| Books | Libros | Livres | Bücher | Kitaplar | Livros |

A Sabedoria do Padre Brown – G.K. Chesterton

O escritório do Dr. Orion Hood, eminente criminologista e especialista em certos problemas de ordem moral, situava-se à beira-mar, em Scarborough. Uma série de grandes janelas envidraçadas e bem iluminadas davam para o Mar do Norte como se este fora uma parede externa, sem fim, de mármore verde-azul. Nesse lugar o mar tinha algo da monotonia de uma decoração invariavelmente verde-azul. As próprias salas eram dominadas por um terrível vazio semelhante ao vazio do mar. Não se pode com isso dizer que as salas do Dr. Hood fossem despidas de luxo e poesia. Luxo e poesia lá estavam, no seu devido lugar; tinha-se, porém, a impressão de que nunca lhes era permitido sair de seus devidos lugares. Luxo havia: sobre uma mesa especial, oito ou dez caixas dos melhores charutos, mas dispostos em ordem, os mais fortes sempre mais perto da parede e os mais fracos junto à janela. Um armário, contendo três espécies do que havia de melhor em bebidas, ficava sempre sobre aquela luxuosa mesa; mas o fantasista garantiria que o uísque, o conhaque e o rum iriampermanecer sempre no mesmo nível em que estavam. Havia poesia: o canto à esquerda da sala estava tão coberto de uma série de clássicos ingleses, quanto o lado direito de fisiologistas ingleses e estrangeiros. Mas, se apanhássemos um volume de Chaucer ou Shelley daquela fila, sua ausência irritava a mente como a falta de um dente frontal de uma pessoa. Não se podia dizer que os livros nunca tivessem sido lidos; provavelmente, o tivessem, mas a impressão era de que estavam presos à seus lugares, como as Bíblias nas igrejas antigas. O Dr. Hood tratava sua biblioteca particular como se fosse uma biblioteca pública. E, se essa rigorosa intangibilidade científica chegava até as prateleiras de poesias líricas e de baladas, passando pelas mesas cheias de bebidas e de fumo, nem é preciso dizer que, com muito mais intensidade essa mística pagã protegia as demais prateleiras, onde se encontrava a biblioteca do especialista, e as outras mesas que sustentavam os frágeis e mesmo maravilhosos instrumentos de química ou de mecânica. Orion Hood percorria passo a passo a extensão de sua série de salas, limitadas, como dizem os manuais de geografia, a leste pelo Mar do Norte e a oeste pelas fileiras compactas de sua biblioteca sócio-criminológica. Embora vestido num terno de veludo artístico, faltava-lhe aquela negligência típica de um artista; seu cabelo, bastante matizado de cinza, era abundante e saudável; no rosto magro, mas sangüíneo, um olhar inquieto e observador. Tudo em torno dele e de sua sala sugerida algo ao mesmo tempo austero e agitado, como o grande Mar do Norte, junto ao qual construíra (por meros princípios de higiene) sua casa. Talvez tenha sido o destino que, divertido, naquele momento batesse à porta para introduzir naquelas salas compridas e austeras, com janelas voltadas para o mar, uma pessoa que talvez fosse o oposto mais surpreendente de tudo isso e de seu dono. Em resposta a uma ordem breve, mas educada, a porta se abriu e por ela entrou, caminhando desajeitadamente, um tipo pequeno e deselegante, que parecia achar seu próprio chapéu e guarda-chuva tão incomodativos como um amontoado de bagagens. O guarda-chuva era um feixe preto e prosaico que há muito tempo pedia conserto; o chapéu também preto, de abas largas e recurvadas, eclesiástico, mas de um tipo não muito comum na Inglaterra; o homem era a própria encarnação de tudo que é desgracioso e insólito. O médico observou o recém-chegado com um espanto mal contido, não muito diferente do que teria demonstrado se algum animal marinho imenso, muito embora inofensivo, se tivesse arrastado até seu consultório. O recém-chegado olhou para o médico com aquela cordialidade ofegante, mas satisfeita, típica da doméstica bem gorda que acaba de conseguir um lugar num ônibus na hora do rush. Seu chapéu caiu no tapete, o pesado guarda-chuva escorregou entre seus joelhos com um baque; apanhou um e abaixou-se para apanhar o outro.


Ao mesmo tempo, com um sorriso inalterado em seu rosto redondo, começou a falar: Chamo-me Brown. Queira desculpar-me. Vim tratar do negócio das MacNabs. Ouvi dizer que o senhor muitas vezes ajuda as pessoas a resolver problemas dessa espécie. Perdoe-me se me engano. Naquele momento, já tinha conseguido apanhar o chapéu e, inclinado sobre ele, o examinava como a verificar se tudo estava em ordem. Não o compreendo — respondeu o cientista, frio e visivelmente insensível. — Lamento que o senhor tenha errado a porta. Sou o Dr. Hood e meu trabalho é essencialmente literário e educacional. É verdade que às vezes tenho sido consultado pela polícia, mas só em casos de importância e de dificuldades especiais, porém… Oh, este é da maior importância — interrompeu o homenzinho chamado Brown. — Pois a mãe dela não quer permitir o casamento. E recostou-se em sua cadeira em estado de radiante racionalidade. Dr. Hood contraíra o cenho sombriamente, mas seus olhos brilhavam com algo que tanto poderia ser raiva como divertimento. Mesmo assim — disse —, ainda não compreendo. Olha, eles se querem casar — afirmou o homem de chapéu eclesiástico. — Maggie MacNab e o jovem Todhun – eles querem casar-se. Pode haver algo mais importante do que isso? Os grandes triunfos científicos de Orion Hood tinham-no privado de muitas coisas, uns diziam de sua saúde, outros de seu Deus; mas não o tinham despojado de seu senso de absurdo. Ao último argumento do padre simplório, explodiu num riso há muito reprimido, jogando-se numa poltrona numa atitude irônica de médico consultado sem motivo. Mr. Brown — disse, tornando-se novamente sério —, há quatorze anos e meio fui solicitado a resolver um problema pessoal. Foi o caso da tentativa de envenenamento do Presidente francês em um banquete oferecido pelo Prefeito de Londres. Agora, seu caso, segundo posso compreender, é se uma amiga sua chamada Maggie é ou não a esposa ideal para o namorado dela chamado Todhunter. Bem, Mr.

Brown, sou um esportista. Vou entrar no negócio. Darei à família MacNab meu melhor conselho, tão bom como o que dei à República francesa e ao rei da Inglaterra. Talvez, melhor ainda, pois são mais quatorze anos de experiência. Não tenho nada para fazer esta tarde. Conte-me sua estória. O pequeno clérigo chamado Brown agradeceu-lhe com evidente entusiasmo, embora conservasse ainda uma estranha espécie de simplicidade. Era mais como se estivesse agradecendo a um estranho, numa sala de fumar, pelo obséquio de lhe ter emprestado o fósforo, do que como se estivesse (como de fato estava) praticamente agradecendo ao conservador dos Kew Gardnes por vir com ele a umcampo para descobrir um trevo de quatro folhas. Quase sem fazer uma pausa depois de seus agradecimentos cordiais, o homenzinho começou sua narração: Disse-lhe que me chamo Brown, mais precisamente, sou o padre daquela igrejinha católica que suponho o senhor tenha visto além daquelas ruas irregulares, onde termina a cidade, na direção norte. Na última e mais irregular daquelas ruas que se estendem ao longo do mar como se fossem um cais, mora uma alma honesta, ou melhor, rigorosa, de meu rebanho. Trata-se de uma viúva chamada MacNab que tem uma filha e aluga cômodos. E entre ela e a filha e entre ela e os inquilinos, bem, tenho de dizer que muita coisa devia ser dita de ambos os lados. Atualmente tem apenas um inquilino, o jovem chamado Todhunter; mas esse tem dado mais problemas do que todos os demais, pois quer casar-se com a moça da casa. E a moça da casa — perguntou Hood, divertindo-se no seu íntimo —, que diz ela? Bem, quer casar-se com ele — exclamou o padre Brown, ajeitando-se impacientemente na cadeira. — Aí é que está a grande complicação. É realmente um terrível enigma… — disse o Dr. Orion Hood. O jovem Todhunter — continuou o padre — parece ser um moço muito correto, mas nunca se sabe. É inteligente. Um tipo baixo, ágil como um macaco, de pele bem tratada como um ator e educado como umcortesão. Parece ter bastante dinheiro, mas ninguém sabe qual é o seu ramo de negócio. A senhora MacNab, que é de temperamento pessimista, tem certeza, por isso mesmo, de que se trata de algo escuso, provavelmente ligado a dinamite, que deve ser fraca e silenciosa, pois o pobre sujeito se isola durante várias horas, do dia, estudando algo, trancado em seu quarto. Afirma que seu isolamento é temporário e justificado, prometendo explicá-lo antes do casamento. É tudo que se sabe ao certo, mas a senhora MacNab lhe contará muito mais além do que tem certeza. O senhor sabe que as estórias crescem como a relva, num lugar ignorante como aquele.

Fala-se de duas vozes ouvidas conversando no quarto, embora, aberta a porta, Todhunter fosse encontrado só. Há estórias de um homem alto, de cartola de seda, que uma vez ao lusco-fusco surgiu da névoa marítima, aparentemente do próprio mar, e, atravessando tranqüilamente a praia e o pequeno quintal, foi ouvido conversando com o inquilino, junto à janela aberta. O colóquio pareceu terminar numa discussão. Todhunter fechou a janela com violência e o homem de cartola misturou-se de novo com o nevoeiro do mar. Essa estória é contada pela família com a mais aterradora mistificação; mas acho realmente que a senhora MacNab prefere sua própria versão original da estória: o Outro Homem, ou coisa que o valha, sai toda noite de uma grande caixa, que fica fechada durante o dia todo, no canto do quarto. O senhor vê, portanto, que a porta fechada do quarto de Todhunter é tratada como se fosse o portão de todas as fantasias e monstruosidades das “Mil e Uma Noites”. E, apesar de tudo, ali está umsujeitinho, num respeitável terno preto, tão pontual e inocente como um relógio de sala. Paga pontualmente seu aluguel; é praticamente abstêmio, sempre bondoso com as crianças e capaz de mantê-las entretidas durante todo um dia. Por fim, o que é mais importante de tudo, tornou-se igualmente popular com a filha mais velha, que está disposta a casar-se com ele amanhã. Um homem profundamente interessado em quaisquer grandes teorias tem sempre atrativo por aplicálas em alguma trivialidade. O grande especialista, tendo condescendido com a simplicidade do padre, o fez generosamente. Refestelado em sua poltrona confortável, começou a falar no tom de conferencista distraído: — Até num caso insignificante, o melhor é apreciar, primeiro, as tendências principais da Natureza. Uma determinada flor pode não estar morta no início do inverno, embora as flores estejammoribundas; um determinado seixo pode nunca ser molhado pela onda, mas a onda está chegando. Aos olhos do cientista, toda a história humana é uma série de movimentos coletivos, de destruições ou migrações, como o massacre das moscas no inverno ou a volta dos pássaros na primavera. Ora, o fato radical de toda história é a raça. A raça produz a religião, a raça produz guerras legítimas e éticas. Não há exemplo mais forte do que o do povo rude, espiritual e abnegado que comumente chamamos de celta, do qual descendem seus amigos MacNab. Pequenos, trigueiros e portadores desse sangue sonhador, aceitam, facilmente, a explicação supersticiosa de quaisquer incidentes, do mesmo modo como aceitarão, perdoe-me a franqueza, aquela explicação supersticiosa de todos os incidentes que o senhor e sua igreja apresentam. Não é de admirar que essas pessoas, com o mar rugindo atrás delas e a Igreja, desculpe-me mais uma vez, com sua lengalenga a sua frente, criemaspectos fantásticos para fatos provavelmente simples. O senhor, com apenas suas pequenas responsabilidades paroquiais, vê somente essa senhora MacNab, atormentada com essa determinada estória de duas vozes e do homem alto que sai do mar. Mas o homem com imaginação científica vê, por assim dizer, todos os clãs de MacNab espalhados pelo mundo, tão uniformes em sua média final, como um bando de pássaros. Vê milhares de senhoras MacNabs, em milhares de casas, despejando sua pequena gota de morbidez nas taças de chá de seus amigos. Vê… Antes que o cientista pudesse concluir sua sentença, outros chamados, desta vez impacientes, vieramdo lado de fora; alguém com uma saia farfalhante foi conduzida apressadamente pelo corredor e a porta se abriu para uma jovem, decentemente vestida, mas desordenada e excitada pela pressa. Tinha cabelos louros entufados pelo vento do mar e poderia ser considerada toda bela, não fossem as maçãs de seu rosto, à maneira escocesa, um pouco salientes demais e intensas na cor. Sua desculpa foi quase tão brusca como uma ordem.

– Lamento interrompê-lo, senhor — disse ela —, mas tive de seguir o padre Brown imediatamente; é nada mais nada menos, uma questão de vida ou de morte. O padre começou a levantar-se desajeitadamente. O que foi que aconteceu, Maggie? — perguntou. James foi assassinado, pelo que posso concluir — respondeu a moça, ainda ofegante pela corrida. —O homem Glass esteve com ele novamente. Eu os ouvi perfeitamente conversando, através da porta. Duas vozes distintas, pois James falava baixo, meio engrolado, e a outra voz era alta e trêmula. Que homem Glass é esse? — perguntou o padre Brown perplexo. Sei que se chama Glass — respondeu a moça com impaciência. — Ouvi através da porta. Estavamdiscutindo… sobre dinheiro, acho, pois ouvi James repetir “está bem, Mr. Glass”, ou, “não, Mr. Glass” e então, “dois ou três, Mr. Glass”. Mas estamos falando demais; o senhor precisa vir imediatamente e talvez haja ainda tempo. Tempo para quê? — perguntou o cientista, que estivera estudando a jovem com profundo interesse. — O que há com esse Mr. Glass e suas dificuldades monetárias que exijam tanta pressa? Tentei abrir a porta, mas não pude — respondeu a moça apressadamente. — Então rodeei o quintal e consegui subir até a soleira da janela do quarto. Estava tudo escuro e parecia vazio, mas juro que vi James estendido e enrolado num canto, como se tivesse sido drogado ou estrangulado. Isso é muito grave — disse o padre, juntando o chapéu e o guarda-chuva espalhados e se levantando. — Estava acabando de expor seu caso a esse senhor, e seu ponto de vista… Foi muito alterado — cortou o cientista gravemente. — Não acho que esta jovem seja tão céltica como eu pensava. Como não tenho mais nada a fazer, vou pôr meu chapéu e acompanhá-los à cidade. Poucos minutos depois, os três se aproximavam da melancólica extremidade da rua dos MacNabs: a jovem com o passo firme e agitado de montanhesa, o criminologista com o ar indolente (que não era destituído de uma certa agilidade do leopardo) e o padre num trote vigoroso inteiramente desprovido de distinção.

O aspecto dessa parte da cidade não era inteiramente sem justificativa para as alusões do médico sobre atmosfera e ambientes desolados. As casas dispersas se afastavam cada vez mais, numa fila interrompida, ao longo da costa; a tarde estava chegando ao fim com um crepúsculo prematuro e em parte sombrio; o mar, roxo-escuro, sussurrava sinistramente. No quintal irregular dos MacNabs, que descia para a praia, duas árvores escuras, aparentemente improdutivas, pareciammãos do demônio levantadas de assombro e, quando a senhora MacNab desceu a rua correndo para encontrar-se com eles, com as mãos magras estendidas e expressão sombria, ela própria pareceu umdemônio. O médico e o padre quase não prestaram atenção a suas estridentes reiterações da estória de sua filha, com seus detalhes pessoais mais perturbadores, unidos aos votos de vingança repartidos contra Mr. Glass pelo assassinato, contra Mr. Todhunter por ser assassinado, ou por ter ousado querer desposar sua filha e não ter vivido para o fazer. Passaram através do corredor estreito diante da casa até que chegaram à porta do inquilino, no fundo, onde o Dr. Hood, com a experiência de velho detetive, atirou-se de ombro contra a almofada da porta, arrombando-a. A porta se abriu para um cenário de indiscutível catástrofe. Quem o visse, mesmo de relance, não podia duvidar de que o quarto fora palco de luta entre duas ou, talvez, mais pessoas. Cartas de baralho jogadas em cima da mesa, outras espalhadas no chão, como se um jogo tivesse sido interrompido. Dois copos de vinho estavam preparados numa mesinha lateral, mas um terceiro jazia quebrado como uma estrela de cristal sobre o tapete. A poucos passos dali, algo que parecia uma faca comprida ou uma espada curta, mas com um punho ornamental ou pintado; sua lâmina fosca mal refletida a pouca luz da janela sombria que mostrava as árvores negras contra a superfície plúmbea do mar. Do outro lado do quarto uma cartola de seda rolara no chão como se tivesse sido arrancada da cabeça de alguém; tal era a sua posição que quase se tinha a impressão de que estivesse ainda rolando. No canto atrás da cartola, atirado como um saco de batatas, mas amarrado como umdormente de estrada de ferro, jazia Mr. James Todhunter, com um cachecol na boca e os braços e os pés fortemente amarrados com cordas. Seus olhos castanhos estavam vivos e se mexiam atentamente. O Dr. Orion Hood fez uma pequena pausa junto à entrada do quarto e absorveu todo o cenário de surda violência. Em seguida, atravessando rapidamente o tapete, apanhou o chapéu de seda e o colocou gravemente na cabeça de Todhunter ainda manietado. Era tão excessivamente grande para ele que quase desceu até seus ombros. O chapéu de Mr. Glass — disse o médico, voltando com ele e o examinando por dentro com uma lente de bolso. — Como explicar a ausência de Mr. Glass e a presença do chapéu de Mr.

Glass? Pois Mr. Glass não é pessoa descuidada com suas roupas. Este chapéu é estilizado, sistematicamente escovado e limpo, embora não seja muito novo. Um velho janota, diria. Mas, ora essa — gritou Miss MacNab —, não vão soltar primeiro o moço? Eu digo “velho” de propósito, embora não com certeza — continuou o médico. — A razão disso poderia parecer de pouco alcance. O cabelo dos seres humanos cai em diversas etapas, mas quase sempre cai lentamente. Ora, com a lente, eu deveria encontrar pequenos fios de cabelo num chapéu recentemente usado. Não tem nenhum, o que me leva a crer que Mr. Glass seja calvo. Acrescente-se a isso a voz queixosa e alta que Miss MacNab descreveu tão vivamente… paciência, minha cara jovem, paciência… uma cabeça calva e o tom comum de ira senil, me levariam a deduzir algumprogresso nos anos. Não obstante, é provavelmente vigoroso e quase certamente alto. Poder-se-ia apoiar até certo ponto na estória de seu aparecimento anterior junto à janela, como um homem alto de chapéu de seda, mas acho que tenho um indício mais exato. Esse copo de vinho foi quebrado no lugar, mas um de seus estilhaços está em cima da arandela ao lado do consolo da lareira. Nenhum fragmento poderia ter caído ali se o vidro tivesse sido quebrado na mão de um homem relativamente baixo como Mr. Todhunter. A propósito interrompeu-o o padre Brown —, não seria interessante soltar Mr. Todhunter? Nossa lição de copos quebrados não termina aqui — continuou o especialista. — Posso afirmar, logo, que é possível que o homem Glass fosse calvo ou nervoso mais por dissipação que mesmo por idade. Mr. Todhunter, como foi observado, é um cavalheiro bem comportado e econômico, essencialmente abstêmio. Essas cartas e copos de vinho não fazem parte de seus hábitos normais; foram trazidos por algum companheiro. Mas, como acontece, podemos ir adiante. Mr. Todhunter pode ou não possuir este serviço de vinho.

O que, então, conteriam esses copos? Eu sugeriria imediatamente um pouco de conhaque ou de uísque, talvez de alguma marca de luxo, de um frasco no bolso de Mr. Glass. Temos, assim, algo semelhante ao retrato falado do homem, ou pelo menos do seu tipo, alto, idoso, bem vestido, embora a roupa um tanto gasta, que certamente gosta de bebidas e de jogo; talvez goste demais disso. Mr. Glass não é cavalheiro desconhecido nas orlas da sociedade. Olhem aqui — gritou a jovem —, se não me deixarem soltá-lo, irei correndo chamar a polícia. Eu não a aconselharia, Miss MacNab — disse-lhe Hood gravemente —, a ir logo atrás da polícia. Padre Brown, peço-lhe seriamente que contenha sua ovelha, por causa deles e não por minha causa. Bem, vimos alguma coisa da imagem e qualidade de Mr. Glass; agora, quais são os fatos principais sobre Mr. Todhunter? São substancialmente três: econômico, mais ou menos rico e possui um segredo. Ora, aí estão, sem sombra de dúvida, as três principais características do homem que é chantageado. E é igualmente óbvio que a indumentária espalhafatosa, os hábitos libertinos e a estridente irritação de Mr. Glass são marcas insofismáveis da espécie de homem que o chantageia. Temos as duas figuras típicas de uma tragédia do suborno: de um lado, o homem respeitável com um mistério; do outro, o abutre do bairro aristocrático de Londres com o faro de mistério. Esses dois homens se encontraram aqui hoje e brigaram, usando socos e um punhal. O senhor não vai desatar aquelas cordas? — perguntou a moça teimosamente. Hood repôs calmamente o chapéu de seda sobre a mesa ao lado e caminhou na direção do jovemmanietado. Estudou-o atentamente, movendo-o mesmo um pouco e o virando pelos ombros, mas apenas respondeu: Não. Acho que essas cordas lhe farão muito bem, até que seus amigos da polícia tragam as algemas. O padre, que estivera olhando obtusamente para o tapete, levantou o rosto redondo e perguntou: Que quer dizer com isso? O homem da ciência apanhou o punhal do tapete e, enquanto o examinava atentamente, respondeu: Porque se encontrou Mr. Todhunter amarrado, chegaram todos à conclusão de que Mr. Glass o havia amarrado, fugindo depois. Há quatro objeções contra isso. Primeiro, por que deveria um cavalheiro tão elegante como nosso amigo Glass sair deixando seu chapéu, se o fez por sua própria vontade? Segundo — continuou, caminhando para a janela —, há uma única saída e esta está fechada pelo lado de dentro; e terceiro, esta lâmina aqui tem uma ligeira mancha de sangue na ponta, mas não há ferida alguma em Mr.

Todhunter. Mr. Glass levou essa ferida com ele, morto ou vivo. Acrescente-se, finalmente, a isto a dedução primária de que é muito mais provável que a pessoa chantageada tente matar o chantagista, do que este tente contra a vida da sua galinha-de-ovos-de-ouro. Aí está na minha opinião uma estória completa. E as cordas? — perguntou o padre, cujos olhos permaneciam arregalados com uma admiração apática. Ah, as cordas — prosseguiu o perito com uma entonação singular. — Miss MacNab queria muito saber por que eu não libertava Mr. Todhunter de suas cordas. Bem, vou-lhe dizer. Não fiz, porque Mr. Todhunter pode livrar-se delas quando quiser. O quê? — exclamaram todos em tons diferentes de admiração. Observei todos os nós da corda que amarra Mr. Todhunter — reiterou Hood calmamente. — Acontece que entendo um pouco de nós; é um ramo da ciência criminal. Cada um desses nós foi feito por ele e por ele mesmo podem ser desfeitos; nenhum teria sido feito por um inimigo que desejasse manietá-lo. Todo esse negócio de cordas é pura fraude, para nos fazer crer que ele fosse a vítima da luta, em vez do infeliz Glass, cujo cadáver talvez esteja escondido no jardim ou metido na chaminé. Houve um silêncio um tanto constrangedor; o quarto estava escurecendo, as árvores do jardim, talvez sob a influência do mar próximo pareciam mais inclinadas e mais escuras do que antes. Tinha-se a impressão de terem chegado para mais perto da janela. Quase que se poderia imaginá-las como monstruosos moluscos marítimos, que se tivessem arrastado do mar para ver o fim dessa tragédia, uma vez que ele, o vilão e a vítima dessa tragédia, o terrível homem de cartola, viera do mar. Toda a atmosfera estava carregada com a morbidez da chantagem, que é a mais mórbida das coisas humanas, pois é um crime que esconde outro crime; um emplastro preto sobre uma ferida mais negra ainda. A fisionomia do padrezinho católico, geralmente complacente e até cômica, tinha-se tornado subitamente fechada com um curioso franzimento do cenho. Não era a simples curiosidade criadora que surge quando um homem tem os primórdios de uma idéia. Repita, por favor — disse, num tom simples, mas de preocupação.

— Quer dizer que Todhunter pode amarrar-se e desamarrar-se sozinho? Exatamente — respondeu o médico. Meu Deus! — exclamou subitamente o padre. — Eu me pergunto se isto é possível! Atravessou o quarto correndo como um coelho e espiou com uma nova impulsividade o rosto parcialmente coberto do homem amarrado. Em seguida, voltou seu rosto gorducho para o grupo. Sim, é verdade! — exclamou com certa excitação. — Não podem ver isso na cara do sujeito? Olhempara seus olhos. Tanto o criminologista como a jovem olharam na direção indicada. Embora o largo cachecol cobrisse completamente a metade inferior da face de Todhunter, tiveram certeza de que ocorria uma luta intensa na sua parte superior. Seus olhos parecem estranhos — exclamou a jovem, muito comovida. — Estúpidos, estas cordas o estão ferindo!

.

Baixar PDF

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Baixar Livros Grátis em PDF | Free Books PDF | PDF Kitap İndir | Telecharger Livre Gratuit PDF | PDF Kostenlose eBooks | Descargar Libros Gratis |