| Books | Libros | Livres | Bücher | Kitaplar | Livros |

A teoria dos incorporais no estoicismo antigo – Emile Brehier

Pensar em termos de acontecimentos não é fácil. Menos fácil ainda pelo fato de o próprio pensamento tornar-se então um acontecimento. Ninguém como os estoicos e os ingleses para ter pensado assim. ENTIDADE = ACONTECIMENTO, é o terror, mas também muita alegria (DELEUZE ; PARNET, 1998, p. 80). Émile Bréhier (1876-1952) não é apenas um, dentre muitos historiadores de filosofia, que escreveu uma robusta obra de História da Filosofia, dos antigos aos modernos, passando pelo pensamento oriental. Também não devemos reduzi-lo a um comentador de filosofia antiga entre tantos outros, por exemplo, como sugerem suas obras sobre Plotino, Fílon de Alexandria, Crisipo, outros estudos menores sobre a Antiguidade, etc. A teoria dos incorporais no antigo estoicismo é, semsombra de dúvida, uma obra importante e singular para o pensamento contemporâneo francês, comVladimir Jankélévitch, Gilles Deleuze, Michel Foucault, Jacques Derrida, Maurice Blanchot, Clément Rosset, entre outros. Teoria que possibilita entrever a possibilidade real de pensar e problematizar outra “ontologia”, de caráter não metafísico. Talvez seja nesta obra, parece-nos, que podemos não só ouvir um dos primeiros gritos, no século XX, de “viva o múltiplo”, como também de fazê-lo efetivamente. A teoria dos incorporais no antigo estoicismo foi publicada, primeiramente, em 1908, como tese de doutorado para a Faculté des Lettres de Paris, da Sorbonne. Logo depois, em 1910, Bréhier publica outro texto importante sobre o tema : Chrysippe et l’ancien stoïcisme [Crisipo e o antigo estoicismo]. Sabemos também que assistia, nessa época, aos cursos de Henri Bergson junto com seu amigo Charles Péguy, outro pensador caro à problemática dos acontecimentos-incorporais. Enquanto este morre na Primeira Guerra Mundial, Bréhier sofre, como efeito desta, ferimentos no braço esquerdo, mais tarde amputando-o. Pierre-Maxime Schul chega a afirmar que, se não era propriamente um estoico, tinha uma alma estoica, pois sofrera sem nenhuma queixa, e serenamente, as dores do corpo. Ao contrário do platonismo, o corpo não aprisiona e limita a alma, é a alma, vitalidade imanente ao corpo, que tensiona suas partes ao limite do que pode e lhe confere virtudes racionais. O corpo é pleno de razão. Seria pouco dizer que Bréhier se interessava profundamente pelos primeiros estoicos, seja com Zenão de Cítio, seja com Cleantes ou Crisipo. Mas é precisamente nesse limite onde o pensamento e as anedotas da vida se tornam imprecisos que devemos ler A teoria dos incorporais no antigo estoicismo. Os primeiros estoicos são os personagens filosóficos que, pela primeira vez na história da filosofia, encenam, tendo por pano de fundo a antiguidade grega, a noção de incorporal ou acontecimento. Noção complexa e difícil à qual se contrapõem e tentam fugir do platonismo e da filosofia peripatética, levando-as, com humor (e não com ironia), ao pé da letra. Deleuze, na Lógica do sentido, retoma nas cômicas anedotas de vida desses gregos a intensidade do cômico e do riso no pensamento. Eis algumas dela : Como diz Crisipo, “se dizes a palavra carroça, uma carroça passa por tua boca” e não é nemmelhor nem mais cômodo se se tratar da Ideia de carroça. […] Ao “bípede sem plumas” como significado do homem segundo Platão, Diógenes o Cínico responde atirando-nos um galo com plumas. E ao que pergunta sobre “o que é a filosofia”, Diógenes responde fazendo passear umarenque na ponta de um cordel : o peixe é o animal mais oral […].


Platão ria daqueles que se contentavam em dar exemplos […]. Ora, é fácil fazer com que Platão desça de novo o caminho que ele pretendia nos fazer escalar (DELEUZE, 2003, p. 137-138). Diógenes Laércio ainda nos lembra, na obra Vidas e doutrinas dos filósofos ilustres, da morte cômica de Crisipo, quando, com uma grande gargalhada, morreu vendo seu asno ser embriagado por sua criada. Anedota que confere outra vida, outra imagem ao pensamento, distanciando-se ao máximo das teorias trágicas e das mortes imponentes, seja de Empédocles, Sócrates, seja até mesmo de Sêneca. Não podemos deixar de ver nessa atitude agonística os fortes traços do cinismo de Antístenes e Diógenes, conhecido também como o Sócrates ensandecido. Agonística que não se faz com ironia, tristeza, angústia, mas com humor. Se o humor e os paradoxos servem de argumento contra uma filosofia, dizendo-a menor, por outro lado, elas serão as armas, zombarias contra essas filosofias maiores. Assim como eles, Nietzsche via nessa “maioridade” filosófica não uma saída de um estado menor, de tutela, mas a pobreza de um pensamento e de uma vida que necessitam dos valores estabelecidos, do Estado, da Igreja, da Família, da Escola, etc. Se chegaram até nós somente as obras de Platão e Aristóteles, diz o filósofo, a razão não está na sua grandeza, mas na falta de leitores. Por isso, dos primeiros estoicos, não temos sequer uma página, e dependemos dos comentários de seus opositores e dos argumentos de seus adversários. Para os cínicos e os estoicos, tudo é corpo, até mesmo as virtudes, a razão, a filosofia. A filosofia, por exemplo, era considerada um organismo, um sistema, constituída pela lógica, pela física e pela ética, na qual cada parte está interligada e dependente da outra. Bréhier via o estoicismo como uma filosofia sem fissura, um todo. Suas palavras são relevantes ao afirmar a respeito dela : Adequação completa do sábio a Deus, do homem ao universo, do prático ao teórico ; aparece como uma espécie de limite ideal no qual todas as dualidades desaparecem ; é por isso que a sabedoria estoica tem um valor permanente ; o consentimento ao mundo, o amor fati, a indiferença ao acontecimento, como traços solidários que dão ao homem a liberdade interior e o fazem escapar ao desequilíbrio que nasce da instabilidade e da inconstância dos acontecimentos. O estoicismo, esta arte de viver, me parece então como uma sabedoria a qual, para aprovar ou para negar, se referem, doravante, todas as doutrinas filosóficas. Ainda aí, eu encontrei menos um sistema limitado e datado do que o ponto de partida de um élan que, comlentidões e retomadas, atravessou todo o pensamento ocidental (BRÉHIER, 1955, p. 4). A própria razão é Deus, divina. Tudo está cheio de deuses, como dizia Heráclito. A própria natureza também é racional e, por ser racional e divina, não há nenhum mal ou culpa nas necessidades mais fisiológicas, ou biológicas. Eles afirmam com todas as letras uma espécie de materialismo levado às últimas consequências. As únicas coisas que existem são os corpos ou as forças, que são causas uns para os outros. Os estoicos inventam um mundo de encontros e de misturas de corpos, uns nos outros : como a água e o vinho. Inventam, antes mesmo da Antropofagia brasileira, esse mundo infernal de misturas e canibalismos.

Deleuze retoma as anedotas : Com efeito, que significam esta gula, esta apologia do incesto, esta apologia do canibalismo ? Como este último tema é comum a Crisipo e a Diógenes o Cínico, Laércio não dá nenhuma explicação para Crisipo, mas havia proposto uma para Diógenes, particularmente convincente : “Ele não achava tão odioso comer carne humana, como o fazem povos estrangeiros, dizendo que, em sã consciência, tudo está em tudo e por toda parte. Há carne no pão e pão nas ervas ; estes corpos e tantos outros entram em todos os corpos por condutos escondidos e se evaporamjuntos […] esta tese, que vale também para o incesto, estabelece que na profundidade tudo é mistura” (DELEUZE, 2003, p. 134). No limite, na superfície desse mundo “infernal” de encontros e de forças, estão os efeitos incorporais, impassíveis e neutros, compondo uma multiplicidade sem fim e sem laço desses “seres” incorporais. Vladimir Jankélévitch denomina-os “quase-nadas”, pois não são seres, muito menos “nadas”, subsistem, repetem-se na linguagem, no limite dos corpos. É no limite desse mundo de misturas, dessa superfície incorporal que Bréhier nos convida a pensar. Os incorporais são esses acontecimentos na história da filosofia, quando ela começa a problematizar a fissura, a cicatriz e o ferimento, e tantos outros, apesar de conceber o mundo como um organismo, um todo. Segundo a lista de Sexto Empírico, os incorporais seriam quatro : o lugar, o vazio, o tempo e o exprimível, problematizados tanto na profundidade da física quanto na superfície lógica. Cada um desses quatro efeitos deverá ser compreendido na sua singularidade. É preciso termos cautela com cada um deles, pois seus nomes soam-nos como palavras comuns, cotidianas. Bréhier tomará a precaução de apontar minuciosamente como devemos compreender cada um ; alertando-nos do risco de associarmos erroneamente o exprimível com a palavra, ou o significante ; lembrará que o vazio não é parte do mundo, mas algo que, associado e exterior ao mundo, comporá “o tudo” (τὸ πᾶν) ; para compreender a singularidade do lugar, devemos nos desfazer da imagem contentor-conteúdo, o mundo representado como bonecas russas. Paradoxalmente, o lugar não temlugar no mundo. Muito menos compreenderemos, dirá Bréhier, o tempo a partir de suas coordenadas : passado, presente e futuro. O tempo incorporal está fora dos seus eixos, infinito, como uma criança jogando dados, pertence somente àqueles que entraram num devir menor. Não é à toa que Deleuze busca na Alice de Carroll seu personagem mais eminente, sem altura e profundidade dos adultos. Os garotos só entram aí se forem gagos e canhotos, desfazendo-se de toda falsa sabedoria, animalidade e profundidade. Utilizando uma imagem de Peter Sloterdijk, é a criança que sopra bolas de sabão ou bolhas de ar, remetendo-nos a um espaço “quase” sem objetividade e sem estabilidade. Os primeiros estoicos possibilitam pensar uma nova e paradoxal imagem do pensamento : umpensamento sem imagem. É aí e por aí que perdemos a vontade de dizer a verdade, desfazemo-nos dos clichês mais banais e, com isso, da necessidade de um Deus a significar, de um mundo a designar e de manifestar os desejos e as vontades do sujeito. Momento forte na história da filosofia no qual a sabedoria marca seu território, e os estoicos cavam suas próprias trincheiras filosóficas. Até mesmo os estoicos posteriores desconfiavam dessa noção, criticando-a por sua falta de utilidade, seu vazio de pensamento. É nesse instante que Bréhier flagra esses personagens, no limite do mundo grego, em delito de fabulação, nesse momento impreciso de intensa criação filosófica, levando o pensamento (e juntamente a história da filosofia) à sua enésima potência. Podemos ler, portanto, A teoria dos incorporais no antigo estoicismo como um elogio aos incorporais, e não apenas como um resgate crítico dessa noção. Como observa Bréhier, os primeiros estoicos são o élan que atravessou todo o pensamento ocidental. A posição deles na história da filosofia é excepcional.

Embora não tenham levado até o fim a radicalidade da teoria dos incorporais, foram os primeiros a propor tal noção. Teoria dos incorporais no antigo estoicismo descreve muito bem a situação-limite do pensamento estoico na filosofia. Assim, podemos ler aí : Num sentido, eles estão tão longe quanto possível de uma concepção como as de Hume e de Stuart Mill, que reduzem o universo a fatos ou acontecimentos. Noutro sentido, entretanto, eles tornam possível tal concepção, separando radicalmente, o que nenhuma pessoa havia feito antes deles, dois planos de ser : por um lado, o ser profundo e real, a força ; por outro lado, o plano dos fatos, que atuam na superfície do ser, e constituem uma multiplicidade sem laço e sem fim de seres incorporais. É, portanto, nesse teatro filosófico de máscaras sobre máscaras que Bréhier nos incentiva a encenar, a pôr em ação.

.

Baixar PDF

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Baixar Livros Grátis em PDF | Free Books PDF | PDF Kitap İndir | Telecharger Livre Gratuit PDF | PDF Kostenlose eBooks | Descargar Libros Gratis |