| Books | Libros | Livres | Bücher | Kitaplar | Livros |

A Testemunha – Josh McDowell

Asua filha estava morta; a sua esposa desaparecida. E, agora, Rafeeq Ramsés temia pela sua própria vida. — Só temos mais dois dias — disse o senhor idoso que caminhava na luxuosa sala de estar do seu suntuoso apartamento no litoral de Monte Carlo. Ele parecia “devorar” um cigarro após o outro, como se fosse um homem que preferia morrer de câncer de pulmão a ser vítima de um carro-bomba ou de uma bala de um assassino. — Acabo de receber mais um recado, pouco antes de você chegar. Se eu não transferir mais dinheiro até sexta-feira, eles disseram que matarão Claudette e depois virão ao meu encalço. Por isso, por favor, Sr. Acade, lhe suplico… diga-me que tem boas-novas para me contar, porque acho que estou chegando ao meu limite nisso tudo. — Quanto eles estão pedindo agora? — Vinte e cinco milhões — disse Ramsés — além dos onze milhões de euros que eu já paguei. Era uma enorme quantia de dinheiro para um mero mortal, só que o velhinho Ramsés, de 79 anos, não era nenhum mero mortal. Seis meses antes, ele vendeu a sua empresa — a Blue Nile Holdings, fundada em conjunto com o seu falecido irmão nos idos de 1963 — para um conglomerado francês pela incrível soma de 563 milhões de euros. Ele era, agora, um dos homens mais ricos do Egito e uma lenda viva dentre a elite comercial de toda a África Setentrional e do Oriente Médio. Marwan Acade sentou-se a poucos metros, em um sofá comprido, feito de couro italiano de alta qualidade e entendeu a situação. Por muitos anos, Ramsés fora o cliente perfeito — idoso, rico e aterrorizado. Era para homens como ele que Acade montou a sua empresa de segurança executiva. Só que este caso havia deixado um gosto muito amargo na boca. A ganância, a corrupção, a chantagem e os assassinatos estavam por toda parte. A cada pedra que ele tombava, voltava a se encontrar com a depravação da alma humana. Ele não tinha mais palavras para consolar aquele pobre homem, agora separado das duas mulheres que ele mais amava no mundo. Então, começou pensar se já não seria hora de abandonar esse ramo de negócios de uma vez por todas. Acade terminou o seu café expresso e olhou ao longe, sobre as águas cintilantes do Mediterrâneo e para o reflexo do sol poente nas janelas dos outros apartamentos de alto padrão que ficavam ao lado. Ficou imaginando o que os seus pais teriam pensado da vida que ele agora levava — os helicópteros, os jipes de guerra, os ternos Armani e os coletes à prova de balas feitos de Kevlar. Quanto mais riscos ele assumia, mais dinheiro ganhava. Será que aquilo não era somente umnegócio lucrativo? Ele sabia o que a sua mãe lhe diria: Ela havia lhe implorado para que saísse de Beirute depois de prestar o serviço militar e se formar em medicina, ou em engenharia e se mudar para Paris, encontrar-se com Rania e ali se estabelecer. Ela queria muito que ele levasse uma vida tranquila e segura, que tivesse filhos e os criasse como homens de bem, amantes da ciência, homens de grandes feitos.


Só que, como tolo, ele não lhe deu ouvidos. Será que ela, de algum lugar, o estaria vendo naquele momento? Será que sua mãe sabia quanto tempo ele havia passado ajudando os ricos a resgatar as suas esposas-troféus das mãos de chantagistas e de senhores do tráfico de drogas? Será que ela viu quanto tempo ele passou levando e trazendo os seus clientes de jatinho de Bagdá, de Mosul e de Fallujah? Será que os mortos custam muito a pegar no sono? — Tenho novidades — disse, finalmente, Marwan Acade — mas receio que não sejam muito boas. — São sobre Claudette? — perguntou Ramsés, de forma ansiosa. — Aqueles animais fizeram alguma coisa com ela? Eu os mato, juro a você, Sr. Acade. Não descansarei enquanto não caçá -los um a um e fizer com que paguem tudo isso com sofrimento. Acade balançou a cabeça. — É sobre Claudette, mas não é o que você está pensando. Por favor, sente-se. — Diga logo o que você sabe. — Já vou lhe contar, Sr. Ramsés, mas, por favor, sente-se. Outrora um homem robusto, a saúde de Ramsés vinha decaindo rapidamente ao longo das últimas duas semanas. Ele desabou em uma grande poltrona estofada e, muito nervoso, acendeu mais um cigarro. Os seus olhos estavam vermelhos e úmidos, contudo cheios de uma ávida expectativa. Ele se reclinou para trás e disse: — Por favor, Sr. Acade, não brinque com o meu sofrimento, insisto-lhe. Acade acenou com a cabeça e perguntou: — Sr. Ramsés, o que “São Paulo” significa para o senhor? O homem idoso pareceu confuso. — Você quer dizer, aquela cidade que fica no Brasil? — Isso mesmo. Ramsés encolheu os ombros: — Nada… por quê? — Nada mesmo? — insistiu Acade. — Não, por que deveria significar alguma coisa? — A Blue Nile tinha algum escritório ou fábricas lá? — Não. — Alguma pessoa da sua equipe sênior de gerenciamento era de lá? — Não. — Algum dos seus empregados era de lá? — Acho que não. — O Senhor já foi alguma vez a São Paulo a negócios? — Não, estou lhe dizendo que não.

— E nunca esteve naquela cidade nem para passar as férias com a sua esposa? — E quem tem tempo para férias? — Ramsés disse irritado. — Sou um homem ocupado e poderoso. — E a Sra. Ramsés foi alguma vez a São Paulo sozinha, por qualquer outro motivo? — Não, obviamente não foi. — O senhor tem certeza disso? — Não estou entendendo onde o senhor quer… — O senhor tem certeza mesmo, Sr. Ramsés? — pressionou Acade. — Pense. Rafeeq Ramsés levantou da sua cadeira e começou novamente a andar pela sala, dando longas tragadas no seu cigarro. — Bem, ao pensar nisso, talvez ela tenha ido — disse ele depois de alguns momentos. — Fale mais sobre o assunto. — Não tenho muito a dizer. A prima de segundo grau de Claudette, certa vez, casou-se com um brasileiro. O relacionamento não durou mais que seis meses, depois disso eles se divorciaram. — O senhor foi àquele casamento? — perguntou Acade. — Não, mas Claudette foi… ela odiou a cidade de São Paulo, isto é, muita gente, muito barulho… era uma Nova York, só que sem o charme da cidade americana, segundo ela me contou. — E, quando foi o casamento? — Eu não sei, três ou quatro anos atrás — disse Ramsés, que, agora, preparava uma bebida no bar que ficava próximo à janela. — Por quê? Aonde você quer chegar com tudo isso? Acade se abaixou, apanhou a sua maleta, puxou um grande envelope pardo e o entregou a Ramsés. — O que é isso? — perguntou o senhor idoso, ao dar um gole no seu Martini. — Abra! — disse Acade — e você vai ver. Ramsés olhou para Acade por alguns instantes, depois largou o copo de Martini, chegou mais perto, apanhou o envelope e o abriu lentamente. Enquanto ele puxava a fotografia de 20x25cm empreto e branco, empalideceu-se, e uma expressão de extrema confusão tomou conta do seu rosto. Ele, agora, tinha em mãos uma fotografia da sua esposa, datada de menos de quarenta e oito horas atrás. Ao contrário das fotos anteriores, que vinham com mensagens pedindo resgate, nesta ela estava semcordas e sem mordaça na boca. Em vez disso, estava sentada em um escritório, na frente de uma mesa, conversando com algum tipo de atendente ou gerente. — Não estou… não estou entendendo — Ramsés, finalmente, conseguiu verbalizar a sua confusão mental, apesar da sua voz estar fraca e as suas mãos trêmulas.

— O que é isso? Onde esta foto foi retirada? — Esta imagem foi feita por uma câmera de segurança, no interior de uma agência bancária de São Paulo — explicou Acade. — A sua esposa estava sacando parte do dinheiro que o senhor transferiu para o pagamento do resgate dela. Ramsés, claramente, não estava conseguindo processar a imagem que tinha em suas mãos. — O que você está dizendo, Sr. Acade? — disse, enfim, o homem idoso. — Que a minha esposa… o senhor acha que ela planejou tudo isso? O senhor está dizendo que esta é uma prova de que ela me traiu? Acade não disse nada; ele esperou para que a verdade dolorida fosse, primeiramente, absorvida pelo seu cliente antes de apresentar um plano de ação, mas isso jamais ocorreria. Dois disparos, subitamente, foram ouvidos. O enorme vidro da janela explodiu ao redor deles. O homem idoso foi ao chão; o sangue escorria da sua boca. Rafeeq Ramsés estava morto, e Marwan Acade temia ser o próximo cadáver. 2 Marwanatirou-se embaixo de uma mesa de carvalho maciço ao ver que mais tiros eramdisparados contra a suíte, estilhaçando pratos, quadros e lançando cacos de vidro para toda parte. Dois dos guarda-costas de Ramsés correram para dentro da sala, com as armas prontas, mas foram alvejados por tiros antes mesmo de poderem identificar o atirador, tampouco de revidar ao ataque. O Sr. Acade apanhou o telefone, mas a linha estava cortada. Ele tentou alcançar a sua arma, contudo, de súbito, lembrouse que os seguranças da mesa da frente lha haviam tomado. Uma coleção de vasos antigos explodiu sobre a sua cabeça. Vários tiros atingiram a mobília ao seu redor. Ele não poderia ficar ali. Os atiradores sabiam de sua presença naquela sala, bem como a sua posição no ambiente. Marwan rolou para a esquerda e esbarrou nos corpos dos dois guarda-costas mortos. Os tiros se intensificaram. Ele conseguiu apanhar as armas que estavam presas aos corpos dos guardacostas —depois apanhou a foto da esposa do Sr. Ramsés — e se atirou rumo à porta aberta que ficava no corredor principal. Dois outros guardas estavam saindo do elevador. — Abaixem-se! Abaixem-se! — gritou Marwan, enquanto o corredor era crivado de balas.

O primeiro guarda conseguiu se abaixar instantaneamente. O segundo não teve tanta sorte; ele levou dois tiros nas costas e começou a soltar gritos agudos de dor. — Rápido, Sr. Acade, desça pela escada — gritou o primeiro guarda, que tentava, desesperadamente, ajudar o seu colega. Ele aceitou o conselho e correu rapidamente escadaria abaixo, com as armas engatilhadas, caso alguém estivesse à sua espreita. Marwan desceu rapidamente dez lances de escadas, com a mente perturbada. Pouco tempo depois e ele irrompeu no saguão, querendo saber se ainda havia alguma esperança do motorista continuar ali o esperando. Ele vasculhou a multidão que estava se aglomerando, mas não conseguiu enxergar nenhuma pessoa conhecida. Ele conseguia ouvir sirenes a uma longa distância. Um alarme de incêndio foi disparado; as pessoas gritavam — era um pandemônio. Só que o tiroteio havia cessado, pelo menos por enquanto. — M. Acade? — alguém gritou do meio da multidão. Guardas da segurança particular e agentes à paisana corriam em todas as direções. Os moradores do prédio entupiam os elevadores, todos com uma expressão de pânico no rosto. Ele não viu ali nenhum conhecido, mas voltou a ouvir aquela voz. — M. Acade, estou aqui. Ele se virou e voltou a olhar para direção de onde vinha a voz e, desta vez, avistou o motorista, um homem baixo e de fisionomia simpática que corria ao seu encontro. — M. Acade, por favor — disse o homem, tentando recuperar o seu fôlego — precisamos tirar o senhor daqui. Espere aqui, pois vou trazer o carro até a porta. — Eu vou com você — disse Marwan. — Não, não, monsieur — insistiu o motorista. — Voltarei num instante.

Rapidamente, o motorista veio com o carro em direção à porta, tentando desviar o veículo da massa de pessoas que tentava fugir do Edifício Sovereign Place e do edifício Seaside Place, que ficavam ao lado, dois dos complexos de apartamentos mais luxuosos e cobiçados de Mônaco. Marwan não tinha qualquer interesse em entrar em atrito com aquele homem; havia muito mais coisa com que se preocupar. Será que Claudette Ramsés e os seus comparsas sabiam que Ramsés estava rastreando as suas transferências bancárias? Será que os assassinos sabiam que ele conhecia o seu paradeiro em São Paulo? Seria este o motivo do assassinato de Rafeeq Ramsés, hoje, antes que ele pudesse agir em cima destas novas informações? Como isto seria possível se ele somente havia revelado esta informação ao próprio Ramsés minutos antes da sua morte? A Acade & Associados trabalhara para Ramsés por dez anos. Ramsés tinha uma empresa de segurança sediada em Paris que trabalhava para ele há muitos anos. A empresa de Acade somente foi contratada depois da morte da filha de Ramsés e do desaparecimento da sua esposa; e mesmo assim, somente para a investigação desses crimes — nada mais. Marwan havia se oferecido para suplementar, ou mesmo substituir os guarda-costas franceses pelos seus próprios homens, mas Ramsés disse não. Ele não queria fazer nenhuma mudança brusca que pudesse incomodar os chantagistas ou levá-los a maltratar a sua esposa, de alguma forma. Só que esse foi um erro fatal. Marwan assistiu as viaturas policiais e outros veículos do serviço de emergência chegarem ao local vindos de todas as direções e sabia que a imprensa não demoraria muito a chegar também. Essa era a última coisa que ele desejava — ter o seu rosto estampado na capa de todos os jornais da Europa e do Oriente Médio. Esse não era exatamente o tipo de publicidade que o principal executivo de uma agência de segurança em ascensão desejaria ter na imprensa. Ele verificou o seu relógio e vasculhou com os seus olhos a multidão ali fora, até encontrar o seu motorista atravessando a rua, entrando no Range Rover novo e brilhante e acionando o motor. Marwan seguiu até a porta frontal. Ele queria sair daquele lugar o mais rápido possível, mas, tão logo deixou o prédio e começou a caminhar através da praça, o utilitário esportivo subitamente voou pelos ares numa monumental explosão que lançou Marwan ao chão. Chamas e fumaça foramlançadas aos ares, estilhaços de vidro e pedaços de metal começaram a chover do alto. Naquele momento pavoroso, Ele percebeu que também estava sendo caçado.

.

Baixar PDF

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Baixar Livros Grátis em PDF | Free Books PDF | PDF Kitap İndir | Telecharger Livre Gratuit PDF | PDF Kostenlose eBooks | Descargar Libros Gratis |