e, em seguida, para a escola. Foi então que pareceu notar a fumaça negra e o som dos alarmes de incêndio. Ela me olhou, franzindo a testa. — O que foi que você fez dessa vez? E quem é essa? — Ah, Rachel… Annabeth. Annabeth… Rachel. Hã, ela é uma amiga, acho. Eu não sabia ao certo como chamar Rachel. Quer dizer, eu mal a conhecia, mas, depois de estarmos juntos duas vezes em situações de vida ou morte, eu não podia simplesmente dizer que ela não era ninguém. — Oi — disse Rachel, e então se virou para mim: — Você está muito encrencado. E ainda me deve uma explicação! As sirenes da polícia gemiam na FDR Drive. — Percy — Annabeth falou com frieza. — Precisamos ir. — Quero saber mais sobre meios-sangues — insistiu Rachel. — E monstros. E essa história dos deuses. — Ela agarrou meu braço, pegou uma caneta permanente e escreveu um número de telefone em minha mão. — Vai me ligar e explicar tudo, o.k.? Você me deve isso. Agora vá. — Mas… — Vou inventar uma história — disse Rachel.

— Vou dizer a eles que não foi culpa sua. Mas vá! Ela voltou correndo para a escola, deixando-me na rua com Annabeth. Annabeth me encarou por um segundo. Então se virou e começou a correr. — Ei! — Fui atrás dela. — Lá dentro tinha duas empousai — tentei explicar. — Eram líderes de torcida, sabe, e disseram que o acampamento ia pegar fogo, e… — Você contou a uma garota mortal sobre os meios-sangues? — Ela pode ver através da Névoa. Viu os monstros antes que eu os notasse. — Então você contou a ela a verdade. — Ela me reconheceu da Barragem de Hoover… — Você a tinha encontrado antes? — Hã… O inverno passado. Mas, sério, eu mal a conheço. — Ela é bem bonitinha. — Eu… eu nunca reparei nisso. Annabeth continuava andando na direção da avenida York. — Vou resolver a história da escola — prometi, ansioso para mudar de assunto. — De verdade, vai ficar tudo bem. Annabeth nem mesmo me olhava. — Acho que nossa tarde já era. É melhor tirarmos você daqui, agora que a polícia vai sair à sua procura. Atrás de nós, a fumaça se erguia da Goode High School em ondas. Na coluna escura de cinzas tive a impressão de quase enxergar um rosto — um demônio feminino, de olhos vermelhos, rindo de mim. Seu lindo acampamentozinho em chamas, dissera Kelli. Seus amigos transformados em escravos do Senhor do Tempo. — Você tem razão — disse a Annabeth, com o coração apertado. — Precisamos ir para o Acampamento Meio-Sangue.

Agora.

.

Baixar PDF

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Baixar Livros Grátis em PDF | Free Books PDF | PDF Kitap İndir | Telecharger Livre Gratuit PDF | PDF Kostenlose eBooks | Descargar Libros Gratis |