| Books | Libros | Livres | Bücher | Kitaplar | Livros |

A rosa de Hiroshima – Vinicius de Moraes

ILHA DO GOVERNADOR Esse ruído dentro do mar invisível são barcos passando Esse ei-ou que ficou nos meus ouvidos são os pescadores esquecidos Eles vêm remando sob o peso de grandes mágoas Vêm de longe e murmurando desaparecem no escuro quieto. De onde chega essa voz que canta a juventude calma? De onde sai esse som de piano antigo sonhando a Berceuse? Por que vieram as grandes carroças entornando cal no barro molhado? Os olhos de Susana eram doces mas Eli tinha seios bonitos Eu sofria junto de Susana — ela era a contemplação das tardes longas Eli era o beijo ardente sobre a areia úmida. Eu me admirava horas e horas no espelho. Um dia mandei: “Susana, esquece-me, não sou digno de ti — sempre teu…” Depois, eu e Eli fomos andando… — ela tremia no meu braço Eu tremia no braço dela, os seios dela tremiam A noite tremia nos ei-ou dos pescadores… Meus amigos se chamavam Mário e Quincas, eram humildes, não sabiam Com eles aprendi a rachar lenha e ir buscar conchas sonoras no mar fundo Comigo eles aprenderam a conquistar as jovens praianas tímidas e risonhas. Eu mostrava meus sonetos aos meus amigos — eles mostravam os grandes olhos abertos E gratos me traziam mangas maduras roubadas nos caminhos. Um dia eu li Alexandre Dumas e esqueci os meus amigos. Depois recebi um saco de mangas Toda a afeição da ausência… Como não lembrar essas noites cheias de mar batendo? Como não lembrar Susana e Eli? Como esquecer os amigos pobres? Eles são essa memória que é sempre sofrimento Vêm da noite inquieta que agora me cobre. São o olhar de Clara e o beijo de Carmem São os novos amigos, os que roubaram luz e me trouxeram. Como esquecer isso que foi a primeira angústia Se o murmúrio do mar está sempre nos meus ouvidos Se o barco que eu não via é a vida passando Se o ei-ou dos pescadores é o gemido de angústia de todas as noites? MARINHA Na praia de coisas brancas Abrem-se às ondas cativas Conchas brancas, coxas brancas Águas-vivas. Aos mergulhares do bando Afloram perspectivas Redondas, se aglutinando Volitivas. E as ondas de pontas roxas Vão e vêm, verdes e esquivas Vagabundas, como frouxas Entre vivas! SONETO A KATHERINE MANSFIELD O teu perfume, amada — em tuas cartas Renasce, azul… — são tuas mãos sentidas! Relembro-as brancas, leves, fenecidas Pendendo ao longo de corolas fartas. Relembro-as, vou… nas terras percorridas Torno a aspirá-lo, aqui e ali desperto Paro; e tão perto sinto-te, tão perto Como se numa foram duas vidas. Pranto, tão pouca dor! tanto quisera Tanto rever-te, tanto!… e a primavera Vem já tão próxima!… (Nunca te apartas Primavera, dos sonhos e das preces!) E no perfume preso em tuas cartas À primavera surges e esvaneces. Rio, 1937 SINOS DE OXFORD Cantai, sinos, sinos Cantai pelo ar Que tão puros, nunca Mais ireis cantar Cantai leves, leves E logo vibrantes Cantai aos amantes E aos que vão amar. Levai vossos cantos Às ondas do mar E saudai as aves Que vêm de arribar Em bandos, em bandos Sozinhas, do além Oh, aves! ó sinos Arribai também! Sinos! dóceis, doces Almas de sineiros Brancos peregrinos Do céu, companheiros Indeléveis! rindo Rindo sobre as águas Do rio fugindo… Consolai-me as mágoas! Consolai-me as mágoas Que não passam mais Minhas pobres mágoas De quem não tem paz. Ter paz… tenho tudo De bom e de bem… Respondei-me, sinos: A morte já vem? BALADA DA PRAIA DO VIDIGAL A lua foi companheira Na praia do Vidigal Não surgiu, mas mesmo oculta Nos recordou seu luar Teu ventre de maré-cheia Vinha em ondas me puxar Eram-me os dedos de areia Eram-te os lábios de sal. Na sombra que ali se inclina Do rochedo em miramar Eu soube te amar, menina Na praia do Vidigal… Havia tanto silêncio Que para o desencantar Nem meus clamores de vento Nem teus soluços de água. Minhas mãos te confundiam Com a fria areia molhada Vencendo as mãos dos alísios Nas ondas da tua saia. Meu olhos baços de brumas Junto aos teus olhos de alga Viam-te envolta de espumas Como a menina afogada. E que doçura entregar-me Àquela mole de peixes Cegando-te o olhar vazio Com meu cardume de beijos! Muito lutamos, menina Naquele pego selvagem Entre areias assassinas Junto ao rochedo da margem. Três vezes submergiste Três vezes voltaste à flor E te afogaras não fossem As redes do meu amor. Quando voltamos, a noite Parecia em tua face Tinhas vento em teus cabelos Gotas d’agua em tua carne. No verde lençol da areia Um marco ficou cravado Moldando a forma de um corpo No meio da cruz de uns braços. Talvez que o marco, criança Já o tenha lavado o mar Mas nunca leva a lembrança Daquela noite de amores Na praia do Vidigal. SONETO DE LONDRES Que angústia estar sozinho na tristeza E na prece! que angústia estar sozinho Imensamente, na inocência! acesa A noite, em brancas trevas o caminho Da vida, e a solidão do burburinho Unindo as almas frias à beleza Da neve vã; oh, tristemente assim O sonho, neve pela natureza! Irremediável, muito irremediável Tanto como essa torre medieval Cruel, pura, insensível, inefável Torre; que angústia estar sozinho! ó alma Que ideal perfume, que fatal Torpor te despetala a flor do céu? Londres, 1939

.

.

Baixar PDF

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Baixar Livros Grátis em PDF | Free Books PDF | PDF Kitap İndir | Telecharger Livre Gratuit PDF | PDF Kostenlose eBooks | Descargar Libros Gratis |