| Books | Libros | Livres | Bücher | Kitaplar | Livros |

A Sabedoria dos Lamas – T. Lobsang Rampa

É bem grande o número de pessoas que gosta de palavras altissonantes. É bem grande o número de pessoas que confunde tudo, dedicando-se a essas Grandes Palavras. Eu gosto de palavras simples, pequenas. É muito mais fácil dizer o que queremos, com palavras pequenas. Afinal de contas, se vamos ler um livro em inglês ou espanhol, de modo normal não precisamos de sânscrito ou hindustani ou chinês. Ainda assim, há quem goste de Grandes Palavras. Aqui apresento uma tentativa sincera no sentido de dar-lhe um Dicionário de certas palavras e examinar com alguns detalhes os significados das mesmas. Em alguns exemplos, o significado poderia muitíssimo bem constituir uma monografia. Monografia? MONOGRAFIA? O que é uma monografia? É um ensaio curto sobre um tema. Mas vamos prosseguir com nosso pequeno Dicionário, porque é nisto que você se acha interessado. Achei que, antes de iniciá-lo, devia dizer apenas algumas palavras. Vamos iniciar com a letra A. Não consigo pensar em qualquer outra que venha antes, de modo que a primeira palavra é A. A ABHINIVESHA Indica um caráter possessório restrito ao amor da vida na Terra. É uma ligação às coisas da vida e um medo à morte, devido à perda de posses que a mesma acarretará. Os avaros amam seu dinheiro e receiam a morte porque esta os separará dele. Aos que sofram desse mal, direi que ninguém ainda conseguiu levar um só vintém para a vida seguinte! ABSTINÊNCIAS Temos de abster-nos, ou deixar de fazer certas coisas, se desejarmos progredir na estrada para a espiritualidade. Temos de conter-nos ou abster-nos de prejudicar ou ferir o próximo; devemos abster-nos de mentir. O roubo — devemos evitar o roubo, porque ele modifica o saldo material de outrem, se roubarmos alguma coisa. A sensualidade? Trata-se de uma forma impura de sexo e, enquanto o sexo puro pode elevar a pessoa, a sensualidade pode arruinar a criatura, tanto espiritual quanto financeiramente. A ganância — coisa da qual não devíamos ser culpados. A humanidade recebe dinheiro ou dons a fim de que possamos ajudar o próximo. Se formos gananciosos e nos recusarmos a ajudar, em caso de necessidade genuína, podemos ter a certeza de que a ajuda também nos será negada, quando necessitarmos dela. Quem conseguir honrar as Cinco Abstinências — não ferir o próximo, não mentir, não roubar, não ceder à sensualidade e não ser ganancioso, — nesse caso estará em paz com o mundo, embora daí não se siga que o mundo possa estar em paz com a pessoa. ACHAMANA Trata-se de um rito praticado pelos adeptos da fé hindu.


Por este rito o adorador se purifica, pensando em coisas puras, enquanto bebe água em pequenos goles, borrifando-a ao redor de si. De alguns modos, assemelha-se ao borrifo de água durante uma cerimônia cristã. O hindu, tendo feito isso, poderá então retirar-se para um estado pacífico de meditação. ACHARYA Aí temos uma palavra para designar o mestre espiritual ou, se assim o preferirem, o guru. Acharya constitui com frequência um sufixo ao nome de algum mestre religioso reverenciado. ADHARMA É a falta de virtude, a falta de correção. O pobre sujeito em tal caso provavelmente não faz qualquer das Cinco Abstinências. AGAMA Uma Escritura ou, como se chama no Tibete, um Tantra. Pode ser utilizado para indicar qualquer trabalho que prepare alguém em adoração mística ou metafísica. AGAMI GARMA É a designação correta do Carma. Significa que os atos físicos e mentais executados por alguémno corpo afetam suas encarnações futuras. Na Bíblia cristã encontra-se a afirmação de que “colherás o que semeares”, o que corresponde a dizer que quem lançar a semente da maldade colherá maldade, mas quem lançar a semente do bem e ajuda aos outros receberá retribuição “mil vezes maior”. Assim é o Carma. AHAMKARA A mente se divide em diversas partes, e Ahamkara é o tipo de dirigente do tráfego que recebe as impressões dos sentidos e as transforma em fatos que conhecemos e que podemos chamar à mente quando o desejamos. AHIMSA Foi esta a política seguida por Gandhi, uma política de paz, de não-violência. Consiste emabster-se de prejudicar qualquer outra criatura em pensamento, ato ou palavra. É, na verdade, outro modo de dizer: “Faze como queres que te façam”. AI O meio mais curto de dizer amor igual por todos, sem discriminação de raça, credo, cor ou forma. Quando nos tornamos capazes de realizar inteiramente o significado da palavra Ai, não mais precisamos ficar neste mundo, porque nos tornamos demasiadamente puros para continuarmos aqui. AJAPA Aqui temos um Mantra especial. O oriental acredita que o alento sai com o som da palavra “AJ” e entra com o som “SA”. Hansa é o som da respiração humana. “HA”, o alento saindo; “N” serve de conjugação; “SA” é o alento que entra. Fazemos esse som subconsciente quinze vezes em um minuto, ou vinte e uma mil e seiscentas vezes em vinte e quatro horas. Os animais também tem sua cadência própria; o gato o faz vinte e quatro vezes por minuto, uma tartaruga, três vezes por minuto.

Algumas pessoas acham que o Ajapa Mantra também é uma oração inconsciente, ou melhor, subconsciente, que significa: “Eu sou Aquilo”. AJNACHAKRA Este é o sexto no número comumente aceito como os sete centros de consciência conhecidos dos iogues. Na verdade, existem nove centros assim, mas nos adentraríamos demais no conhecimento tibetano se o explicássemos aqui. Ajnachakra é o Lótus no nível das sobrancelhas, um Lótus, neste caso, que tem apenas duas pétalas. Constitui parte do mecanismo do sexto sentido. Leva à clarividência, à visão interna e ao conhecimento do mundo para além deste. AKASHA Muitas pessoas se referem a isto como o éter, mas uma definição bem melhor seria a de aquilo que preenche todo o espaço entre os mundos, moléculas e tudo. A matéria de que tudo mais se forma. Devemos lembrar que essa matéria é comum em todo o nosso sistema planetário, mas daí não se segue que os demais universos tenham o mesmo tipo de matéria, podemos dizer que o corpo humano consiste de células de sangue, células de carne e, em parte diferente, células de osso. AKÁSHICO É a expressão geralmente usada quando nos referimos ao Registro Akáshico. É difícil explicar a um mundo tridimensional aquilo que é ocorrência em mundo mais multidimensional, mas talvez o possamos ver da seguinte maneira: Imagine ser um cinegrafista que sempre existiu e existirá, dispondo de quantidade ilimitada de filme (e alguém para revelá-lo!). Desde o início dos tempos você filmou tudo que já aconteceu, emtodos os lugares, a todas as pessoas. Você continua filmando os acontecimentos do dia de hoje. Isso representa o Registro Akáshico; tudo quanto já aconteceu se acha impresso no éter, como os impulsos luminosos ficam registrados no filme, ou a voz em uma fita de gravador. Além disso, devido ao mundo multidimensional em que se acha registrado, também se podemgravar as probabilidades muito grandes que afetam todos na Terra e fora da Terra. Você pode imaginar que se encontra em uma cidade; está em uma rua, um automóvel vem, passa por você e desaparece de sua visão, sem que você saiba o que está acontecendo com ele. Mas suponhamos, em vez disso, que você estivesse no ar com um balão, e que pudesse olhar para baixo e ver a estrada por um bom número de quilômetros à frente. Daria para ver o carro que vinha em velocidade, e talvez pudesse perceber um obstáculo na pista, que o automóvel não conseguiria evitar. Assim é que você veria o infortúnio do qual aquele motorista se aproxima antes de que ele tenha conhecimento do mesmo. Ou talvez você possa examinar o caso dos horários: os horários são publicados, indicando a probabilidade de um trem, ônibus, navio ou aeroplano partir emdeterminado momento de certo lugar e, de acordo ainda com o horário, que é apenas um registro de probabilidades, você chegará a determinado lugar, em certo momento. Em quase todos os exemplos o veículo realmente chega. Quando examinamos o Registro Akáshico, vale a pena lembrar que se você pudesse viajar instantaneamente a um planeta muito longínquo e se tivesse um instrumento muito especial, a luz que lá estivesse chegando, vinda da Terra (a luz tem velocidade, lembremo-nos disso), poderia mostrar o que estaria acontecendo no nosso planeta cem, mil ou dez mil anos antes. Com o seu instrumento especial, você conseguiria ver a Terra como a mesma foi há mil anos. O Registro Akáshico vai além disso, pois mostra a probabilidade forte do que vai acontecer. As probabilidades com que uma nação se defronta são muito mais fortes, muito mais certas, do que no caso dos indivíduos, e as pessoas especialmente preparadas podem entrar no estado astral e consultar o Registro Akáshico a fim de ver o que aconteceu, o que está acontecendo em qualquer parte do mundo e quais são as probabilidades terrivelmente fortes do futuro.

à coisa bem semelhante, na verdade, a ir a algum cinema e assistir a um filme. Se você souber, consultando o programa, qual o filme que está sendo exibido em determinado momento, poderá entrar e assistir apenas àquele. ALÉM Refere-se ao Grande Além. Indica aquele estado de existência para além do físico no qual nos encontramos, e se refere à vida além do Vale da Morte. Ao correr das eras, e em todo o mundo, as pessoas tem especulado quanto à natureza do “Além”. É deplorável que os chamados “cientistas” queiram pesar tudo, submeter tudo a provas e provar tudo, porque isso limita sua capacidade de perceber o óbvio. Quando uma pessoa se acha pronta para receber a verdade, esta última lhe vem, e ela sabe da verdade dessa verdade, pois o que é não necessita de provas, enquanto o que NÃO é não pode ser provado. ALMA Palavra muito incompreendida. É nosso Ego, nosso Eu Maior, o mestre do fantoche, o “Eu” verdadeiro. O espírito que utiliza corpo carnal a fim de aprender coisas, na Terra, que não poderiam ser aprendidas no mundo espiritual. AMOR Aqui temos uma palavra das mais mal compreendidas, assim como o sexo. O sexo e o amor, o amor e o sexo, encontram-se misturados, confundidos. A gente de hoje abusa dessas palavras, dá-lhes sentido errôneo. O amor, na verdade, é a harmonia entre duas pessoas, ou entre duas criaturas de qualquer tipo. Isso não significa que elas tenham interesse sexual, mas que cada qual vibra em frequência que é inteiramente compatível com a frequência da pessoa amada. O amor é altruísta. Pelo amor, alguém faz coisas que não faria por dinheiro. Aí temos algo muitíssimo carente de sentimento romântico, mas se as pessoas vibrarem na frequência errada, isso causará desagrado, apreensão, ou até mesmo medo físico. Se alguém pudesse ter mais algumas oscilações por segundo, ou melhor, se alguém pudesse ter suas moléculas agitadas para que se movessem um pouco mais depressa, nesse caso, a desarmonia desapareceria, a harmonia se instalaria e o amor chegaria. ANAHATA CHAKRA O simbolismo deste Chakra é a Roda ou o Lótus. O simbolismo do Oriente refere-se ao mesmo como uma Roda estilizada, que é também um Lótus estilizado. No Tibete, é somente o Lótus. Aqui temos um Chakra no nível do coração. Apresenta doze pétalas de cor dourada. Quando se pode ver a aura da pessoa, observa-se que às vezes o dourado é manchado de vermelho, de outras vezes temfaixas ou salpicos de azul-escuro, mostrando os estados de alma diferentes e as etapas diferentes de evolução da pessoa.

Abaixo deste centro de Anahata encontramos outra manifestação do Lótus, num arranjo de oito pétalas, que se agitam e oscilam suavemente, quando alguém se encontra em meditação. Ele se agita e oscila como a anêmona do mar, que podemos ver em um aquário. Ao contemplarmos a aura, vemos os raios de luz que a fazem assemelhar-se ao Lótus em flor ou à Roda, dependendo da capacidade de que se tenha de formar imagens, sejam mecânicas ou hortícolas. O Chakra de Anahata é o quarto dos centros de consciência iogues comumente conhecidos. Na verdade, como dissemos antes, existem mais de sete. ANAHATA SHABDA Representa um som que na realidade não é um som percebido. Ao invés, constitui uma impressão do som que se ouve muitas vezes durante a meditação, quando se chegou a determinada etapa. O som, naturalmente, é o do Mantra Om. ANANDA Alegria pura. Alegria e prazer destituídos de conceitos materiais. Indica a ventura e felicidade que se sente quando se pode sair do corpo conscientemente e ter ciência do êxtase absoluto de estar livre, ainda que por algum tempo, do envoltório de argila, frio e desolado, que é o corpo humano na Terra. ANATMA Significa “Este é o Mundo de Ilusão”. Neste mundo, nesta Terra, achamos que apenas as coisas materiais importam. As pessoas fossam no lixo, procurando dinheiro, e amontoam boas quantidades do mesmo (algumas delas). Ninguém jamais conseguiu levar um só tostão para a vida seguinte, mas ainda assim as pessoas correm atrás das coisas materiais, que temos de abandonar quando partimos deste mundo. ANGAS Uma indicação das coisas a que devemos obedecer, a fim de progredirmos no Ioga espiritual, ao invés de no físico. Devemos progredir e observar corretamente a meditação, o controle da respiração, a meditação adiantada e a contemplação. Também devemos lembrar-nos, de modo específico da Regra áurea, que quer dizer: “Faze como queres que façam a ti”. ANNAMAYAKOSHA Esta palavra longa significa apenas o envoltório físico, o corpo, que aloja o espírito. Quando se está voltando ao corpo físico, depois de uma permanência consciente no astral, nem sequer se utiliza tal palavra para exprimir as sensações proporcionadas pelo monturo frio e pegajoso ao qual temos penosamente de voltar à utiliza-se palavra muito pior. Mas… Annamayakosha é a designação técnica. ANTAHKARANA A filosofia oriental, a filosofia vedanta, utiliza essa palavra quando se refere à mente, no modo pelo qual a mesma é utilizada para controlar um corpo físico. APANA Algumas palavras do longínquo Oriente são notavelmente explícitas em seus significados. O sânscrito não se vê tolhido pelas convenções de muitas línguas ocidentais. Nem sempre podemos utilizar precisamente os mesmos significados, e assim sendo vamos apenas registrar o significado de Apana, como sendo tudo aquilo que tem a ver com a excreção, os diversos orifícios, processos, etc.

Na aura, de modo bastante apropriado, ela se apresenta como cor vermelho-escura, ou vermelho-marrom-escuro, que rodopia e se retorce, e depois se estende como uma poça intumescida. APARIGRAHA Esta é a quinta das Abstinências. Indica que devemos tomar o Caminho do Meio, em tudo, não sendo demasiadamente bons, nem maus em excesso, evitando os extremos e mostrando-nos equilibrados. ARHAT É aquele que atingiu a compreensão perfeita daquilo que se acha para além da vida. Indica a criatura que abandonou: 1. 1. A ideia de que o corpo é importante. 2. 2. A incerteza quanto à Trilha correta a adotar. 3. 3. A dependência quanto a regras rígidas. 4. 4. Os agrados surgidos da memória imperfeita de uma vida passada. 5. 5. Os desagrados advindos de uma recordação imperfeita de uma vida passada. ÁSANA Aí temos uma posição, ou posição sentada, utilizada nos preparativos para a meditação. Os Grandes Mestres jamais determinaram regras fixas sobre como devamos sentar-nos, tendo-se limitado a dizer que devemos estar a cômodo e À vontade, mas desde então diversas pessoas que não foram, em absoluto. Grandes Mestres, procuraram criar sensação, procuraram aumentar sua própria posição, ordenando a seus estudantes de Ioga que se empenhem em todas as formas de contorções ridículas e fantásticas. A coisa única a fazer para meditar é sentarmo-nos a cômodo, caso em que estaremos na posição correta, do modo mais definido. Não importa se você está sentado com as pernas cruzadas, ou estendidas, desde que esteja a cômodo; eis tudo que se requer da posição. ASAT Todas as coisas que são irreais ou ilusórias.

Este é o Mundo de ilusão, o mundo da irrealidade. O Mundo do Espírito é o verdadeiro. O oposto de Asat é Sat, isto é, aquelas coisas que são reais. ASHRAMA É o lugar onde o Professor e os discípulos residem. Muitas vezes é utilizado para designar umeremitério, mas pode também ser utilizado para indicar as quatro etapas principais em que se divide a vida sobre a Terra. Essas etapas são: 1. 1. O estudante celibatário. 2. 2. Uma pessoa casada, e que não guarda celibato. Essa pessoa não precisa ser estudante. 3. 3. Retiro e contemplação. 4. 4. A vida monástica — e “monástica”, como você há de lembrar-se, indica uma vida solitária. ASMITA Vaidade, egoísmo, o orgulho estofado do ser humano não-evoluído. A medida que a pessoa evolui, Asmita desaparece. ASTEYA Um nome para a terceira das Abstinências. A terceira Abstinência exorta a que não roubemos, e nesta advertência está incluído que não devemos roubar em pensamento nem em ato concreto, e tampouco devemos cobiçar a propriedade de outra pessoa.

.

Baixar PDF

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Baixar Livros Grátis em PDF | Free Books PDF | PDF Kitap İndir | Telecharger Livre Gratuit PDF | PDF Kostenlose eBooks | Descargar Libros Gratis |