| Books | Libros | Livres | Bücher | Kitaplar | Livros |

A Roda da Lua – Julio Verne

No decurso do ano de 186… comoveu singularmente o mundo inteiro uma tentativa científica sem precedentes nos anais da ciência. Os sócios do Gun-Club, associação de artilheiros fundada emBaltimore depois da guerra da América, tiveram o pensamento de estabelecer comunicação com a lua — sim, com a lua —, atirando-lhe uma bala. O presidente do clube, Barbicane, promotor do empreendimento, depois de consultar acerca de tal assunto os astrónomos do Observatório de Cambridge, tomou todas as medidas necessárias para o bom êxito da extraordinária tentativa, reputada realizável pela maioria das pessoas competentes. Depois de abrir uma subscrição pública, que produziu cerca de trinta milhões de francos, deu o presidente começo aos seus gigantescos trabalhos. Segundo a nota redigida pelo pessoal técnico do Observatório, o canhão destinado a arremessar o projétil devia ser colocado em região situada entre 0° e 28° de latitude norte ou sul, para que fizesse pontaria à lua quando no zênite. A bala devia ir impelida com velocidade inicial de doze mil jardas por segundo. Arremessada no 1.º de Dezembro às onze horas menos treze minutos e vinte segundos da noite, havia de encontrar a lua quatro dias depois da partida, no dia 5 de dezembro, à meia-noite em ponto, no instante mesmo em que o astro estava no perigeu, isto é, à sua mínima distância da Terra, que é exatamente de oitenta e seis mil quatrocentas e dez léguas. Os sócios principais do Gun-Club, presidente Barbicane, major Elphiston, o secretário J.-T. Maston e muitos outros homens de ciência, celebraram repetidas reuniões, em que se discutiram a forma e composição do projétil, a disposição e a natureza do canhão e a qualidade e quantidade de pólvora que se havia de usar. Decidiu-se: 1.º, que o projétil devia ser um obus de alumínio de cento e oito polegadas de diâmetro e de doze polegadas de espessura de parede, cujo peso montaria a dezanove mil duzentas e cinquenta libras; 2.º, que o canhão havia de ser uma columbíada de ferro fundido de novecentos pés de comprimento e que devia realizar-se a fundição diretamente no solo; 3.º, que na carga se haviam de consumir quatrocentas mil libras de algodão-pólvora, que, desenvolvendo seis milhões de litros de gases sob o projétil, o arremessariam facilmente até ao astro da noite. Resolvidos que foram estes problemas, o presidente Barbicane, com o auxílio do engenheiro Murchison, tratou de escolher na Florida um sítio colocado a 27° 7’ de latitude norte e 5° 7’ de longitude oeste. Foi naquele lugar que, depois de maravilhosos trabalhos, foi fundida a Columbiad com perfeito bom êxito. E estavam as coisas nesta altura quando sobreveio um incidente que centuplicou o interesse inerente a tão grande empreendimento. Um francês, um parisiense estouvado e fantasioso, um artista tão engraçado como audaz, pediu que o deixassem ir dentro da bala, para ir à lua, e realizar assim um reconhecimento do satélite terrestre. Esse intrépido aventureiro chamava-se Michel Ardan. Chegou à América, onde foi recebido com entusiasmo, celebrou meetings, levaram-no em triunfo, reconciliou o presidente Barbicane com o seu inimigo figadal capitão Nicholl e decidiu-os a ambos, como penhor da reconciliação, a embarcarem com ele no projétil. E, como fosse aceita a proposta, modificou-se a forma da bala, que fizeram cilindrocônica. Colocaram naquela espécie de vagão aéreo possantes molas elásticas e tabiques frágeis que, segundo se cria, haviam de amortecer a repercussão do tiro à partida, fizeram provisão de víveres para umano, de água para alguns meses e de gás para alguns dias. O ar necessário para a respiração dos três viajantes devia ser fabricado e fornecido por um aparelho automático. Pelo mesmo tempo fazia o Gun-Club construir numa das mais altas cumeadas das Montanhas Rochosas um telescópio gigantesco, que permitiria seguir com a vista o projétil durante a viagem através do espaço.


Estava tudo pronto. A 1 de dezembro, à hora marcada, no meio de extraordinária afluência de espectadores, realizou-se a partida, e, pela primeira vez, três seres humanos largaram do globo terrestre para os espaços interplanetários, com a certeza quase absoluta de chegarem ao alvo que tinham mirado. Os ousados viajantes, Michel Ardan, o presidente Barbicane e o capitão Nicholl, deviam efetuar a viagem em noventa e sete horas, treze minutos e vinte segundos. Por consequência, a chegada dos viajantes à superfície do disco lunar não podia verificar-se senão a 5 de dezembro, à meia-noite, exatamente no momento em que a lua entrava no plenilúnio, e não no dia 4, como o tinham propalado alguns jornais mal informados. Porém, circunstância inesperada, a detonação da columbíada teve como consequência imediata toldar a atmosfera terrestre, acumulando nela enorme quantidade de vapores. Fenómeno foi este que excitou a geral indignação, porque a lua permaneceu, durante grande número de noites, escondida das vistas dos seus contempladores. O digno J.-T. Maston, o mais seguro amigo dos três viajantes, partiu para as Montanhas Rochosas na companhia do honorable J. Belfast, diretor do Observatório de Cambridge, e chegou à estação de Long’s-Peak, onde se erguia o telescópio que representava a lua a duas léguas de distância. Queria o honorable secretário do Gun-Club observar por seus próprios olhos o veículo aéreo dos seus ousados amigos. A acumulação de nuvens na atmosfera obstou a que se fizesse qualquer observação nos dias 5, 6, 7, 8, 9 e 10 de dezembro. Chegou-se mesmo a crer que as observações teriam de ser adiadas para 3 de janeiro do ano seguinte, porque a lua, que entrava no minguante no dia 11, não podia desde então mostrar visível senão uma porção decrescente do seu disco, insuficiente para poder observarse sobre ela o rasto do projétil. Mas afinal, e com geral satisfação, na noite de 11 para 12 de dezembro violenta tempestade veio limpar a atmosfera — e a lua destacou-se semi-iluminada no fundo negro do céu. Naquela mesma noite expediram J.-T. Maston e Belfast, de Long’s-Peak, um telegrama aos ilustres membros do pessoal técnico do Observatório de Cambridge. Que anunciava aquele telegrama? Anunciava que a 11 de dezembro, às oito horas e quarenta e sete minutos da tarde, o projétil arremessado pela columbíada de Stone’s-Hill tinha sido visto pelos senhores Belfast e J.-T. Maston; que a bala, desviada por motivo ignorado, não dera no alvo, mas que passara bastante próximo dele, para ficar retida pela atração lunar; que o movimento retilíneo do projétil se transformara emmovimento circular, pelo que, nestas circunstâncias, o projétil, arrastado segundo uma órbita elíptica em torno do astro da noite, se convertera em satélite deste. Acrescentava o telegrama que ainda não tinham podido calcular-se os elementos do novo astro. Efetivamente, é necessário observar um astro em três posições diferentes para que tais elementos se possam deduzir. Além disto, o telegrama indicava que a distância que havia entre o projétil e a superfície lunar «podia» avaliar-se em duas mil oitocentas e trinta milhas aproximadamente, ou, o que vale o mesmo, em quatro mil e quinhentas léguas. Concluía finalmente o telegrama com a emissão das duas seguintes hipóteses: ou a atração da lua chega a ser dominante, e os viajantes vão direitos ao seu destino; ou o projétil, mantido em órbita imutável, gravita em torno do disco lunar até ao final dos séculos. Nestas diferentes alternativas, que havia de ser dos viajantes? Víveres, tinham-nos para certo tempo, é verdade.

Porém, dado mesmo que a temerária empresa tivesse feliz êxito, como é que haviam de voltar? E acaso poderiam regressar numa época qualquer? Porventura haviam de receberse notícias deles? Estas questões, que foram debatidas pelos espíritos mais ilustrados da época, excitaram o interesse público. Convém registar aqui um fato que deve ser meditado pelos observadores em demasia precipitados. Quando um homem de ciência anuncia ao público qualquer descoberta puramente especulativa, toda a prudência da parte do anunciante é pouca. Ninguém é obrigado a descobrir planetas, cometas ou satélites — e quem em tais assuntos se engana fica com justo fundamento exposto às chufas da multidão. Por consequência mais vale esperar; e é o que deveria ter feito o impaciente J.-T. Maston antes de largar a correr mundo aquele telegrama que, na sua opinião, dizia a última palavra acerca da empresa. Efetivamente, o telegrama continha erros de duas espécies, como depois se verificou. 1.º, erros de observação, no que dizia respeito à distância do projétil à superfície da lua, porque na data de 11 de dezembro era impossível vê-lo, pois o que J.-T. Maston vira, ou julgara ver, não podia ser a bala da columbíada; 2.º, erros de teoria com respeito à sorte que o futuro reservava ao projétil, porque fazer dele um satélite da lua era colocar-se em absoluta contradição com as leis da mecânica racional. Só uma das duas hipóteses dos observadores de Long’s-Peak podia realizar-se: era a que previa o caso de combinarem os viajantes — se é que ainda existiam — os próprios esforços com a atração lunar, por forma que chegassem à superfície do disco. Ora aqueles homens, tão inteligentes como ousados, tinham sobrevivido à terrível repercussão do tiro à partida — e é a viagem deles dentro do vagão-bala que vamos relatar, com os mais dramáticos e também os mais singulares pormenores. Esta narração desfará talvez muitas ilusões e muitas previsões, mas há de dar exata ideia das peripécias sucedidas ao longo do ousado empreendimento, tornando bem salientes os instintos científicos de Barbicane, os recursos do industrioso Nicholl e a humorística audácia de Michel Ardan. Além de tudo isto, há de provar que perdia o tempo o digno J.-T. Maston, amigo dos navegadores, quando, debruçado para o interior do gigantesco telescópio, observava a marcha da lua através dos espaços estelares. Capítulo 1 — Das Dez Horas e Vinte Até às Dez Horas e Quarenta e Sete Minutos da Noite No momento em que soavam as dez horas, Michel Ardan, Barbicane e Nicholl fizeram as suas despedidas aos numerosos amigos que deixavam sobre a Terra. Os dois cães destinados a aclimar a raça canina nos continentes lunares já estavam encerrados dentro do projétil. Os três viajantes aproximaram-se do orifício do enorme tubo de ferro fundido, pelo interior do qual desceram até ao chapéu cônico da bala por meio de um guindaste volante. Na cúpula do projétil, uma abertura que fora reservada para esse fim deu-lhes entrada no vagão de alumínio. Içados os cadernais do guindaste para a parte exterior, ficaram instantaneamente desembaraçadas as fauces da columbíada de qualquer aparelho ou andaime. Nicholl, logo que entrou com os companheiros no projétil, tratou de lhe fechar a abertura por meio de uma forte chapa que se segurava pelo lado de dentro com possantes parafusos de pressão.

Outras chapas, solidamente adaptadas, cobriram os olhos-de-boi de vidro lenticular das vigias. Os viajantes, hermeticamente fechados na sua prisão de metal, estavam imersos em profundíssima obscuridade. — E agora, caros companheiros — disse Michel Ardan —, façam de conta que estamos em nossa casa. Eu cá sou homem de interior, e muito sabido em arranjos domésticos. O que temos de fazer é tirar o melhor partido possível do nosso novo alojamento, procurando achar nele os nossos cômodos habituais. Primeiro que tudo, tratemos de ver alguma coisa! O gás não se inventou para as toupeiras! E, ao passo que isto dizia, o descuidado rapaz acendeu um fósforo por fricção na sola da bota; em seguida aproximou-o do bico cravado no recipiente em que se armazenara, debaixo de alta pressão, hidrogênio carbonado em quantidade bastante para iluminar e aquecer o projétil por espaço de cento e quarenta e quatro horas, ou, o que vale o mesmo, seis dias e seis noites. O gás inflamou-se, e o projétil, assim iluminado, apareceu qual quarto confortável, de paredes estofadas e acolchoadas, mobilado de divãs circulares, e com o teto arredondado em forma de cúpula. Todos os objetos que continha, armas, instrumentos e utensílios, solidamente ligados às saliências arredondadas do estofo basteado, deviam aguentar impunemente o choque da partida. Tinham-se tomado todas as precauções humanamente possíveis para tirar resultado satisfatório de tão cara e temerária tentativa. Michel Ardan tudo examinou e declarou-se extremamente satisfeito com a instalação. — É uma prisão — disse —, mas prisão que viaja; se me outorgassem o direito de deitar o nariz fora da janela, tomava-a de arrendamento por cem anos! Sorriste-te, Barbicane? Isso é pensamento que nos queres ocultar? Pensas acaso que esta prisão pode muito bem ser o nosso túmulo? Pois seja embora túmulo, que não o trocava pelo de Maomé, que flutua no espaço, mas não anda! Enquanto Michel Ardan assim falava, iam Barbicane e Nicholl fazendo os preparativos que lhes faltavam. O cronômetro de Barbicane, que fora regulado com uma diferença inferior a um décimo de segundo pelo do engenheiro Murchison, indicava dez horas e vinte minutos da noite na ocasião emque os três viajantes se entaiparam definitivamente na bala. Barbicane viu as horas e disse: — Meus amigos, são dez horas e vinte. Às dez e quarenta e sete há de Murchison lançar a faísca elétrica pelo fio que comunica com a carga da columbíada. Nesse mesmo instante havemos de deixar o nosso esferoide. Temos, portanto, ainda vinte e sete minutos de permanência na Terra. — Vinte e seis minutos e treze segundos — corrigiu o metódico Nicholl. — Pois bem! — exclamou Michel Ardan com intonação de bom humor —, em vinte e seis minutos faz-se muita coisa! Podem discutir-se e até resolver-se as mais graves questões de moral e de política! Vinte e seis minutos, bem empregados, valem mais que vinte e seis anos em que nada se faz! Alguns segundos de um Pascal ou de um Newton são mais preciosos que a existência inteira da indigesta multidão dos imbecis… — E que concluis tu daí, eterno falador? — Concluo que só nos faltam vinte e seis minutos — respondeu Ardan. — Só vinte e quatro — emendou Nicholl. — Pois vinte e quatro, se isto te dá prazer, meu estimável capitão — admitiu Ardan —; vinte e quatro minutos no decurso dos quais se poderiam profundar… — Michel — disse Barbicane —, durante a viagem havemos de ter tempo de sobra para aprofundar os mais árduos assuntos. Agora tratemos da partida. — Pois não estamos prontos? — Certamente. Porém, temos de tomar ainda algumas precauções para atenuar quanto possível o primeiro choque! — Pois não temos as camadas de água dispostas entre os tabiques quebradiços cuja elasticidade nos há de proteger suficientemente? — Assim o espero, Michel — respondeu severamente Barbicane —, mas não estou bem seguro do caso! — Olha o velhaco! — exclamou Michel Ardan. — Tem esperança! Não está seguro do caso!… E guarda-se para fazer-nos esta deplorável confissão no momento em que já estamos embarrilados! Mas eu é que peço que me deixem ir embora! — E por que meio? — inquiriu Barbicane. — É verdade — disse Michel Ardan —, a coisa é difícil.

Estamos no comboio e o assobio do condutor não tarda vinte e quatro minutos… — Vinte — precisou Nicholl. Por espaço de alguns instantes olharam-se mutuamente os três viajantes. Em seguida examinaram os objetos que iam encerrados com eles. — Está tudo no seu lugar — declarou Barbicane. — Trata-se agora de decidir por que maneira nos havemos de colocar melhor para aguentar o choque da partida. Não é indiferente a posição que escolhermos; devemos, tanto quanto for possível, evitar que nos aflua com extrema violência o sangue à cabeça. — É exato — aprovou Nicholl. — Nesse caso — observou Michel Ardan, pronto para juntar a ação às palavras — viremo-nos de cabeça para o chão e pés para o ar, como os palhaços do Great-Circus. — Nada — disse Barbicane —, deitemo-nos de lado. Por esta forma havemos de resistir melhor ao choque. Notai que, no instante em que a bala partir, quase que é o mesmo estar dentro como diante dela. — Se é só «quase» fico mais descansado — replicou Michel Ardan. — Aprovais a minha ideia, Nicholl? — perguntou Barbicane. — Completamente — respondeu o capitão. — Faltam ainda treze minutos e meio. — Este Nicholl não é homem — exclamou Michel —, é um cronômetro de segundos, de escapo, com oito pedras… Mas os companheiros já não o escutavam: tratavam de tomar as últimas disposições cominimaginável presença de espírito. Tinham toda a aparência de dois viajantes metódicos que, metidos num vagão, procuravam acomodar-se com o maior conforto possível. De que massa serão feitos esses corações de americanos, a que nem a aproximação do perigo mais horroroso acrescenta uma só pulsação!? — é o que dava vontade de perguntar! Tinham-se colocado no projétil três caminhas fofas e solidamente acondicionadas. Nicholl e Barbicane trouxeram-nas para o centro do disco móvel que servia de sobrado. Ali é que se haviam de deitar os três viajantes alguns momentos antes da partida. Entretanto, Ardan, que não podia estar sossegado, andava à roda da estreita prisão, qual fera na jaula, conversando com os amigos, falando com os cães, Diana e Satélite, aos quais, como se vê, já há tempo pusera aqueles nomes significativos. — Eh! Diana! Eh! Satélite! — exclamava, excitando-os. — Ides então ensinar aos cães celestes as bonitas maneiras dos cães cá da Terra? É caso que há de dar honra à raça canina! Por Deus! Se alguma vez voltarmos cá abaixo, tenho vontade de trazer um tipo cruzado de moon-dogs, que há de fazer furor! — Se é que há cães na lua — objetou Barbicane. — Decerto que há — afirmou Michel Ardan —, assim como há cavalos, vacas, burros, galinhas. Aposto que encontramos lá galinhas! — Cem dólares em como não as havemos de encontrar — apostou Nicholl.

— Está apostado, meu capitão — respondeu Ardan, apertando a mão de Nicholl. — Mas, a propósito, tu já perdeste três apostas com o nosso presidente, visto terem-se arranjado os fundos necessários para a empresa, ter tido feliz êxito a operação da fundição e, finalmente, ter-se carregado a columbíada sem desastre: são seis mil dólares. — É verdade — admitiu Nicholl. — São dez horas, trinta e sete minutos e seis segundos. — Ficamos cientes, capitão. Pois bem, antes que se passe um quarto de hora, hás de ter de largar para o presidente mais nove mil dólares, quatro mil por não ter rebentado a columbíada e cinco mil porque a bala há de ter subido ao ar a mais de seis milhas. — Os dólares cá estão — respondeu Nicholl, batendo na algibeira do casaco —; e o que eu mais desejo é ter de pagar. — Vamos, Nicholl, vejo que és homem de ordem, coisa que eu nunca consegui ser; mas, em suma, hás de permitir-me que te diga que fizeste uma série de apostas em que pouca vantagem podes lograr. — Então porquê? — perguntou Nicholl. — Porque se ganhares a primeira, é porque rebentou a columbíada, e a bala de companhia, e nesse caso já não há Barbicane para te reembolsar os teus dólares. — O valor da aposta depositei-o eu no Banco Baltimore — respondeu com simplicidade Barbicane —; na falta de Nicholl, reverte para os herdeiros dele! — Ah! Homens práticos — exclamou Michel Ardan —, espíritos positivos! Admiro-vos tanto mais que nem sequer vos compreendo. — Dez horas e quarenta e dois! — anunciou Nicholl. — Só faltam cinco minutos! — afirmou Barbicane. — Sim! cinco minutinhos! — replicou Michel Ardan. — E estamos fechados numa bala, no fundo de um canhão de novecentos pés! E por baixo desta bala estão amontoadas quatrocentas mil libras de algodão-pólvora que equivalem a um milhão e seiscentas mil libras de pólvora ordinária! E o amigo Murchison está de cronômetro na mão, com o olho fixo no ponteiro e o dedo em cima do aparelho elétrico a contar os segundos, e vai arrojar-nos aos espaços interplanetários! — Basta! Michel, basta! — recomendou Barbicane com voz grave. — Preparemo-nos. Alguns instantes apenas nos separam do momento supremo. Um aperto de mão, meus amigos. — Sim! — exclamou Michel Ardan, mais comovido do que queria parecê-lo. E os três atrevidos companheiros apertaram-se num estreito e último abraço. — Deus nos tenha na sua santa guarda! — disse o religioso Barbicane. Michel Ardan e Nicholl deitaram-se nas camas colocadas no centro do disco. «Ainda vinte segundos!» Barbicane apagou imediatamente o gás e deitou-se ao lado dos amigos. O silêncio era profundo e apenas interrompido pelas pancadas do cronômetro que batia segundos. Subitamente, houve um choque medonho — e o projétil, sob o impulso de dezasseis milhares de milhões de litros de gases desenvolvidos pela deflagração do piróxilo, foi arrojado ao espaço.

.

Baixar PDF

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Baixar Livros Grátis em PDF | Free Books PDF | PDF Kitap İndir | Telecharger Livre Gratuit PDF | PDF Kostenlose eBooks | Descargar Libros Gratis |