| Books | Libros | Livres | Bücher | Kitaplar | Livros |

A roda do tempo 02 – A grande cacada – Robert Jordan

O homem que chamava a si mesmo de Bors, pelo menos naquele lugar, fez uma careta de desprezo ante o murmúrio que percorria o aposento de teto abobadado, um som semelhante ao grasnar suave de gansos. A expressão desdenhosa, porém, estava oculta pela máscara de seda negra que cobria seu rosto, idêntica às que cobriam cem outros rostos naquela câmara. Havia uma centena de máscaras negras, e uma centena de pares de olhos tentando ver o que se escondia atrás delas. Sem olhar com atenção, era possível pensar que o imenso salão pertencia a um palácio, comgrandes lareiras de mármore e lustres dourados pendendo das cúpulas do teto, tapeçarias coloridas e um piso de mosaicos com padrões intrincados. Mas apenas se a pessoa não olhasse com atenção. Para começar, as lareiras estavam frias: chamas dançavam sobre troncos da grossura da perna de um homem, mas não emitiam calor. As paredes por trás das tapeçarias e o teto lá no alto, bem acima dos lustres, eram de pedra nua, quase preta. Não havia janelas, apenas duas portas, uma de cada lado do salão. Era como se alguém tivesse tentado dar a impressão de que o cômodo era a câmara de recepção de um palácio, mas não tivesse se dado ao trabalho de traçar mais do que um esboço e adicionar poucos detalhes. O homem que chamava a si mesmo de Bors não sabia onde aquele aposento ficava, nem achava que qualquer um dos outros soubesse. Não gostava de pensar no local onde ele poderia ficar; bastava saber que havia sido convocado. Também não gostava de pensar nisso, mas nem mesmo ele deixaria de comparecer a uma convocação daquelas. Ajeitou seu manto, grato pelo fato de as chamas não emitirem calor; caso contrário, estaria quente demais para usar a peça de lã preta que ia até o chão. Todas as suas roupas eram pretas. As pesadas dobras do manto escondiam a corcunda falsa que usava para disfarçar a altura e impedir que os outros soubessem se era magro ou robusto. E não era o único ali com o corpo inteiro coberto de tecido. Ficou observando seus companheiros em silêncio. A paciência marcara grande parte de sua vida. Se esperasse e observasse por tempo suficiente, alguém sempre cometia um erro. A maioria dos homens e mulheres ali talvez tivesse a mesma filosofia: eles observavam e escutavam em silêncio aqueles que precisavam falar. Algumas pessoas não conseguiam esperar ou ficar em silêncio, e acabavam revelando mais do que percebiam. Serviçais circulavam por entre os convidados. Eram jovens esbeltos, com cabelos dourados, e ofereciam vinho com uma mesura e um sorriso, sem dizer uma palavra. Tanto rapazes quanto moças vestiam calças apertadas e camisas brancas folgadas. Ambos os sexos se moviam com uma graciosidade perturbadora.


Cada um parecia idêntico aos demais, como reflexos de um espelho, os rapazes tão belos quanto as garotas. Ele duvidava de sua capacidade de diferenciar uns dos outros, mesmo sendo bom em distinguir e memorizar fisionomias. Uma garota sorridente, toda vestida de branco, ofereceu-lhe uma bebida da bandeja cheia de taças de cristal que carregava. Ele pegou um copo, mas sem intenção de beber. Se recusasse a oferta, poderia parecer desconfiado ou pior, o que seria mortal naquele lugar, mas era possível colocar qualquer coisa em uma bebida. Decerto alguns de seus companheiros não reclamariam ao ver diminuir o número de rivais na busca por poder, quem quer que fossem os azarados. Ele se perguntava, distraído, se os serviçais precisariam ser descartados após aquela reunião. Serviçais ouvem tudo. Quando a moça com a bandeja se endireitou após uma mesura, os olhos dos dois se encontraram por cima daquele sorriso doce. Olhos inexpressivos. Olhos vazios. Os olhos de uma boneca. Olhos mais mortos que a própria morte. Um calafrio percorreu seu corpo quando ela se afastou com graça e, antes de se dar conta do que fazia, ele chegou a levar a taça aos lábios. Não foi o que havia sido feito à garota que o apavorou, pelo contrário: toda vez que julgava ter detectado uma fraqueza naqueles a quem agora servia, percebia que haviam se antecipado a seus pensamentos e se livrado da suposta fraqueza com uma precisão implacável, o que o deixava pasmo. Aquilo também o deixava preocupado: sua primeira regra sempre fora procurar por fraquezas, pois toda fraqueza era uma brecha por onde era possível penetrar, sondar e influenciar. Se seus mestres atuais, os mestres de agora, não tivessem fraquezas… Franzindo a testa por trás da máscara, ele estudou seus companheiros. Ali, pelo menos, havia muitas fraquezas. O nervosismo traía até mesmo aqueles que tinham bom senso o bastante para segurar a língua. A rigidez com que um se portava, os movimentos bruscos daquela outra ao ajeitar a saia. Um quarto dos convocados, estimou, não se dera ao trabalho de usar disfarce maior do que as máscaras negras, e suas roupas revelavam muito. Uma mulher de pé diante de uma tapeçaria dourada e carmesim, conversando em voz baixa com uma figura — impossível de identificar se homem ou mulher — vestia um manto cinza com capuz. Ela obviamente escolhera aquele local porque as cores da tapeçaria destacavam sua vestimenta. Chamar a atenção para si fora uma escolha duplamente tola, pois seu vestido escarlate com corpete decotado, para revelar mais carne, e curto demais, para exibir as sandálias douradas, indicava que vinha de Illian e que era uma mulher rica, talvez até mesmo de sangue nobre. Não muito longe da illianense, estava outra mulher, sozinha e em um silêncio admirável.

Tinha um pescoço de cisne e lustrosos cabelos negros que caíam em ondas até abaixo da cintura, e mantinha as costas para a parede de pedra, observando tudo. Não demonstrava nervosismo algum, e sim umsereno autocontrole. Uma postura exemplar, mas que era traída pela pele acobreada e pelo vestido bege de gola alta que deixava somente as mãos à mostra, embora se colasse ao corpo, apenas levemente opaco, de forma a insinuar tudo e não revelar nada. O traje a marcava como membro da nobreza de Arad Doman. E, a menos que o homem que chamava a si mesmo de Bors estivesse completamente equivocado em suas suspeitas, o grande bracelete dourado em seu pulso esquerdo trazia os símbolos de sua Casa. Sabia que deviam ser da Casa dela, pois nenhum descendente do sangue domani abriria mão de seu imenso orgulho para usar os símbolos de outro. Uma atitude mais do que tola. Um homem vestindo um casaco de Shienar azul-celeste e com colarinho alto passou por ele comum olhar desconfiado, examinando-o da cabeça aos pés pelos buracos dos olhos da máscara. A postura do homem revelava que era um soldado: a posição de seus ombros, a maneira como seu olhar nunca se detinha em um ponto por muito tempo e o modo como sua mão parecia pronta para sacar uma espada que não estava ali: tudo indicava isso. O shienarano não perdeu muito tempo com aquele que chamava a si mesmo de Bors: ombros caídos e costas curvadas não constituíam ameaça. Aquele que chamava a si mesmo de Bors bufou com desdém quando o shienarano seguiu em frente, com o punho direito cerrado e o olhar distante, já estudando outros pontos em busca de perigo. Ele podia ler todos, perceber suas classes sociais e seus países. Distinguia mercadores e guerreiros, plebeus e nobres. Diferenciava pessoas de Kandor e Cairhien, Saldaea e Ghealdan. De cada nação e de quase todos os povos. Subitamente, franziu o nariz com nojo: havia até mesmo um latoeiro, usando calças verde-claras e um casaco amarelo tão brilhante que seus olhos chegavam a doer. Quando o Dia chegar, ficaremos muito bem sem essa gente. A maioria dos disfarçados não estava em melhor situação, a despeito de seus mantos e capuzes. Sob um manto escuro, ele podia ver as botas enfeitadas em prata de um Grão-lorde de Tear. Teve outro vislumbre de esporas douradas em forma de cabeça de leão, usadas apenas por altos oficiais da guarda da rainha andoriana. Um sujeito magro — magro até mesmo em seu manto negro que se arrastava pelo chão e em seu capuz cinza preso por um alfinete de prata sem adornos — observava das profundezas de seu capuz. Ele podia ser qualquer um, de qualquer lugar… a não ser pela estrela de seis pontas tatuada na pele entre o polegar e o indicador da mão esquerda. Era um homem do Povo do Mar, e uma rápida olhadela em sua mão revelaria as marcas de seu clã e de sua linhagem. O homem que chamava a si mesmo de Bors nem se deu ao trabalho. Seus olhos se estreitaram de súbito, fixando-se em uma mulher completamente envolta em negro, a não ser pelos dedos.

Na mão direita, ela usava um anel de ouro em forma de serpente que engolia a própria cauda. Era uma Aes Sedai, ou pelo menos uma mulher treinada em Tar Valon pelas Aes Sedai: ninguém mais usaria aquele anel. De qualquer maneira, não fazia diferença para ele. Desviou o olhar antes que ela notasse que a observava. Quase imediatamente, avistou outra mulher envolta empreto da cabeça aos pés com um anel da Grande Serpente. Nenhuma das bruxas deu sinal de que conhecia a outra. Elas se sentavam na Torre Branca como aranhas em uma teia, puxando os cordéis que faziam reis e rainhas dançarem, intrometendo-se em todos os assuntos. Malditas sejam todas, até a morte eterna! Ele percebeu que rangia os dentes. Se era preciso que os números diminuíssem, o que deveria acontecer antes do Dia, haveria alguns que fariam ainda menos falta que os Latoeiros. Um carrilhão soou, uma única nota arrepiante que vinha de todos os lugares ao mesmo tempo, silenciando todos os outros sons, como se cortados por uma faca. As portas altas do outro lado do aposento se abriram, e dois Trollocs entraram, usando cota de malha negra até os joelhos, decorada com ponteiras. Todos recuaram, até mesmo o homem que chamava a si mesmo de Bors. Com a cabeça e os ombros mais altos que o mais alto dos homens no recinto, os dois eram uma mistura repugnante de homem e animal, com rostos humanos retorcidos e alterados. Um deles tinha um bico grande e pontudo onde deveriam estar a boca e o nariz, e sua cabeça era coberta de penas em vez de cabelos. O outro caminhava sobre cascos, e tinha o rosto repuxado para a frente, formando um focinho peludo, e chifres de bode despontavam acima das orelhas. Ignorando os humanos, os Trollocs se voltaram para a porta e fizeram uma mesura servil. As penas do primeiro se eriçaram, formando uma crista rígida. Um Myrddraal passou pela porta entre os dois, que caíram de joelhos. A criatura estava vestida em um tom de preto que fazia a malha dos Trollocs e as máscaras dos humanos parecerem claras, e seus trajes pendiam imóveis, sem sofrerem uma ondulação sequer enquanto ele se movia com a graça de uma víbora. O homem que chamava a si mesmo de Bors sentiu-se mostrar os dentes, um movimento que era parte rosnado e — ele tinha vergonha de admitir até para si mesmo — parte careta de medo. O Myrddraal estava com o rosto descoberto: sua face pálida e pastosa era de homem, mas faltavam-lhe os olhos, o que o fazia parecer um verme em um túmulo. O rosto branco e liso se virou, parecendo analisá-los um a um, ao que parecia. Um tremor visível percorreu o ambiente sob o escrutínio daquele olhar sem olhos. Lábios finos e pálidos se contorceram no que poderia ter sido um sorriso quando, um a um, os mascarados tentaram se misturar à multidão, encolhendo-se para evitar aquele rosto. O olhar do Myrddraal fez com que formassem umsemicírculo voltado para a porta.

O homem que chamava a si mesmo de Bors engoliu em seco. Seu dia chegará, Meio-homem. Quando o Grande Senhor das Trevas voltar, escolherá seus novos Senhores do Medo, e você se curvará diante deles. Você se curvará diante dos homens. Diante de mim! Por que não fala? Pare de olhar para mim e fale! — Seu Mestre está chegando. — A voz do Myrddraal soava áspera, como a pele seca de uma cobra se desfazendo. — Deitem-se de barriga no chão, vermes! Rastejem, para que seu esplendor não os cegue nem queime! O ódio tomou conta do homem que chamava a si mesmo de Bors, tanto pelo tom de voz quanto pelas palavras, mas o ar acima do Meio-homem tremeluziu, e o real significado do que dizia foi compreendido. Não pode ser! Não pode…! Os Trollocs já estavam deitados de barriga no chão, contorcendo-se como se quisessem se enterrar. Sem esperar para conferir se mais alguém se movia, o homem que chamava a si mesmo de Bors se jogou no chão, grunhindo ao bater na pedra e se ferir. Palavras saíam de sua boca como um amuleto contra o perigo — eram, sim, um amuleto, embora um escudo frágil contra o que ele temia — e ele ouviu uma centena de outras vozes, arfantes de medo, falando as mesmas palavras para o chão. — O Grande Senhor das Trevas é meu Mestre, e eu o servirei de todo o coração, até os últimos resquícios de minha alma. — No fundo de sua mente, uma voz tagarelava, cheia de medo. O Tenebroso e todos os Abandonados estão presos… Estremecendo, ele a forçou a se calar. Abandonara aquela voz havia muito tempo. — Meu Mestre é o Mestre da morte. Sem nada pedir, eu sirvo, esperando o dia de sua chegada, mas sirvo na certeza e na esperança da vida eterna. — … Presos em Shayol Ghul, presos pelo Criador, no momento da criação. Não, eu sirvo a um mestre diferente agora. — É certo que os fiéis serão exaltados na terra, exaltados acima dos descrentes, exaltados acima dos tronos. Por ora, sirvo humildemente, aguardando o Dia de seu Retorno. — A mão do Criador abriga a todos, e a Luz nos protege da Sombra. Não, não! Um mestre diferente. —Logo chegará o Dia do Retorno. Logo chegará o Grande Senhor das Trevas para nos guiar e governar o mundo para todo o sempre. O homem que chamava a si mesmo de Bors terminou de enunciar o credo, ofegante como se tivesse corrido dez milhas.

O ruído de respiração irregular ao redor indicava que não era o único. — Levantem-se. Todos vocês, levantem-se. A voz melíflua o pegou de surpresa. É claro que nenhum de seus companheiros, todos deitados com a barriga no chão e os rostos mascarados colados no piso de cerâmica, teria ousado falar, mas aquela não era a voz que ele esperaria de… Com extrema cautela, levantou a cabeça apenas o suficiente para espiar com um dos olhos. A figura de um homem flutuava no espaço acima do Myrddraal, com a barra do manto vermelhosangue pairando a uma braça da cabeça do Meio-homem. A figura também usava uma máscara vermelha. Será que o Grande Senhor das Trevas apareceria a eles como um homem? E mascarado, além de tudo? No entanto, o Myrddraal, com uma expressão de puro terror, tremia e quase se encolhia, à sombra da figura. O homem que chamava a si mesmo de Bors se agarrou a uma resposta que sua mente era capaz de conter sem arrebentar: talvez fosse um dos Abandonados. O pensamento foi apenas um pouco menos doloroso. Mesmo assim, o fato de um dos Abandonados estar livre indicava que o Dia do Retorno do Tenebroso devia estar próximo. Os Abandonados, treze dos mais poderosos detentores do Poder Único, em uma Era repleta de detentores poderosos, forampresos em Shayol Ghul junto com o Tenebroso, isolados do mundo dos homens pelo Dragão e pelos Cem Companheiros. A energia ricocheteada pelo ato de isolamento maculara a metade masculina da Fonte Verdadeira, e todos os Aes Sedai homens, detentores amaldiçoados do Poder, enlouqueceram e destruíram o mundo, despedaçaram-no como um vaso de cerâmica jogado sobre um leito de rochas, encerrando a Era das Lendas antes de morrerem, apodrecendo ainda vivos. Fora uma morte adequada para um Aes Sedai, em sua opinião. Boa demais para eles. Só lamentou que as mulheres tivessem sido poupadas. Lenta e dolorosamente, ele forçou o pânico para o fundo da mente, confinou-o e o conteve lá, embora o sentimento lutasse para escapar. Era o melhor que podia fazer. Nenhum dos que estavam deitados de barriga no chão havia se levantado, e apenas alguns haviam ousado levantar a cabeça. — Levantem-se. — Dessa vez a voz da figura de máscara vermelha soou mais agressiva. Ele fez um gesto com ambas as mãos. — De pé! O homem que chamava a si mesmo de Bors se levantou depressa, desajeitado, mas hesitou na metade do movimento. As mãos que gesticularam estavam horrivelmente queimadas, com fissuras negras por toda a sua extensão, e a carne crua entre elas era tão vermelha quanto os mantos da figura. Será que o Tenebroso apareceria desse jeito? Ou mesmo um dos Abandonados? Os buracos dos olhos daquela máscara vermelho-sangue varreram lentamente o espaço, e ele se endireitou mais do que depressa quando passaram por ele.

Sentira o calor de uma fornalha aberta naquele olhar. Os outros obedeceram à ordem com a mesma falta de jeito e pavor. Quando todos estavam de pé, a figura flutuante falou novamente: — Sou conhecido por muitos nomes, mas o que vocês devem usar para se referir a mim é Ba’alzamon. O homem que chamava a si mesmo de Bors cerrou os dentes para impedi-los de baterem. Ba’alzamon. Na língua dos Trollocs, a palavra significava Coração das Trevas, e até mesmo os descrentes sabiam que aquele era o nome que os Trollocs davam para o Grande Senhor das Trevas. Aquele Cujo Nome Não Deve Ser Pronunciado. Aquele não era o verdadeiro nome, Shai’tan, mas ainda assim era proibido. Entre os que estavam ali reunidos e outros de sua espécie, macular qualquer um desses títulos com uma língua humana era blasfêmia. O ar passou por suas narinas comum assovio, e ele pôde ouvir que os outros ao redor também ofegavam por trás das máscaras. Os serviçais haviam partido, assim como os Trollocs, embora ele não os tivesse visto sair. — O lugar onde vocês estão fica à sombra de Shayol Ghul. Mais de um dos presentes no salão gemeu ao ouvir essas palavras, e o homem que chamava a si mesmo de Bors não tinha certeza de que não fora um deles. Um tom do que quase poderia ser chamado de escárnio transpareceu na voz de Ba’alzamon quando ele abriu bem os braços e continuou: — Não temam, pois o Dia em que seu Mestre dominará o mundo está quase chegando. O Dia do Retorno está próximo. Minha presença aqui, para ser visto por vocês, os poucos escolhidos dentre seus irmãos e irmãs, não é prova disso? Em breve, a Roda do Tempo será quebrada. Em breve, a Grande Serpente morrerá, e, com o poder dessa morte, a morte do próprio Tempo, seu Mestre recriará o mundo à sua imagem e semelhança, nesta Era e em todas as que virão. E aqueles que me servem, fiéis e diligentes, vão se sentar aos meus pés, acima das estrelas no céu, e governarão o mundo dos homens para sempre. Foi isso que prometi, e é assim que será, pela eternidade. Vocês viverão e reinarão para sempre. Um murmúrio de expectativa percorreu a multidão, e algumas pessoas até chegaram a dar umpasso à frente, na direção da figura vermelha flutuante, com os olhos erguidos em êxtase. Até mesmo o homem que chamava a si mesmo de Bors sentiu a atração daquela promessa, a promessa pela qual ele vendera sua alma uma centena de vezes. — O Dia do Retorno está próximo — continuou Ba’alzamon. — Mas ainda há muito o que fazer. Muito o que fazer.

O ar à esquerda de Ba’alzamon tremeluziu e se adensou, e a figura de um rapaz foi projetada ali, um pouco abaixo do Grande Senhor das Trevas. O homem que chamava a si mesmo de Bors não conseguiu perceber se aquilo era ou não um ser vivo. Era um camponês, a julgar por suas roupas, com um ar levemente matreiro nos olhos castanhos e um sorriso sutil nos lábios, como se estivesse se lembrando de uma peça que pregara ou estivesse na expectativa dela. A pele da figura parecia quente, mas seu peito não se movia com a respiração e seus olhos não piscavam. O ar à direita de Ba’alzamon bruxuleou como se houvesse uma lufada de ar quente, e uma segunda figura vestida com roupas de camponês surgiu, um pouco abaixo de Ba’alzamon. Era um jovem de cabelos encaracolados, musculoso como um ferreiro. E um detalhe estranho: trazia um machado de batalha pendurado em sua cintura, uma enorme meia-lua de aço com um cabo grosso. O homem que chamava a si mesmo de Bors se inclinou para a frente de súbito, ao reparar em algo ainda mais estranho. O jovem tinha olhos amarelos. Pela terceira vez, o ar assumiu a forma de um rapaz, dessa vez logo abaixo dos olhos de Ba’alzamon, quase a seus pés. Um sujeito alto, com olhos que mudavam de cor com a luz, ora acinzentados, ora quase azuis, e cabelos de um tom vermelho-escuro. Outro aldeão ou fazendeiro. O homem que chamava a si mesmo de Bors perdeu o fôlego: havia mais uma coisa fora do comum, embora ele se perguntasse por que deveria esperar que qualquer coisa ali fosse normal. Uma espada de duas mãos pendia do cinturão da figura, uma espada com uma garça de bronze na bainha e outra gravada no longo cabo. Um camponês com uma espada com a marca da garça? Impossível! O que isso significa? E um rapaz com olhos amarelos. Ele reparou que o Myrddraal encarava as figuras, tremendo, e, a menos que estivesse completamente enganado, o tremor não era mais de medo, e simde ódio. Um silêncio sepulcral havia caído sobre o ambiente, um silêncio que Ba’alzamon deixou se prolongar antes de prosseguir: — Há, agora, alguém que caminha pelo mundo, alguém que foi e que será, mas que ainda não é, o Dragão. Um murmúrio assustado percorreu a multidão. — O Dragão Renascido! Devemos matá-lo, Grande Senhor? — Isso veio do homem de Shienar, cuja mão ansiosa buscava a espada que deveria estar pendurada no cinturão. — Talvez — respondeu Ba’alzamon, simplesmente. — Talvez não. Talvez ele possa servir a meus propósitos. Mais cedo ou mais tarde, é o que acontecerá, nesta Era ou em outra. O homem que chamava a si mesmo de Bors pestanejou. Nesta Era ou em outra? Eu achava que o Dia do Retorno estava próximo.

O que me importa o que acontecerá em outra Era se eu envelhecer e morrer durante esta? Mas Ba’alzamon já voltara a falar. — Uma dobra começa a se formar no Padrão, um de muitos pontos em que aquele que será o Dragão poderá ser trazido para o meu lado. Precisa ser! Melhor que me sirva vivo do que morto, mas, vivo ou morto, ele deve me servir e assim fará! Vocês precisam conhecer estes três, pois cada um é um fio no padrão que eu pretendo tecer, e caberá a vocês cuidarem para que eles sejam dispostos de acordo com as minhas ordens. Estudem-nos bem, para serem capazes de reconhecê-los. Subitamente, o salão ficou em silêncio. O homem que chamava a si mesmo de Bors se mexeu, desconfortável, e viu outras pessoas fazerem o mesmo. Todos, menos a mulher de Illian, percebeu. Com as mãos abertas sobre o seio, como se para ocultar o busto arredondado, e os olhos arregalados, tanto assustada quanto em êxtase, ela assentia, ansiosa, como se para alguém bem na sua frente. Às vezes, ela parecia responder algo, mas o homem que chamava a si mesmo de Bors não ouvia uma palavra. De repente, ela arqueou as costas e começou a tremer, erguendo-se na ponta dos pés. Ele não entendia como ela não caía, a menos que algo invisível a estivesse segurando. Então, do mesmo modo repentino, ela voltou a ficar de pé e assentiu outra vez, fazendo uma mesura trêmula. No instante em que ela se endireitou, uma das mulheres com anel da Grande Serpente sobressaltou-se e passou a balançar a cabeça de modo afirmativo. Então cada um ouve suas próprias instruções, e ninguém ouve as do outro. O homem que chamava a si mesmo de Bors gemeu de frustração. Se soubesse as ordens recebidas por uma só pessoa ali, poderia usar a informação em proveito próprio, mas desse jeito… Impaciente, ele esperou pela sua vez, distraindo-se o suficiente para permanecer ereto. Um a um, os membros da reunião receberam suas ordens, todos em silêncio, mas fornecendo pistas que seriam interessantíssimas caso ele conseguisse decifrá-las. O homem dos Atha’an Miere, o Povo do Mar, enrijeceu-se, relutante, ao assentir. O shienarano mantinha uma postura que deixava transparecer sua confusão, apesar dos gestos de anuência. A segunda mulher de Tar Valon sobressaltou-se, como se levasse um choque, e depois a figura envolta em cinza, cujo sexo ele não conseguia determinar, balançou a cabeça antes de cair de joelhos e assentir vigorosamente. Alguns tiveram as mesmas convulsões que a mulher de Illian, como se fosse a dor que os levantasse e os fizesse ficar nas pontas dos pés. — Bors. O homem que chamava a si mesmo de Bors sobressaltou-se quando uma máscara vermelha preencheu seu campo de visão. Ele ainda podia ver o aposento, ainda via a forma flutuante de Ba’alzamon e as três figuras à sua frente, mas, ao mesmo tempo, tudo o que podia enxergar era a máscara vermelha. Zonzo, ele sentiu como se estivessem partindo seu crânio ao meio e espremendo seus olhos para fora da cabeça.

Por um momento, achou que podia ver chamas por entre os buracos dos olhos da máscara vermelha. — Você é fiel… Bors? O vestígio de sarcasmo da voz ao pronunciar o nome fez com que um calafrio percorresse suas costas. — Sou fiel, Grande Senhor. Não posso esconder isso do senhor. — Eu sou fiel! Juro! — Não, não pode. A certeza na voz de Ba’alzamon fez sua boca ficar seca, mas ele se obrigou a falar. — Ordene, Grande Senhor, e eu obedecerei. — Em primeiro lugar, você deverá retornar a Tarabon e continuar com suas boas obras. Na verdade, ordeno que redobre seus esforços. Ele encarou Ba’alzamon, atônito, mas as chamas voltaram a explodir por trás da máscara, e ele fez uma mesura para ter uma desculpa para desviar os olhos. — Como ordenar, Grande Senhor, assim será. — Em segundo lugar, você ficará alerta para o caso de os três rapazes aparecerem e mandará seus seguidores fazerem o mesmo. Esteja avisado: eles são perigosos. O homem que chamava a si mesmo de Bors olhou de relance para as figuras que flutuavam à frente de Ba’alzamon. Como poderei fazer isso? Posso vê-los, mas não consigo enxergar nada a não ser o rosto dele. Sua cabeça parecia prestes a explodir. O suor deixava suas mãos escorregadias sob as luvas finas, e sua camisa grudava nas costas. — Perigosos, Grande Senhor? Camponeses? Será um deles o…? — Uma espada é perigosa para o homem que está na outra ponta, mas não para o que segura o cabo. A não ser que o homem com a espada seja tolo, descuidado ou despreparado: nesse caso, o risco é duas vezes maior para ele do que para qualquer outro. Já basta que eu tenha lhe dito para conhecê-los. Já basta que você me obedeça. — Como ordenar, Grande Senhor, assim será. — Por último, em relação àqueles que desembarcaram na Ponta de Toman e os domaneses: você não falará sobre isso com ninguém. Quando retornar a Tarabon… O homem que chamava a si mesmo de Bors percebeu, enquanto ouvia, que estava boquiaberto. As instruções não faziam sentido.

Se soubesse as ordens que alguns dos outros receberam, talvez eu pudesse encaixar as peças. De repente, sentiu como se sua cabeça tivesse sido agarrada por uma mão gigante que esmagava suas têmporas e o levantava, e o mundo explodiu em mil fragmentos de estrela, cada clarão de luz se tornando uma imagem que atravessou sua mente ou saiu voando, desaparecendo ao longe antes que ele pudesse absorvê-lo. Um céu impossível, com nuvens listradas, vermelhas, amarelas e pretas, passando depressa, como se carregadas pelo vento mais forte que o mundo já vira. Uma mulher — ou seria uma menina? — vestida de branco adentrou a escuridão e desapareceu tão logo surgiu. Umcorvo o olhou nos olhos, reconhecendo-o, e sumiu. Um homem de armadura e um elmo brutos, pintados de dourado e na forma de um inseto monstruoso e venenoso, ergueu uma espada e investiu contra algo fora de seu campo de visão. Uma trombeta curva e dourada surgiu velozmente, de muito longe. Ela tocava uma nota dissonante enquanto disparava em sua direção, atraindo sua alma comforça. No último instante, ela se acendeu em um anel de luz dourado que passou por ele e o cegou, gelando seu corpo com um frio além da morte. Um lobo saltou das sombras de sua visão perdida e rasgou sua garganta. Ele não conseguiu gritar. A torrente continuou, afogando-o, soterrando-o. Ele mal conseguia se lembrar de quem era ou do que era. Dos céus, chovia fogo, e a lua e as estrelas caíram. Corria sangue nos rios, e os mortos caminhavam. A terra se abriu e rocha derretida começou a jorrar… O homem que chamava a si mesmo de Bors viu que estava quase agachado em meio à multidão, e a maioria dos olhos se voltava para ele, em silêncio. Para onde quer que olhasse, para cima, para baixo ou em qualquer direção, o rosto mascarado de Ba’alzamon invadia seu campo de visão. As imagens que haviam inundado sua mente estavam se desvanecendo, e ele tinha certeza de que muitas já haviam desaparecido de sua memória. Hesitante, ele se endireitou, com Ba’alzamon sempre à frente. — Grande Senhor, o quê…? — Algumas ordens são importantes demais para que sejam conhecidas, mesmo por aquele que as executa. O homem que chamava a si mesmo de Bors quase dobrou seu corpo em profunda reverência. — Como ordenar, Grande Senhor — murmurou, rouco. — Assim será. Quando se endireitou, estava sozinho no silêncio mais uma vez. Outra pessoa, o Grão-lorde de Tairen, assentia e fazia mesuras para alguém que ninguém mais via.

O homem que chamava a si mesmo de Bors levou uma das mãos trêmulas à testa, tentando reter um pensamento que invadira sua mente, embora não estivesse inteiramente certo de que queria se lembrar. O último fragmento se desvaneceu, e, de súbito, ele se perguntou o que tentava recordar. Sei que havia algo, mas o quê? Havia algo! Não havia? Esfregou as mãos, fazendo uma careta ao sentir o suor sob as luvas, e voltou sua atenção para as três imagens suspensas diante da figura flutuante de Ba’alzamon. O jovem musculoso de cabelos encaracolados, o fazendeiro com a espada e o rapaz com olhar matreiro. Em sua mente, o homem que chamava a si mesmo de Bors os batizara de Ferreiro, Espadachim e Trapaceiro. Onde se encaixam no quebra-cabeças? Eles deviam ser importantes, ou não seriam o principal assunto da reunião. Mas apenas as ordens que recebera já eram suficientes para causar a morte de todos, e precisava considerar que alguns dos outros, pelo menos, tinhamordens tão letais quanto as dele para os três. Qual a importância deles? Os olhos azuis podiamindicar a nobreza de Andor — coisa improvável com aquelas roupas — e havia gente nas Terras da Fronteira com olhos claros, assim como algumas pessoas de Tairen, isso para não mencionar uns poucos de Ghealdan. E, é claro… Não, isso não ajudaria em nada. Mas olhos amarelos? Quem são eles? O que são eles? Sobressaltou-se ao sentir alguém tocar seu braço, e, quando olhou ao redor, deparou-se com um dos serviçais de branco, um rapaz de pé ao seu lado. Os outros também haviam voltado, em número ainda maior do que antes, um para cada mascarado. Ele piscou. Ba’alzamon havia partido. O Myrddraal também, e no lugar da porta que ele usara antes havia apenas uma parede de pedra. Sentiu-se observado. — Se for de seu agrado, Lorde Bors, vou levá-lo a seu quarto.

.

Baixar PDF

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Baixar Livros Grátis em PDF | Free Books PDF | PDF Kitap İndir | Telecharger Livre Gratuit PDF | PDF Kostenlose eBooks | Descargar Libros Gratis |